11 – O Gato e o Canário (1927)

The Cat and the Canary

1927 / EUA / P&B / Mudo / 80 min / Direção: Paul Leni / Roteiro: Robert F. Hill, Alfred A. Cohn (adaptado da peça de John Willard) / Produção: Paul Kohner / Elenco: Laura La Plante, Creighton Hale, Forrest Stanley, Tully Marshall, Gertrude Astor


Em O Gato e o Canário, o diretor Paul Leni realiza aqui a sua primeira produção em solo americano, produzida pela Universal de Carl Laemmle, imprensado entre O Gabinete das Figuras de Cera dirigido em sua Alemanha natal, e seu grande sucesso, O Homem que Ri. E posso afirmar que essa fita é uma espécie de gênese do filme de casas mal assombradas, mesmo que seja mais um expediente subentendido do que explícito, e tenha boas doses de mistério, pendendo mais para o suspense.

Utilizando toda a atmosfera do expressionismo alemão, escola de Leni, O Gato e o Canário, baseado na peça da Broadway, mistura elementos de terror, suspense, humor negro, atuações exageradas, um casarão provável lar de fantasmas, e uma trama que depois se tornaria uma espécie de clichê: herdeiros reunidos em uma mansão velha e caindo aos pedaços, sedentos por uma herança e vítimas das excentricidades de um antigo familiar morto e de um misterioso assassino movido pela ganância.

O milionário Cyrus West passa os últimos dias de sua vida recluso em sua mansão, dado como louco por todos seus parentes ambiciosos, que ficam como gatos em volta de um canário, esperando o velho bater as botas para colocar as mãos na sua herança. Porém quando ele morre, trollando geral, West define que seu advogado, Roger Crosby, só ira ler seu testamento 20 anos após sua morte.

Na data marcada, a sinistra governanta Mammy Pleasent e o advogado recebem todos os herdeiros que deverão passar a noite na assustadora mansão, onde os ditos populares dão como certeza que é habitada por fantasmas. Para a leitura do testamento, reúnem-se o sobrinho de West, Harry Blythe, Charlie Wilder, Paul Jones, Cecil Young e a tia Susan Silsby e a bela e jovem sobrinha Annabelle West, parente mas distante de West, que é a felizarda da vez e ficará com a bolada, segundo o testamento.

Donzela em perigo

Donzela em perigo

Porém, o último desejo do velho morto é que ela seja analisada por um médico psiquiatra naquela noite e ele deverá atestar a sanidade da garota, caso contrário, outro nome dentro de um envelope extra no poder de Crosby, será o recompensado com a fortuna. Claro que isso já dá pano para a manga onde uma intrincada teia de acontecimentos, obviamente arquitetados por aquele que tem seu nome no segundo envelope, mas que só será revelada sua identidade no final, que tentará de qualquer forma levar a pobre e indefesa mocinha às raias da loucura e impedir que ela fique com a grana.

Para isso, ele usará de artifícios assustadores e nada ortodoxos, como começar a dar cabo dos ali presentes, iniciando pelo advogado, e aparecendo como vulto nas sombras do casarão, utilizando passagens secretas nas paredes e espreitando na penumbra com capa e chapéu, além de longas garras nas mãos.

O Gato e o Canário dá para o gasto, e consegue manter uma boa dose de interesse na trama, mesmo que manjada nos dias de hoje, e tem lá seus momentos assustadores, ajudado pelas interpretações canastras dos atores, principalmente da pobre Annabelle, tão indefesa, e do atrapalhado e meio bitolado interesse romântico, Paul. No final, acaba parecendo uma daqueles episódios do desenho do Scooby Doo sabe, onde o bandido é encurralado pela turma e por um bando de policiais, até a máscara ser retirada de seu rosto e conhecermos sua verdadeira identidade? Em 1939 ganhou uma refilmagem “terrir”, que seria responsável por catapultar o comediante Bob Hope ao estrelato.

Tô falando de você!

Tô falando de você!


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. […] Bom, aquele dentro do seleto grupo que sobreviver à noite na mansão, enclausurados a partir da meia-noite, por não poderem mais sair do local trancado, leva a bolada. Se alguém por ventura morrer durante o processo, o dinheiro será dividido entre os sobreviventes. Claro que uma série de acontecimentos bizarros ocorrerá durante a estada dos convidados na casa. Coloque nessa conta candelabros que despencam, poças de sangue no teto, enforcamento, cabeças decepadas, um fosso de ácido no porão, bater de portas e janelas, um órgão que toca sozinho, uivos do vento e trovoadas, e mãos peludas com garras que saem pelas frestas, ao melhor estilo clichês de casas fantasmas criados a partir de O Gato e o Canário. […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *