17 – Frankenstein (1931)

Frankenstein-Poster-classic-movies-19761154-1035-1596


Frankenstein


1931 / EUA / P&B / 70 min / Direção: James Whale / Roteiro: John L. Balderston, Garret Fort, Francis Edward Fragoh (baseado na obra de Mary Shelley) / Produção: Carl Laemmle Jr.; E.M. Asher (Produtor Associado) / Elenco: Colin Clive, Mae Clarke, Boris Karloff, John Boles, Edward Von Sloan / Dwight Frye


 

Frankenstein é o segundo clássico filme de monstro da Universal. Embalado pelo sucesso de Drácula no mesmo ano, Carl Laemmle Jr. convida o diretor James Whale para contar a história do cientista que queria brincar de Deus, e que resulta em uma produção tecnicamente muito superior ao filme do conde.

Em uma cena de abertura MEGA marqueteira, Edward Van Sloan (que interpreta o Dr. Waldman, e também Van Helsing em Drácula), aparece por de trás das cortinas e convida o espectador a acompanhar a história do Dr. Frankenstein, dando o aviso àqueles de nervos fracos sobre os eventos horripilantes que estão prestes a assistir.

Corte de cena e o obcecado doutor Henry Frankenstein (não me pergunte porque o nome dele não é Victor como no livro) e seu assistente (Dwight Frye, mais uma vez fantástico) estão violando um cemitério em busca de corpos para dar continuidade em seu experimento macabro de trazer sua criatura à vida. Preocupado com a sanidade do noivo, Elizabeth e o amigo do casal, Victor Moritz, que nutre uma paixão secreta pela garota, pedem ajuda ao antigo tutor de Frankenstein (o tal Dr. Waldman) para demovê-lo da ideia, só que tarde demais. É claro que mais tarde o monstro vai sair do controle e tocar o terror no vilarejo, até matar uma pequena garota (sem querer, diga-se de passagem, em uma cena que lembra muito O Golem) e ser perseguido por uma turba enfurecida, antes do confronto final entre criador e criatura.

E a criatura é a grande cereja do bolo do filme. Boris Karloff torna-se aqui o mais novo astro dos filmes de terror, pegando o papel que foi recusado por Bela Lugosi, porque vejam só, ele não queria ficar estigmatizado. Nos créditos iniciais do filme, aparece um “?” no lugar do nome do ator que faz o papel da aberração, e Karloff consegue ao mesmo tempo assustar e comover, como o terrível, mas também incompreendido, monstro.

It’s Alive!!!

Jack Pierce foi o maquiador responsável por dar a aparência inesquecível ao cadáver, que tornou-se um ícone não só do cinema de horror, mas da sétima arte em si. A cabeça achatada, braços alongados, cicatrizes, os pinos no pescoço, está tudo lá, além do figurino pensado por Whale: a roupa larga e esfarrapada e as botas de asfaltador.

Whale merece um parágrafo a parte pela sua direção segura, pegando o livro de Mary Shelley, que pelo menos eu considero um saco e muito mal escrito, e transformando numa obra prima do terror, introduzindo conceitos que seriam lembrados e copiados para sempre, como o arquétipo do cientista louco, o ajudante corcunda e as máquinas elétricas que deram vida à experiência do Dr. Frankenstein. Os últimos dias da vida do diretor, que era homossexual, foram retratados em um ótimo filme chamado Deuses e Monstros, dirigido por Bill Condon, ganhador do Oscar de Melhor Roteiro Adaptado, com Sir Ian Mckellen no papel de Whale e Brendan Fraser como seu jardineiro, por quem desenvolveu uma intensa amizade. Vale muito a pena assistir.

Frankenstein gerou inúmeras continuações e a história foi readaptada diversas vezes no cinem, a última foi a versão ególatra de Kenneth Branagh filmada em 1994 com Robert De Niro no papel da criatura. É sofrível. E olha que eu já achava isso quando assisti pela primeira vez, ainda adolescente.

“Friend good. Alone bad˜…


 

.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. […] filme mais fraco, até mesmo falando em sua importância histórica, que dos comparsas Drácula e Frankenstein, mas ainda assim vale conferir. … que se transforma no grotesco e imoral Mr. […]

  2. […] articulado com a Universal para o papel de Drácula e após fazer a burrada de rejeitar o papel de Frankenstein. Lugosi interpreta ‘Murder’ Legendre, um europeu que torna-se mestre nas práticas rituais […]

  3. […] hollywoodiano de filmes de terror era amplamente dominado pela Universal e seus monstros Drácula, Frankenstein, Lobisomem, etc. Com grandes orçamentos e sucessos de bilheteria, restava aos outros estúdios […]

  4. […] criatura pode não ter o mesmo charme de Frankenstein de Boris Karloff e a maquiagem eternizada por Jack Pierce, mas a Hammer preferiu dar um aspecto […]

  5. […] bípede, metade homem e metade lobo que se transforma nas noites luas cheia. Depois de Drácula, Frankenstein e a A Múmia, a Universal apostou no peludo para despontar como o novo ícone do horror, […]

  6. […] nas costas, principalmente quando encarna o detestável Mr. Hyde. Assim como os comparsas Drácula eFrankenstein, O Médico e o Monstro tem seu valor histórico dentro dos primórdios do cinema de horror, e vale […]

  7. […] logo após o lançamento da sua primeira e bem sucedida leva de filmes de monstros: Drácula e Frankenstein, e alguns meses antes de A […]

  8. […] de efeitos visuais na época e o responsável pela maquiagem ser o brilhante Jack Pierce, Frankenstein, O Médico e o Monstro e A Ilha das Almas Selvagens, por exemplo, já haviam nos apresentado um […]

  9. […] investir pesado na sua versão, raptando Karloff da Universal após o estrondoso sucesso de Frankenstein, gastando a fortuna para a época de 330 mil dólares, criando uma produção controversa e […]

  10. […] dos sucessos de Drácula e Frankenstein lançados no ano anterior, foi a vez da Universal eternizar o seu próximo monstro que daria origem […]

  11. […] articulado com a Universal para o papel de Drácula e após fazer a burrada de rejeitar o papel de Frankenstein. Lugosi interpreta ‘Murder’ Legendre, um europeu que torna-se mestre nas práticas rituais […]

  12. […] do cinema, em O Homem Invisível, baseado no livro de H.G. Wells, depois do sucesso de Drácula, Frankenstein e A Múmia. E como em time que está ganhando, não se mexe, Carl Laemmle Jr. novamente recruta o […]

  13. […] bípede, metade homem e metade lobo que se transforma nas noites luas cheia. Depois de Drácula, Frankenstein e a A Múmia, a Universal apostou no peludo para despontar como o novo ícone do horror, […]

  14. […] bem com o sucesso de Karloff, e ainda guardava aquele rancor por ter recusado o papel do monstro em Frankenstein e ter feito uma das maiores cagadas da sua vida. Por sinal, Karloff recebeu um cachê maior que do […]

  15. […] Universal conseguisse convencer o diretor James Whale a dirigir a continuação de sua obra prima, Frankenstein. Relutante, ele só topou embarcar em A Noiva de Frankenstein se tivesse controle irrestrito sobre […]

  16. […] Estou falando dessa vez de O Filho de Frankenstein, lançado em 1939, um ano após Drácula e Frankenstein terem voltado aos cinemas e despertado novo interesse no […]

  17. […] “Eu sou um ator, não um espantalho?”. Foi isso que o ator húngaro disse ao recusar o papel em Frankenstein, porque não teria nenhuma fala durante todo o filme e teria que ficar escondido embaixo de pesada […]

  18. […] deveriam nem ter sido feitas. Bem diferente do que aconteceu com as duas sequências posteriores de Frankenstein, por exemplo. Até mesmo a franquia A Múmia e O Homem Invisível tiveram continuações melhores […]

  19. […] na lista? Primeiro porque decidi colocar todas as sequências dos monstros da Universal (Drácula, Frankenstein, A Múmia e O Lobisomem) devido ao seu valor e importância histórica para o gênero. Segundo […]

  20. […] personagens, recauchutando suas histórias, como aconteceu com as continuações de Drácula, Frankenstein e A Múmia, por exemplo. Desde O Homem Invisível, dirigido por James Whale em 1933, passando por A […]

  21. […] dos monstros da Universal a surgir no cinema, completando um time que já era formado por Drácula, Frankenstein, A Múmia e O Lobisomem, antes do ciclo se encerrar por […]

  22. […] que um filme de monstro da Universal teria que ter uma continuação. Se Drácula teve, Frankenstein teve, A Múmia teve, O Lobisomem teve e até O Homem Invisível teve, por que seria diferente com O […]

  23. […] criatura pode não ter o mesmo charme de Boris Karloff e a maquiagem eternizada por Jack Pierce em Frankenstein da Universal, mas a Hammer preferiu dar um aspecto mais cadavérico ao monstro, deixando-o com um […]

  24. […] série. Kiwi na verdade está mais próxima da criatura que Jack Pierce criou para Boris Karloff em Frankenstein de 1931. Com a cabeça quadrada, movimentos mais duros e desengonçados, mas claro, com o upgrade […]

  25. […] nas décadas de 30 e 40, o foco era o monstro, que começou sendo interpretado por Boris Karloff em Frankenstein, de 1931, e continuou amaldiçoando várias gerações da família de seu criador e até saindo na […]

  26. […] o famoso embate entre criador e criatura, marca registrada dos filmes do monstro desde os tempos de Frankenstein da Universal. Pelo contrário teremos um desfecho completamente amoral. ALERTA DE SPOILER. Pule […]

  27. […] e de O Fantasma da Ópera, os Laemmles carregam na bagagem clássicos indiscutíveis como Drácula, Frankenstein, A Múmia, e por aí […]

  28. […] momento mais violento do filme, e raptando uma criancinha indefesa, tal qual já fizera O Golem e Frankenstein antes dele. Trog é encurralado na mesma caverna que foi seu habitat durante milênios, e o […]

  29. […] o livro de Mary Sheley e misturando elementos de pelo menos três filmes da série da Universal: Frankenstein e A Noiva de Frankenstein de James Whale e O Filho de […]

  30. […] o filme também fará um tributo aos grandes monstros da Universal, principalmente a criatura de Frankenstein, exibindo A Noiva de Frankenstein na televisão em um determinado trecho e colocando a máscara […]

  31. […] seu quarto de filmes como A Maldição da Aranha e O Monstro do Mar e lista entre seus preferidos Frankenstein, O Templo do Pavor, O Monstro do Ártico e O Terror que Vem do Espaço. Isso é bastante […]

  32. […] Ignorando quase que completamente o filme anterior, Sexta-Feira – Parte 5 – Um Novo Começo, Tommy Jarvis (Thom Mathews, de A Volta dos Mortos-Vivos) retorna como nêmese do assassino de máscara de hóquei, fugindo do hospício junto com um amigo doidinho só para colocar ponto final em suas alucinações e destruir o cadáver enterrado do psicopata. Acontece que ao enfiar uma lança da grade do cemitério em seu corpo em um acesso de fúria, Jason é trazido de volta à vida, reanimado por um raio que o atinge, ao melhor estilo Frankenstein. […]

  33. […] Ignorando quase que completamente o filme anterior, Sexta-Feira – Parte 5 – Um Novo Começo, Tommy Jarvis (Thom Mathews, de A Volta dos Mortos-Vivos) retorna como nêmese do assassino de máscara de hóquei, fugindo do hospício junto com um amigo doidinho só para colocar ponto final em suas alucinações e destruir o cadáver enterrado do psicopata. Acontece que ao enfiar uma lança da grade do cemitério em seu corpo em um acesso de fúria, Jason é trazido de volta à vida, reanimado por um raio que o atinge, ao melhor estilo Frankenstein. […]

  34. Tive a mesma impressão sobre a cena da menina lembrar O Golem!

  35. […] conseguirão partes de corpos para que West coloque em prática seu novo plano, ao melhor estilo Frankenstein: criar vida a partir de um cadáver reconstruído. Para isso, eles escolhem como base uma antiga […]

  36. […] todo quadradão com seus braços estendidos, casaco sujo, botas pesadas de construtor, como em Frankenstein da Universal. E nem a versão mais deformada que Christopher Lee viveu em A Maldição de […]

  37. Bruno Martins disse:

    Ótima descrição do filme. Ainda não assisti mas pretendo fazer isso agora mesmo. E também acho o livro meio chato e cheio de enrolação.

  38. […] ou relacionamentos amorosos, ao melhor estilo Carrie – A Estranha se mistura com o clássico Frankenstein de Mary Shelley e sua ideia de montar pessoas a partir de restos mortais de cadáveres, afinal, […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *