88 – A Tara Maldita (1956)


The Bad Seed


1956 / EUA / P&B / 129 min / Direção: Mervyn LeRoy / Roteiro: John Lee Mahin (baseado na peça de Maxwell Anderson e na obra de William March) / Produção: Mervyn LeRoy / Elenco: Nancy Kelly, Patty McCormack, Henry Jones, Evelyn Varden


 

A Tara Maldita. Mais um da série: títulos toscos que os filmes recebem no Brasil. Sendo que o título original do filme, The Bad Seed (algo como A Semente do Mal) é ótimo e poderia ser traduzido perfeitamente. Afinal, imagine você chegando na locadora e levando ao balcão um filme chamado A Tara Maldita? O que vão pensar? Mas não deixe se enganar pelo nome batizado no país. O filme é fantástico. Uma obra prima.

A tal semente do mal do filme é Rhoda, uma doce e singela garotinha de oito anos de idade (divinamente interpretada por Patty McCormack, com seus trejeitos que vão de meiga à psicopata em um simples olhar), filha do casal Kenneth e Christine Penmark. Kenneth é um coronel do exército que vai passar um mês longe de casa a trabalho, deixando a filha com a esposa Christine e a amável senhora viúva que mora no andar de cima, Monica Breedlove. Rhoda parece ser a filha perfeita, educada, alegre, que nunca se suja ou nunca desarruma o seu quarto. Mas a menina esconde o capeta em forma de guri.

Tudo começa quando um coleguinha de classe, Claude Daigle, ganha uma medalha de caligrafia no lugar de Rhoda, que fica indignada com o fato. Em um piquenique da escola, o garoto acaba morrendo afogado em um trágico acidente. Rhoda ao chegar em casa, mostra-se impassível, com um assustadora frieza calculista, mais preocupada em comer um lanche de pasta de amendoim, já que o piquenique teve de ser cancelado por causa da morte (!!!) e em sair sapateando pela sala. É então que Christine começa a suspeitar de que há algo estranho e maligno com sua filha. Ainda mais quando ela solta a seguinte pérola: “Por que eu deveria sentir pena? Foi Claude Daigle quem se afogou, não eu”. Chocante!

Rhoda é uma doçura de garota. Só que ao contrário!

Contar mais coisas sobre o filme seria um mega spoiler, então vou ter que me conter por aqui e dizer para você assisti-lo. Vale ressaltar algumas cenas, como a visita da Sra. Daigle, mãe do garotinho afogado à casa dos Penmark, completamente bêbada, de luto, obcecada pela medalha do filho que misteriosamente sumiu. Eileen Heckart, intérprete da Sra. Daigle é um MONSTRO nessa cena. Ganhou o Globo de Ouro de melhor atriz coadjuvante e foi indicada também ao Oscar. Nacy Kelly (Christine) também dá um show de atuação, principalmente quando ela surta de vez, após mais um assassinato. Outra salva de palmas vai para Henry Jones que interpreta LeRoy, o sinistro jardineiro / zelador do condomínio onde eles vivem.

A extrema decisão final de Christine é chocante até mesmo para os dias de hoje, em que achamos que já vimos de tudo no cinema. Mas é aí que mora o grande defeito do filme. Ele simplesmente deveria terminar uns 10 minutos antes. O diretor perde completamente o ritmo criando um baita anticlímax desnecessário e você termina de assistir a fita com aquele pensamento: putz, se o filme tivesse acabado NAQUELA cena, teria sido perfeito.

Mas fica a pergunta no ar, que permeia o espectador assim como os personagens durante o longa: uma criança assassina é produto do meio-ambiente que vive, ou existe mesmo a tal semente do mal? E o filme (que é a transposição ao cinema de uma peça com o mesmo elenco) ainda foi indicado a mais três Oscar além de Eileen Heckart: melhor atriz para Nancy Kelly, melhor atriz coadjuvante para Patty McCormack e melhor diretor de fotografia para Harold Rosson. Um filmaço!

Capeta em forma de guria!



Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

8 Comentários

  1. rocky disse:

    Excelente filme! Assisti na época e continuo assistindo, pois baixei da internet e sempre me marabvilho com aquela incrível menina.

  2. Alana De Carvalho disse:

    “A Tara Maldita”, pois é, o nome é bastante sugestivo… kkkkkkkkkkkk Outro para coleção de “títulos toscos que os filmes recebem no Brasil” seria o filme Cemitério Maldito – Pet Sematary, que na tradução literal para a língua portuguesa pode ser expresso como “Semitério de Animais”… Enfim, falta criatividade para inventar esses nomes ridículos! ¬¬ Gostei muito do filme, o final foi demais. A temática mais do que polêmica para época serve de embasamento para os mais contemporâneos “A Orfã”/ “Caso 39”, “Joshua”, “O Anjo Malvado”, “Daddy’s Girl” e tantos outros!

  3. […] Completamente pretensioso, Comunhão (que tem uma estética absurda de filme feito para TV, porém com uma dose maior de violência gráfica e sadismo) traz aquele velho expediente de que “as aparências enganam” em filmes de mistério e retratar a inocência perdida de uma garotinha, que parece mais o capeta em forma de guria, ao melhor estilo A Tara Maldita. […]

  4. Parece que a justiça foi feita dessa vez: o DVD desse filme foi lançado recentemente por outra distribuidora (a Cult Classics) com a alcunha de “A Semente Maldita”, bem mais apropriado. A cópia é de boa qualidade, como de costume da distribuidora.

  5. Excelente obra-prima que mais uma vez, graças as suas ótimas resenhas, encontrei por aqui. Final realmente perturbador.

  6. Chucky disse:

    Na verdade o filme não acabou NAQUELA cena porque a censura da época não permitia tal desfecho. Eu li em um site americano sobre isso.

  7. muitos gostosa essa garota..linda coxas grossas..que delicia d emenina

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: