129 – Circo dos Horrores (1960)

circus_of_horrors_poster_01


Circus of Horrors


1960 / Reino Unido / 92 min / Direção: Sidney Hayers / Roteiro: George Baxt / Produção: Samuel Z. Arkoff, Leslie Parkyn, Julian White, Norman Priggeon (Produtor Associado) / Elenco: Anton Diffring, Erika Remberg, Yvonne Monlaur, Donald Pleasence, Jane Hylton


Você curte circo? E curte filmes de terror? Então você vai adorar Circo dos Horrores. Agora como eu sempre achei circo uma coisa sacal, a produção britânica dirigida por Sidney Hayers para mim acaba se tornando bem maleta.

Sabe, você está assistindo ao filme, ligado na trama, esperando ver mortes e sangue, e aí perde preciosos tempos da metragem exibindo malabaristas, palhaços, domadores, trapezistas, equilibristas e tudo mais. Eu acho tudo isso um porre. Nunca gostei de circo, nem quando era criança, não é agora depois de marmanjo que vou gostar, ainda mais em um filme de terror.

Mas assim, não leve em consideração meu ranço por circos, não. Esta produção da Anglo-Amalgamated, de Nat Cohen, que tem o toque de Samuel Z. Arkoff como produtor  é um belo de um filme, muito bem dirigido por Hayer, com excelentes atuações de Anton Driffing (famoso por seu papel em O Homem que Enganou a Morte), com sua bipolaridade onde uma hora é um bom médico e na outra um louco vingativo, belíssimas atrizes ao melhor estilo sixties, aparecendo sempre com pouquíssima roupa, e maquiagem primorosa de Trevor Crole-Rees, principalmente quando mostra uma batelada de mulheres com o rosto deformado. É tudo alto nível mesmo, tirando o ataque de um urso de mentira e de um gorila que é claramente um homem fantasiado com uma roupa de carnaval.

Além de tudo isso, Circo dos Horrores faz parte da chamada Sadian Trilogy, batizada pelo crítico David Pirie, que são filmes ingleses de terror lançados entre 1959 e 1960, que também conta com Horrores do Museu Negro e A Tortura do Medo, todos funcionando como contraponto ao horror sobrenatural da Hammer, recheados de sadismo, crueldade, violência e sexualidade.

Quando o atirador de facas não está em um dia bom...

Não tentem isso em casa!!!

Diffring é o Dr. Rossiter, brilhante cirurgião plástico que torna-se fugitivo da polícia quando realiza uma operação que dá terrivelmente errado, transformando a bela Evelyn Morley (Colette Wilde) em uma mulher com o rosto completamente desfigurado. Junto de seus assistentes, os irmãos Angela e Martin (sendo que Angela é perdidamente apaixonada por Rossiter), ele foge da Inglaterra para o continente, com um novo rosto operado, troca seu nome para Dr. Schuller e conhece no meio da sua escapada, Vanet (interpretado por Donald Pleasence, o eterno Dr. Loomis, nêmese de Michael Myers em Halloween – A Noite do Terror e suas sequências), um bêbado proprietário de um circo decadente de beira de estrada.

Vanet tem uma filha deformada, a singela Nicole (interpretada quando criança por Carol Challoner e Yvonne Monlaur quando adulta), a qual Schuler / Rossiter faz uma bem sucedida operação, deixando Vanet eternamente grato por ter ajudado sua filha. Vanet então o faz de sócio em seu circo, mas é prontamente assassinado pelo seu urso dançarino, com o qual tenta puxar uma valsa enquanto está trêbado. Foi um acidente, mas Schuler nega prestar socorro ao homem, já maquinando ficar com o circo só para ele. Essa é a cena tosca do urso de mentira, tipo aqueles empalhados, matando o pobre pinguço.

Passa-se dez anos (e ninguém envelhece, somente Nicole, que de criança vira uma ninfeta, e nem uma ruga ou cabelo branco cresce nos demais personagens) e o Circo Schuler vira um grande sucesso, reerguido e levando público em todos os lugares pelos quais passa. Mas tem uma pequena diferença neste picadeiro: as artistas femininas são formadas por ex-delinquentes, fugitivas, assassinas, prostitutas, todas mulheres de boa índole, que em comum tem o rosto desfigurado, ou com cicatrizes horríveis, ou por abusos masculinos (uma tem o rosto todo queimado de ácido). Schule as opera, deixa todas estonteantemente lindas, construindo seu templo da beleza particular, jogando um xaveco barato sobre a lenda grega de Pigmaleão, rei do Chipre e escultor, que se apaixona por sua estátua perfeita, Galatea, que ganha vida, e ainda prometendo serem as estrelas do espetáculo. Claro que ele vai acabar comendo todas. Isso emputece a desiludida Angela. Só que todas as garotas morrem em terríveis “acidentes” justamente quando tentam abandonar Schuler ou seu circo. Ajudado convenientemente pelo banana do Martin.

Beldade!

Beldade!

Uma má reputação começa a rondar o show, que passa a ser chamado de Circo do Azar, por conta de todas estas mortes “acidentais” (sempre com aspas) e ironicamente vai atraindo mais e mais plateia que esperam ansiosas por estes acidentes. Ao voltar para a Inglaterra em uma excursão, o circo chama a atenção da Scotland Yard. Os Inspetor Arthur Ames (Conrad Phillips) se passando por um jornalista, começa a frequentar os bastidores, além de ter um caso com Nicole, suspeita que Schuler e Rossiter são a mesma pessoa. Até que ele planeja uma armadilha, chamando Evelyn Morley para assistir a um espetáculo beneficente, a fim de desmascarar o médico assassino.

Há muitas cenas de brutalidade, para os padrões da época, sem vergonha em derramar sangue vermelho vivo e mostrar garotas sendo devoradas por leões, caindo do trapézio ou levando uma facada no pescoço lançada pelo atirador de facas. Até sobra para Diffring quando um gorila que ele vivia dando chicotadas agarra-o e rasga sua face. Esse gorila é o tal do ator vestido de macaco, que parece saído de uma pegadinha com o Ivo Holanda. E o final reservado para o vilão é deliciosamente trágico.

Para mim, se Circo dos Horrores mostrasse um pouco menos do “maior espetáculo da terra”, seria muito melhor e não daria vontade de assistir algumas cenas no fast-forward. Mas tenho que dar o braço a torcer pois é um bom filme em todo seu contexto, uma espécie de protogenese do cinema exploitation, dadas as devidas propoerções, e deve ser visto. Muito melhor do que assistir qualquer DVD do Cirque du Soleil, por exemplo!!!

O homem que enganou a morte e comprou um circo!

O homem que enganou a morte e comprou um circo!



Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. […] Além disso, o filme de Powell é desfecho brilhante da chamada Sadian Trilogy já citada aqui no blog: trinca de filmes ingleses da produtora Anglo-Amalgamated, sádicos, violentos e de conotações sexuais, que fazia contraponto aos monstros da Hammer e colocava homens “normais” como assassinos impiedosos. Os outros dois filmes anteriores são Os Horrores do Museu Negro e Circo dos Horrores. […]

  2. […] pelo hábil artesão Sidney Hayers (o mesmo de Circo dos Horrores), levado ao mercado americano pelo incansável produtor Samuel Z. Arkoff, a trama de A Filha de […]

  3. […] também bastante guiado pelos conceitos iniciados com Sadian Trilogy (Os Horrores do Museu Negro, Circo dos Horrores e A Tortura do Medo), abusando de cenas de violência gráfica, sangue, sadismo e […]

  4. […] crueldade, sadismo e conotações sexuais. Seguem-se a ele o já citado A Tortura do Medo e Circo dos Horrores, de Sidney […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: