131 – Inferno (1960)

tumblr_m07y0s07mE1qd3lbb


Jigoku / Hell


1960 / Japão / 101 min / Direção: Nobuo Nakagawa / Roteiro: Nobuo Nakagawa, Ichirô Miyagawa / Produção: Mitsugu Ôkura / Elenco: Shigeru Amachi, Utako Mitsuya, Yôichi Numata, Hiroshi Hayashi, Jun Ôtomo


“Incontáveis são os pecados praticados no caminho até a morte. Para esses pecados, pode haver punição na lei. Alguns podem não ser presos devido a eles, mas a consciência do pecado não pode ser apagada. A religião idealiza um mundo após a morte, aplicando punição ao invés da lei. Esse mundo é o Inferno”. Assim começa o excelente texto que irá permear toda essa assustadoramente poética produção japonesa: Inferno.

Dirigido por Nobuo Nakagawa para o lendário estúdio Shintoho, Inferno é uma obra angustiante, onírica, cruel e impactante, que nos passa a noção da danação eterna sobre o ponto de vista nipônico, nos fazendo desejar nos tornarmos um bom escoteiro depois da fita terminar, para não ir parar em um buraco de sofrimento eterno e amargura como é imaginado neste longa.

Como o próprio filme explica, a construção abstrata de inferno abordada aqui é baseada no conceito de “naraka”, a expressão sânscrita para inferno, que significa “abominável” ou “atormentado”. No Japão, o mais comum é ser imaginado como os Oito Grandes Infernos da Pregação de Buda. Mais ou menos parecido com os nove círculos do inferno descrito por Dante Alighieri em A Divina Comédia. E cada um destes ciclos do inferno, estão reservados para cada tipo de pecador.

Inferno = 25 de Março

Inferno = Rua 25 de Março

Uma série de desventuras vai rondar a vida de Shiro, envolvendo muita gente ao seu redor, incluindo namorada, familiares e vizinhos da sua cidade natal, após ele e um amigo de faculdade, Tamura, atropelarem acidentalmente e matarem Kyoichi Shiga, um membro da máfia Gondo, tendo fugido sem prestar socorro, não antes da mãe do gângster anotar a placa do carro dos jovens. Esse fato funciona como um estopim de tragédias nababescas que envolverão adultério, incesto, assassinato, vingança e dolo que vão levar toda essa galera para o inferno.

Durante uma hora de filme, a trama se arrasta da forma mais convencional possível, mas apenas em termos de estrutura narrativa, pois há toda uma beleza e peculiaridade na forma como Nakagawa dirige o filme e na sublime fotografia de Mamoru Morita, misturado com uma edição precisa e intervenções sonoras de Michiaki Watanabe. Shiro volta a sua cidade natal pois sua mãe está enferma, isso depois da sua noiva, Yukiko, morrer grávida (sem ele saber) tragicamente em um acidente de táxi que Shiro obrigou-a a tomar.Lá encontra seu pai tendo um caso com uma jovem garota, Sachiko, que também ama Shiro desde a primeira vez que o viu, um médico responsável por um diagnóstico errado, um pintor alcoólatra arruinado, um jornalista aproveitador, a mãe e esposa do falecido Kyoichi caçando o rapaz em busca de vingança, e por aí vai.

E então faltando meia hora para terminar a fita, amigo, se prepare, que o filme vai dar uma guinada de 360º e entrar em uma viagem quase lisérgica, carregada de simbolismos, quando somos jogados junto com todos os personagens para essa representação visual do inferno, permeada de cenas alucinantes, brutalidade e imagens aterradoras e impactantes de sofrimento. Ali são recepcionados pelo Grande Rei Enma, senhor dos Oito Infernos de Fogo e Oito Infernos de Gelo, juiz dos pecados mundanos e responsável por dar a sentença a todos eles a partir de seus erros.

Piscina de sangue

Termas do Inferno

Então será passado a limpo ao atônito espectador todos os motivos pelos quais cada uma daquelas pessoas foram parar naquele antro, que vai desde o professor pai de Yukiko que matou um homem por um cantil de água durante a guerra na Malásia, até o pai adúltero de Shiro, que assassinara Sachiko que quando bêbada, deu uns pegas no filho. E entre a sessão de tortura sem fim que o inferno proporciona aos seus habitantes, encontraremos: mutilação, esfolamento, ossos esmagados, olhos arrancados, dentes quebrados por uma marreta, almas tendo que beber de uma vala de detritos e pus espremidos de carcaça podre, banhos nos Lagos de Sangue onde caem aqueles culpados por imoralidade, adultério, putice (juro que estava escrito isso na legenda que eu assisti!!!!) e depravação e um vórtice de tormento onde os condenados ficam andando em círculos eternamente.

E como se tudo isso não exercesse um impacto visual suficiente, todas as cenas são recheadas da mais completa violência gráfica, esbanjando do gore, algo até sem precedentes do momento em que foi lançado no começo dos anos 60, colocando Inferno como uma obra seminal que serviu visualmente de inspiração para outros cineastas japoneses como Takashi Miike e Shinya Tsukamoto. Fora isso, a representação estética do inferno é deveras perturbadora, algo parecido com o que visto futuramente em outras mídias, até no cinema nacional, em Esta Noite Encarnarei em Teu Cadáver, do Mojica (lançado sete anos depois) ou falando em cultura pop japonesa, o inferno para o qual o cavaleiro de Dragão é enviado ao enfrentar o Máscara da Morte, cavaleiro de ouro de Câncer, no famoso anime Cavaleiros do Zodíaco (que bebe na mesma fonte budista do filme).

Japoneses sabem assustar como ninguém e utilizar da imagética de forma magistral para aprofundar o público em seus devaneios assustadores e pesadelos sinistros. Claro que Inferno não tem nada a ver com o J-Horror moderno, e não pense encontrar algo desse tipo, com fantasmas de garotas de cabelo comprido preto escorrido no rosto, pois senão você pode correr o risco de uma decepção sem tamanho. Mas não deixe de conferí-lo de forma alguma. E peça perdão de todos os seus pecados depois…

Cabeças vão rolar...

Cabeças vão rolar…



Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. Renato Leão disse:

    Obrigado por disponibilizar essa raridade e também parabéns pelo site ele é muito bom.

    Abraço

  2. Lucas disse:

    Ai que morte horrível pra mim… O vídeo sumiu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *