169 – Com a Maldade na Alma (1964)

hush_hush_sweet_charlotte_poster


Hush…Hush, Sweet Charlotte


1964 / EUA / P&B / 133 min / Direção: Robert Aldrich / Roteiro: Henry Farrel, Lukas Heller / Produção: Robert Aldrich, Walter Blake (Produtor Associado) / Elenco: Bette Davis, Olivia de Havilland, Joseph Cotten, Agnes Moorehead, Victor Buono


Com o sucesso de público e crítica de O Que Terá Acontecido com Baby Jane?, Robert Aldrich tentou mais uma vez repetir a mesma fórmula, trazendo novamente as desafetas Better Davis e Joan Crawford sob sua batuta, utilizando um roteiro escrito por Henry Farrel e Lukas Heller, e apostando no terror psycho-biddie que ele mesmo ajudou a fomentar. O resultado em Com a Maldade na Alma, ficou anos luz do filme anterior.

Talvez seja a metragem longa demais (133 minutos), talvez seja o começo impactante e avassalador que vá caindo no marasmo com o decorrer do filme, talvez seja o uso da mesma fórmula e um final que você já imagina que terá um reviravolta assim como em Baby Jane, talvez a substituição de Joan Crawford por Olivia de Havilland por problemas de saúde/ aporrinhação de Davis. Tudo isso junto fez o filme não funcionar da forma que deveria. Afinal é impossível se equiparar a um clássico anterior. Não que Com a Maldade na Alma seja ruim. Esse irmão bastardo de Baby Jane é simplesmente… Desnecessário, podemos assim dizer.

Com a mesma estrutura narrativa e enredo parecidíssimo, Com a Maldade na Alma começa em um suntuosa festa em 1927, quando a jovem Charlotte está preste a fugir com John Mayhew, homem casado que é seu amante, dissuadido de última hora por ameaças feitas pelo pai de Charlotte, Big Sam (Victor Buono) e dá um bolo na garota na tão importante noite. Em seguida, ele é brutal e misteriosamente assassinado, tendo sua mão e cabeça decepados por um cutelo. Inclusive o corte da mão é chocantemente feito em close. Todas as suspeitas recaem sobre Charlotte, que aparece na festa com seu vestido todo ensanguentado e transtornada.

Passam-se 37 anos e Charlotte, agora interpretada por Bette Davis, vive enclausurada na mansão da família em Baton Rouge, desequilibrada, impulsiva, infantil e remoendo a culpa durante todos estes anos do assassinato de seu grande amor. Para auxiliá-la, somente a empregada fiel da casa, Velma, interpretada por Agnes Moorehead, indicada ao Oscar® de melhor atriz coadjuvante pelo papel. Só que a construção de uma ponte e estrada no local obriga que Charlotte saia da casa, desapropriada pelo Estado, e na tentativa de conseguir ficar por lá, terá a ajuda de dois velhos conhecidos, o Dr. Drew (Joseph Cotten) e sua prima Miriam (de Havilland). Ambos já tiveram um caso no passado, mas Miriam deixou o local logo após o escândalo, tornando-se uma mulher bem sucedida e confiante.

Esse é o ponto de partida para uma interminável sessão de intrigas e psicose, onde nada é o que aparenta ser e todos parecem utilizar-se de máscaras. Neste meio tempo, um jornalista inglês aparece em Baton Rouge para investigar a história e tentar solucionar porquê Jewel Mayhew, viúva de John, nunca acionou a seguradora para receber a apólice pela morte do marido. A situação começa a ficar cada vez mais insustentável, e a sanidade de Charlotte piorando a tal ponto, que ela começa a ter alucinações pesadíssimas, inclusive de ver o morto-vivo na escadaria do casarão, até acidentalmente atirar no Dr. Drew, matando-o. Daí cabe a Miriam agir como cúmplice e ajudar a despachar o corpo do antigo amante no rio.

She's got Bette Davis eyes

She’s got Bette Davis eyes

ALERTA DE SPOILER. Leia por conta e risco ou pule para o próximo parágrafo. É então que no terceiro ato, depois de duas horas de filmes e de muito vai e vem na trama, que se você já assistiu O Que Terá Acontecido com Baby Jane?, sacará qual será o final, que é praticamente idêntico. Em ambos a personagem de Bette Davis não tem culpa pelo acontecido, e viveu uma mentira durante toda a vida, vítima de culpa e remorso. Neste caso, John foi morto pela própria esposa, que ficou sabendo da traição do marido por fofoca de Miriam. E a morte de Drew também foi um embuste, sendo que ele está vivo e as balas do revólver que Charlotte usou eram de festim. Claro que Charlotte vai descobrir tudo isso e sua inocência durante todos estes anos e se vingar dos dois salafrários, redimindo-se perante ao espectador no final da película. Um tédio!

Mas agora eu reservo o momento Nelson Rubens, pois realmente o mais interessante de Com a Maldade na Alma foram os bastidores da produção, que era para contar mais uma vez com a dupla Davis e Crawford. Fato é que Davis anunciou logo de cara que não filmaria nenhuma cena com Crawford. Nas diversas cenas em que elas aparecem juntas, Aldrich deveria usar um dublê de corpo ou tomadas por cima dos ombros. Claro que isso seria impossível e o diretor não aceitou. O clima no set ficou tão pesado e a tensão das duas senhoras aumentou de tal forma que Crawford acabou surtando, adquirindo uma doença psicossomática diagnosticada como infecção nas vias respiratórias e foi parar no hospital. Quando voltou a trabalhar, estava tão atormentada e com medo de Davis que só conseguia filmar três horas por dia, e teve que voltar ao hospital, com apenas três cenas rodadas.

Obviamente ela teve de ser substituída. As primeiras opções eram Katherine Hepburn e Vivian Leigh para o papel de Miriam. Hepburn sequer retornou as ligações do estúdio e Leigh disse a seguinte negativa: “Não, obrigado. Eu posso até aguentar olhar para Joan Crawford às seis horas da manhã, mas certamente não para Bette Davis”. A velha deveria ser uma megera! Barbara Stanwyck e  Loretta Young foram as próximas a serem procuradas, que também recusaram o papel. Young por sua vez disse: “Eu não acredito em histórias de terror para mulheres e eu não faria um papel desses nem que estivesse passando fome”. Então tá. E fato que as duas eram amigas de Crawford também. No final, por própria indicação de Davis, Olivia de Havilland foi chamada, pois as duas já haviam contracenado juntas. Crawford só ficou sabendo que havia sido substituída no hospital, ao ouvir pelo rádio. Sua reação foi jogar um vaso de flores contra a parede.

Para finalizar o post, um trecho retirado da biografia de Bette Davis escrita por Charles Hugham, o qual compactuo com sua opinião: “Dinheiro foi novamente o motivo pelo qual Bette foi forçada a tomar uma decisão espantosa no verão de 1964. Inacreditavelmente, concordou em co-estrelar com Joan Crawford outro melodrama de Robert Aldrich, Com a Maldade na Alma. O script dava-lhe o papel de uma assassina suspeita de um novo crime, que é levada à loucura por parentes implacáveis. Trechos plagiados por atacado de outros filmes, confrontações desabridas, uma mixórdia de elementos de teatro de marionetes certamente não supriria a base para uma continuação digna do entretenimento proporcionado por O Que Terá Acontecida com Baby Jane?”. Assino embaixo.

Clube de terror das mulheres maduras

Clube de terror das mulheres maduras



Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. […] foram lançados no mesmo ano, 1964: Almas Mortas de William Castle, com Joan Crawford no elenco; Com a Maldade da Alma, de Richard Aldrich, mesmo diretor de Baby Jane, com Bette Davis e Olivia de Havilland e A Dama […]

  2. […] de William Castle, com a própria Joan Crawford, A Dama Enjaulada, com Olivia de Havilland e Com a Maldade na Alma, também dirigido por Robert Aldrich, este com Bette Davis no […]

  3. Raphael Travassos disse:

    Concordo com muito do que o texto disse. Principalmente no tocante a ser uma obra desnecessária e demasiadamente longa. Mas ainda gosto de alguns elementos, em especial a atuação de Olivia. A abertura impactante também ajuda e a cena da cabeça rolandoba escada é bem divertida, vai.

  4. Movieslover disse:

    O filme conta com uma ótima direção e atuações impecáveis. Muito legal ver a ilustre Olivia de Havilland num papel incomum a todos os que antes interpretara, e aqui ela simplesmente dá um show. Bette Davis, sempre maravilhosa, melhor atriz do mundo. Joseph Cotten bastante convincente. E Agnes Moorehead roubando todas as cenas! É muita gente boa num filme só! Isso sem falar no Cecil Kellaway, bastante simpático, e na Mary Astor, uma ótima atriz que infelizmente teve poucas cenas no filme.

    “Com a maldade na alma”, pode, de fato, não estar à altura de um “Baby Jane” – o que não significa que o filme não represente o cinema de melhor qualidade. Talvez o que cause uma certa frustração a alguns dos que o assistem seja o fato de haver toda aquela expectativa criada por causa do filme anterior. De qualquer forma, é um bom filme com grandes (e sinistros) momentos e vale ser conferido.

    Ah, e também vale lembrar que até a própria Olivia recusou o papel de Miriam Deering no filme! Quando eles viram que haveria a necessidade de Joan Crawford ser substituida, Bette Davis sugeriu Olivia de Havilland, de quem era amiga, mas Olivia não quis tomar parte no projeto. Foi quando convidaram Hepburn, Leigh, Stanwyck e Young, e todas elas também recusaram. Diante disso, todos já estavam por bem de desistir do filme, mas Davis voltou a persuadir Olivia, e Robert Aldrich acabou viajando até a Suíça, onde Olivia se encontrava na época, pra convencê-la a ficar com o papel. Mais tarde, sobre a substituição das atrizes, Aldrich diria: “Foi uma pena termos ficado sem Crawford, mas estamos melhor com Olivia”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: