120 – Horrores do Museu Negro (1959)

horrors_of_black_museum_poster1


Horrors of the Black Museum


1959 / Reino Unido / 95 min / Direção: Arthur Crabtree / Roteiro: Herman Cohen, Aben Kandel / Produção: Samuel Z. Arkoff, Herman Cohen, Jack Greenwood / Elenco: Michael Gough, June Cunningham, Graham Curnow, Shirley Anne Field, Geoffrey Keen


 

Uma das coisas mais interessantes dessa minha odisseia pelos filmes de terror, criando essa lista e escrevendo as resenhas para vocês leitores (se é que alguém as lê), é poder analisar historicamente a evolução do cinema de terror. Horrores do Museu Negro, é um clássico exemplo dessa mudança de ares do gênero, muito influenciado pela Hammer, que ditou um novo rumo para o cinema de horror, trazendo para a tela cenas mais violentas, com sangue e abusando de cores vivas para chocar os espectadores.

Não precisa ir até o expressionismo alemão da década de 20, por exemplo, para se traçar um paralelo. Podemos pegar o começo da própria década de 50 e sua enxurrada de filmes de ficção científica, o medo nuclear e a paranoia comunista, principalmente tratando-se do cinema americano. Enquanto isso, os ingleses, são responsáveis por alguns dos melhores filmes de terror dos anos 50, mesmo aqueles que tinham o sci-fi como ponto de partida. Só da Hammer, entra nessa lista britânica: Terror que Mata; X, O Monstro Radioativo; A Maldição de Frankenstein e O Vampiro da Noite, isso sem esquecer do obscuro The Trollenberg Terror e do ótimo e gosmento O Horror Vem do Espaço, do diretor Arthur Crabtree.

E esse mesmo senhor é o responsável pela direção do igualmente ótimo Horrores do Museu Negro, uma sádica história de assassinato, trazendo um impiedoso serial killer, ajudando a pavimentar uma nova fórmula e estética no gênero, que remete descaradamente ao Grand Guignol, e que depois reverberaria em clássicos como o próprio Psicose de Alfred Hitchcock, A Tortura do Medo de Michael Powell e Os Olhos Sem Rosto de Georges Franju, por exemplo.

Antes da mansão Wayne...

Antes da mansão Wayne…

E por falar nisso, Horrores do Museu Negro é o primeiro filme da chamada Sadian Trilogy, nome dado pelo crítico de cinema David Pirie à sequência de três filmes britânicos do final dos anos 50 e começo dos anos 60, relacionados por uma premissa com forte ênfase na violência, crueldade, sadismo e conotações sexuais. Seguem-se a ele o já citado A Tortura do Medo e Circo dos Horrores, de Sidney Hayers.

Horrores do Museu Negro é a primeira produção em Cinemascope da lendária AIP de Samuel Z. Arkoff, e co-produzido pela Anglo-Amalgamated, de Nat Cohen e Stuart Levy. Chamou muita atenção na época de seu lançamento por apresentar antes do início do filme, um curta de 13 minutos chamado de Hipno-Vista, que chocava a plateia com cenas reais de hipnose e agulhas sendo enfiadas no corpo de pessoas. Isso gerou diversos protestos tanto na Inglaterra quanto nos EUA, mas como toda boa polêmica sempre ajuda um filme, acabou transformando a fita em um sucesso absoluto de bilheteria.

Na trama diabólica, Edmond Bancroft, interpretado brilhantemente por Michael Gough (o Alfred dos filmes do Batman de Tim Burton e Joel Schumacher) é um escritor de artigos e livros sobre crime em Londres, que vive fazendo troça com a ineficácia da Scotland Yard em resolver certos casos, e que tem como sadio passatempo, manter um museu de horrores, retratando os mais famosos crimes cometidos na Inglaterra, cheio de aparelhos de tortura medievais e modernas, no porão de sua casa.

Não quero nem ver tanta violência!

Não quero nem ver tanta violência!

Uma série de terríveis assassinatos vem assolando Londres. O primeiro, no prólogo do filme já é sensacional, com uma armadilha preparada em um binóculo enviado sem remetente para uma bela jovem, que ao colocar sobre os olhos, aciona dois pregos que furam os olhos da pobre coitada. Logo de cara sacamos que Bancroft é um sujeito psicótico, até pelo seu terrível hobby, e que ele é o serial killer, auxiliado por seu assistente Rick (Graham Curnow), a quem mais tarde descobrimos que é cobaia de uma fórmula que Bancroft injeta no rapaz para transformá-lo em uma besta sádica e violenta, causando até alterações em suas feições e um aumento exponencial de adrenalina, parecida com a poção de O Médico e o Monstro, clássico de Robert Louis Stevenson.

O motivo que Bancroft realiza seus assassinatos, que no começo são aleatórios, só depois as vítimas passam a ser pessoas abelhudas que começam a interferir em seu trabalho, é dos mais sublimes: poder escrever sobre eles com toda clareza de detalhes e vender centenas de livros, ajudando-o a ser conhecido como um dos mais prolíficos escritores sobre crimes, uma espécie de autoridade do assunto. Entre seus métodos nada ortodoxos de assassinatos, ele e seu comparsa se utilizam de guilhotinas, facas, choques elétricos, e por aí vai.

Gough, sempre acostumado a papeis de coadjuvante, dá uma aula de interpretação no filme. Seus trejeitos, a forma como manquitola apoiando em sua bengala, seu temperamento bipolar e sua homossexualidade implícita (em determinado momento do filme ele solta a pérola misógina: “nenhuma mulher consegue segurar sua língua. Elas são uma raça viciosa, não confiável”) são incríveis. Sua presença nas cenas decerto eleva o nível da produção. O grande problema de Horores do Museu Negro é seu final, apressado, com uma solução canhestra e que acaba deixando muito a desejar, faltando por um triz que a obra fosse impecável. Uma pena, mas não prejudica o conjunto.

Horrores do Museu Negro é o último filme de Crabtree na direção, antes de se envolver em um processo judicial por violentar sua filha adotiva, que também desencadearia um séria de problema de saúde que levaria o diretor à morte. O que fica como seu legado, e do filme em si, é uma espécie de começo do fim da inocência do cinema de horror, que seria brevemente explorado durante toda a década seguinte, até chegar de vez nos obscuros anos 70 com suas produções pessimistas, sangrentas e a explosão do cinema grindhouse.

Instrumento de trabalho

Instrumento de trabalho



Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. […] David Pirie, que são filmes ingleses de terror lançados entre 1959 e 1960, que também conta com Horrores do Museu Negro e A Tortura do Medo, todos funcionando como contraponto ao horror sobrenatural da Hammer, recheados […]

  2. […] e colocava homens “normais” como assassinos impiedosos. Os outros dois filmes anteriores são Os Horrores do Museu Negro e Circo dos […]

  3. […] petulância exacerbada, até que é humilhado pelo pintor Eric Landor, vivido por Michael Gough (de Horrores do Museu Negro). Isso começa a complicar a vida social e profissional de Marsh, pois Landor sempre fica em sua […]

  4. […] confessamente Grand Guignol, também bastante guiado pelos conceitos iniciados com Sadian Trilogy (Os Horrores do Museu Negro, Circo dos Horrores e A Tortura do Medo), abusando de cenas de violência gráfica, sangue, sadismo […]

  5. Joelmo disse:

    Sim, todos que gostam de cinema, leem suas ótimas resenhas. Continue assim. Abs

  6. […] por Arthur Crabtree, que em seu currículo teve apenas dois longas de terror, este e Horrores do Museu Negro, (duas contribuições generosíssimas para o gênero, diga-se de passagem), antes de sumir do […]

  7. Eduardo disse:

    Blog Show … Não conhecia achei por acaso hoje … muito boa resenha sobre filmes !!!

  8. Eduardo disse:

    Pessoal … a senha correta é essa aqui para descompactar o arquivo zipado >>> http://www.cinespacemonster.blogspot.com

  9. Elisa disse:

    Seu blog é ótimo! Eu leio tudo que vc escreve sobre os filmes, pois é muito interessante. Parabéns e obrigada!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *