150 – O Horrível Segredo do Dr. Hichcock (1962)

locandina-italiana-del-film-l-orribile-segreto-del-dottor-hichcock-188796


L’ Orribile segreto del Dr. Hichcock / The Frightening Secret of Dr. Hichcock / The Horrible Dr. Hichcock


1962 / Itália / 88 min / Direção: Riccardo Freda / Roteiro: Ernesto Gastaldi / Produção: Ermanno Donati / Elenco: Barbara Steele, Robert Flemyng, Silvano Tranquilli, Maria Teresa Vianello, Harriet Medin


Não confunda, hein! O Dr. Hichcock não é o diretor inglês mestre do suspense que conseguiu um doutorado! Repare na grafia diferente! O Horrível Segredo do Dr. Hichcock é um excelente filme de terror italiano gótico, dirigido por Riccardo Freda, mostrando-nos aqui já no começo dos anos 60, a incrível capacidade da italianada para fazer filmes de terror.

Freda, Bava, Margheriti foram os grandes cineastas do gótico spaghetti da década de 60, que pavimentaram o caminho cinematográfico para a consolidação do cinema de terror italiano nas próximas duas décadas, principalmente com o surgimento da violência extrema e derramamento abundante de sangue de mentira com os giallos, o ciclo canibal e o cliclo splatter, e responsáveis pelo surgimento de diretores futuros como Dario Argento, Sérgio Martino, Michelle Soavi, Lucio Fulci, e por aí vai.

O Horrível Segredo do Dr. Hichcock evoca todo o clima e ambientações inspiradas nas produções americanas de Roger Corman baseadas nos contos de Edgar Allan Poe e na estética dos filmes ingleses da Hammer, mas com aquele toque peculiar e único que só os diretores da terra da bota conseguiam alcançar, com suas atmosferas opressivas, fotografias exuberantes, indumentária e cenários como elementos fundamentais da trama, uso preciso da iluminação (ou da falta de), trilha sonora retumbante e o melhor de tudo, os elementos macabros e chocantes.

Proeminente cirugião

Proeminente cirurgião

Esse elemento especificamente neste caso é a necrofilia. Esse é o horrível segredo do Dr. Hichcock, revelado logo nos primeiros minutos do filme. Cirurgião brilhante, no século XIX, Hichcock desenvolve um poderoso anestésico que o ajuda a salvar várias vidas durante a realização de complicadas operações em seus pacientes. Só que ele também usa essa anestesia geral em sua linda esposa, Margherita, para praticar jogos sexuais com a mesma, para que ela fique imóvel e desacordada exatamente como um cadáver. Bizarríssimo! Isso até que um dia ele administra uma dose exagerada, e a bela mulher acaba tendo um choque anafilático e morre de overdose.

Hichcock abandona a casa, deixando aos cuidados da velha governanta, Martha, larga o emprego no hospital e deixa tudo para trás, ficando fora da cidade por 12 anos, até voltar casado novamente, desta vez com a morena Cynthia, a Scream Queen Barbara Steele, no auge de sua beleza peculiar. Acontece que Cynthia sofre de certos transtornos mentais, e todo o ambiente sinistro e lúgubre da casa, somado ao comportamento errático do marido, começam a deixá-la em parafuso, fazendo a moça jurar de pé junto que está sendo assombrada pelo fantasma de Margherita.

Também, não é por menos que a pobre Cynthia se sinta assim. Primeiro pela decrépita Martha, que age como uma megera e ainda tem uma suposta irmã doente mental morando no porão da casa, que emite uivos assustadores durante as noites de tempestade. Segundo pela presença de gigantescos quadros do retrato de Margherita em quase todos os cômodos da casa. Espere aí… se eu entendo alguma coisa de mulher, é que na hora, qualquer uma ia exigir da forma mais veemente possível, que todas as coisas da falecida fossem retirada da casa. Mas Cynthia aceita passivamente no começo, sabendo da adoração de Hichcock pela sua ex-esposa. Enfim…

Barbara na chuva

Os olhos de Barbara

Fora isso, Hichcock não consegue mais controlar sua obsessão sexual por cadáveres, e quase é pego duas vezes com a boca literalmente na botija, pelo seu assistente, o Dr. Kurt (já caidinho por Cynthia nessa altura do campeonato, enquanto o marido vem sendo um escroto), ao acariciar e beijar o corpo de garotas no necrotério do hospital. E explorando a condição mental de Cynthia, é descoberto o terrível e maligno plano do enlouquecido médico: usar o seu sangue para trazer o corpo apodrecido de sua ex-esposa de volta à vida.

Barbara Steele mais tarde passaria de novo por uma situação parecida em outro filme, O Castelo do Terror de 1965, dirigido por Mario Caiano, onde sua personagem é morta por um cientista louco, que a pegou traindo com o jardineiro, e usa seu sangue para rejuvenescer uma amante velha decrépita. Ele se casa com a irmã gêmea, que também havia sido liberada de um sanatório onde estava internada por problemas mentais. Pelo jeito, o sangue das personagens de Steele tem alguma espécie de poder revigorante.

O Horrível Segredo do Dr. Hichcock é pura atmosfera, porque em nenhum momento, presta-se a acelerar a cenas para qualquer tipo de horror explícito, e explora a ideia da necrofilia de forma sutil, sem apelações (nada nem próximo dos afetados Nekromantik ou Aftermath, por exemplo) mantendo um clima onírico de suspense sobrenatural constante, exceto pelo final apressado e sem graça. A respeito do tema, o crítico Glenn Erickson escreveu algo interessante, que também reflete um pouco do senso comum sobre os filmes de terror daquela década: “Que um filme sobre as paixões frustradas de um necrófilo poderia mesmo ser lançado em 1962, é um mistério sensório em seu próprio direito – ou, talvez, um testemunho claro para a forma como os filmes de terror foram oficialmente ignorados em todos os níveis culturais naquela época”. Algo que sabemos que mudaria completamente a partir dos anos 70.

Terrível segredo... terrível!!!

Horrível segredo… horrível!!!


[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=j7oAcimojfg]


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *