143 – A Maldição do Lobisomem (1961)

curse_of_werewolf_poster_01


The Curse of the Werewolf


1961 / Reino Unido / 91 min / Direção: Terence Fisher / Roteiro: John Elder (baseado na obra de Guy Endore) / Produção: Anthony Hinds, Anthony Nelson Keyes (Produtor Associado), Michael Carreras (Produtor Executivo) / Elenco: Oliver Reed, Clifford Evans, Yvonne Romain, Catherine Feller


Depois de Drácula, Frankenstein e a Múmia à sua maneira, o estúdio inglês Hammer agora nos apresenta a sua versão do monstro licantropo, adaptado do livro The Werelwolf of Paris, escrito por Guy Endore: A Maldição do Lobisomem.

Depois do sucesso de A Maldição de Frankenstein, O Vampiro da Noite e A Múmia, o britânico Terence Fisher mais uma vez senta na cadeira de diretor para dar vida a outro monstro, e mais uma vez faz um trabalho muito característico do estúdio inglês, como a famosa ambientação de época, uso mais abundante de sangue e violência e exploração de decotes femininos ousados e da sexualidade. E diferente de O Lobisomem, clássico da Universal dirigido por George Waggner, aqui vemos uma história completamente diferente sobre a criação do mito do homem lobo, se passando na Espanha do século retrasado.

Para conhecermos a história de Leon, o amaldiçoado da vez, a trama começa quando um mendigo chega a cidade e ingenuamente vai até o castelo do Marquês Siniestro, durante sua festa de casamento, para pedir comida. O pobre diabo é humilhado durante os festejos e obrigado a dançar por troca de algumas pesetas, com o qual o Marquês compra o mendigo como um animal de estimação para sua recém esposa. Ao terminar o festejo, o déspota manda prender o mendigo no calabouço, e o esquece por lá durante muitos e muitos anos, sendo alimentado pelo carcereiro e sua filha, uma garota muda, que nutre uma certa simpatia misturada com dó, pelo prisioneiro.

nonononon

Grrrraaarrrrrrrr

Os anos se sucedem, a garota cresce e vira uma mulher bonita com seios avantajados (interpretada por Yvonne Romain), e desperta a atenção do vil Marquês que tenta abusar dela, mas ela foge, deixando-o enfezado. Por ordem de Siniestro, é trancafiada no calabouço junto com o mendigo, que já havia perdido completamente a sanidade e possuía uma aparência inumana, com barba e cabelos compridos e pelos por todo o corpo. Claro que o mendigo não sabia o que era uma mulher fazia muuuuito tempo e seu instinto animal falou mais alto, estuprando a garota. Ao ser libertada do calabouço, a filha do carcereiro, com sangue nos olhos, mata o Marquês e foge para a floresta, sendo encontrada à beira da morte por Don Alfredo Carlido (Clifford Evans), que leva a garota para sua casa, cuidando dela junto de sua governanta, Teresa.

Só que então descobrimos que a mulher está grávida, e do vilarejo que Teresa vem, existe uma superstição de que quando um filho indesejado nasce na noite de Natal, ao contrário de Cristo, a criança está fadada a se transformar em um lobisomem. Ela até explica que as mulheres evitam os homens entre março e abril só para não dar esse azar. Agora adivinhe a data em que o garoto nasce? Na noite de Natal. Bingo!

O jovem Leon desde criança já dá suas escapadas como um pequeno lobo e mata os cordeiros e ovelhas da região, metendo medo nos moradores. Mas a coisa complica de verdade quando ele fica mais velho. Já um rapaz, e agora interpretado por um novo Oliver Reed, ele vai trabalhar em uma vinícola e logo se engraça com a filha do patrão, Cristina Fernando, com quem vive um romance proibido, já que ela está prometida para outro. Numa noite de esbórnia com seu companheiro de trabalho, Leon descobre que é noite de lua cheia e se transforma no lobisomem, espalhando o terror pelo vilarejo.

Batismo do homem lobo

Batismo do homem lobo

Leon fica inconsciente por um bom tempo e acaba preso, pois a polícia encontra suas roupas na cena do assassinato de seu colega de trabalho. Só que mais uma vez é noite de lua cheia e Leon sabe que se transformará na criatura bestial, quando suplica que seja executado. Afinal só o amor verdadeiro de uma mulher e a compreensão de todos poderia livrá-lo da maldição. Mas não dá outra, ninguém acredita no desafortunado, ele é separado da sua amada, mais uma vez virando lobo e fugindo da cela, deixando um rastro de terror até o clímax quando é encurralado na torre da igreja, ao fugir da turba enfurecida.

A primeira hora do filme enrola bastante sem nos apresentar o monstro. Depois nas primeiras morte ele só é visto de relance, o que atenua seu clima de expectativa, que só será saciada nos cinco minutos finais do filme. A transformação de Reed no lobisomem utiliza já o famoso efeito de trucagem de câmera. Só que o monstro transformado deixa a desejar, pois parece mais um macaco albino. Mas é um filme correto e bem dirigido por Fisher no final das contas.

Curiosidade que em Um Lobisomem Americano em Londres, A Maldição do Lobisomem também é citada, quando o personagem David Kessler, que vira lobisomem no filme, está na cama com a enfermeira e pergunta se ela já assistiu O Lobisomem, e ela pergunta: “Aquele com Oliver Reed?” e ele responde: “Não, com Lon Chaney Jr.”. Claro que a enfermeira inglesa conhecia o filme da Hammer e não o americano! E ah, não confunda A Maldição do Lobisomem com um livro homônimo de amor juvenil lançado recentemente, para adolescentes acéfalos, que mais uma vez deturpa um sagrado e terrível monstro do cinema e da literatura. A escritora merecia levar uma tiro de bala de prata no peito!

nonononono

Lobisomem em cativeiro


[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=1T5RDIdtpgo]


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. Sergio A Lucindo disse:

    Descobri o site de vcs há pouco tempo e estou boquiaberto. Muito bom. Parabéns. Espero ver por aqui mais relíquias do cinema de terror , scifi e suspense dos anos 30/40/50 e 60. Vou estar sempre por aqui fazendo pedidos, elogiando(difícil não elogiar o site de vcs) e dando dicas. Por enquanto eu gostaria de fazer um pedido: é possível vcs postarem aqui um filme chamado Homicidal? É de 1961 e dirigido por William Castle. Passou na Rede Globo por volta de 1975/76 com o nome de Trama Macabra. Grande abraço a todos.

    • Oi Sérgio, tudo bem?

      Muito obrigado pelo elogio!!! Fico muito feliz que você esteja curtindo e acompanhando o blog. Pode fazer sugestão de filmes o quanto quiser!!! Vou anotar esse sobre Trama Macabra do William Castle, procurá-lo por aí para assistir e fazer a resenha!

      O canal de comentários é todo seu!

      Grande abraço!

      Att:.

  2. […] pela Amicus, que chegou a ser lançado em DVD no Brasil pelo selo Dark Side da Works Editora, e A Maldição do Lobisomem, com Oliver Reed, da […]

  3. […] a trama é focada no casal Ben (Oliver Reed, de A Maldição do Lobisomem) e Marian Rolf (Karen Black, de Trilogia de Terror, também dirigido por Curtis) e seu filho, […]

  4. […] do hiato que viveu após os filmes da Universal e suas sequências, até a volta do licantropo em A Maldição do Lobisomem da Hammer, somente na década […]

  5. Eu assisti há muitos anos e achei este filme muito triste…..

  6. ALEX disse:

    ESSE PASSAVA ANTIGAMENTE NO SBT , DUBLADO E A DUBLAGEM DELE ERA DA BKS MUITO BOA

  7. Sergio Rieth disse:

    ESTE SITE É PODEROSO… POR QUE NÃO O DESCOBRI A MAIS TEMPO ? ELE GARANTE HORAS DE DIVERSÃO E ENTRETENIMENTO . É UM FILME BEM INTERESSANTE..

  8. […] atacados por um licantropo, vemos citados clássicos do subgênero como O Lobisomem da Universal e A Maldição do Lobisomem da Hammer, em Inocente Mordida, vira e mexe alguém está assistindo um filme antigo de terror, […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *