176 – O Monstro de Frankenstein (1964)

evil_of_frankenstein_poster_01


The Evil of Frankenstein


1964 / Reino Unido / 84 min / Direção: Freddie Francis / Roteiro: John Elder / Produção: Anthony Hinds / Elenco: Peter Cushing, Peter Woodtrhorpe, Duncan Lamont, Sandor Elès, Katy Wild, Kiwi Kingston


O Monstro de Frankenstien é o terceiro filme da franquia da Hammer. Mas apesar da pretensão, não adiciona nada de novo a história do monstro cadavérico trazido à vida pelo famigerado Barão Frankenstein. Na verdade, é quase como se fosse uma continuação direta do primeiro filme, A Maldição de Frankenstein, produzido em 1957.

Os filmes da franquia são conhecidos por não trazerem praticamente nenhuma cronologia com relação aos seus antecessores. Se nos lembrarmos bem, A Vingança de Frankenstein, de 1959, termina com o Dr. Frankenstein fazendo uma cirurgia plástica para conseguir fugir e ludibriar a polícia e mudando-se para Londres com seu assistente, abrindo um novo consultório e atendendo pacientes, claramente para dar continuidade em suas malignas experiências.

Então é como se os acontecimentos deste filme nunca tivesse existido. Aqui, o Barão, mais uma vez habilmente interpretado por Peter Cushing, com toda sua sutileza e requinte, continua seus horríveis experimentos raptando cadáveres e testando os limites da vida e da morte, acompanhado de Hans, seu assistente da vez. Expulsos do vilarejo onde residiam pelo pároco local, e sem um puto no bolso, Frankenstein resolve voltar para Carlstadt, em sua antiga residência para pegar obras de arte, tapeçaria e joias que deixou por lá, a fim de vendê-los para levantar dinheiro para continuar as experiências.

Ao chegar lá, ele descobre que o Burgomestre havia roubado todos os seus pertences, e exaltado após tentar reivindicar o que era seu, o Barão Frankenstein é colocado para correr, perseguido por policiais, tendo que se refugiar em uma caverna, onde encontra uma mendiga ruiva e muda, interpretada por Katy Wild, que resolve ajudá-los. Eis que no interior desta caverna ele reencontra sua primeira criação, congelada em uma geleira, bem aos moldes das coincidências que rondava a família Frankenstein nos filmes da Universal na década de 40.

Dr. Frankenstein não desiste!

Dr. Frankenstein não desiste!

Antes disso, temos uma espécie de reboot na história em um flashback do Dr. Frankenstein, contando novamente o processo de criação de seu primeiro monstro, ignorando também A Maldição de Frankenstein, e o monstro sendo abatido na floresta, já interpretado por Kiwi Kingston, um lutador neozelandês que faz o papel neste longa, deixa de lado também a célebre interpretação de Christopher Lee no primeiro filme da série. Kiwi na verdade está mais próxima da criatura que Jack Pierce criou para Boris Karloff em Frankenstein de 1931. Com a cabeça quadrada, movimentos mais duros e desengonçados, mas claro, com o upgrade do avanço das técnicas de maquiagem, do sempre competente maquiador do estúdio britânico Roy Ashton, deixando-o com uma aparência mais pútrida.

Apesar dos esforços do cientista louco, o monstro retorna à vida mas não consegue sair do seu estado de transe. É aí que entra em cena o inescrupuloso Prof. Zoltan, um hipnotista que se apresentava na feira em Carlstadt e foi escorraçado pelo Burgomestre por não possuir licença para tal, que se alia à Frankenstein contra o antigo inimigo e utiliza de uma sugestão hipnótica para dar um “choque” no cérebro da criatura e o trazer a vida novamente. Porém, o ganancioso Zoltan faz com que o monstrengo só aceite seus comandos, e chantageia Frankenstein, primeiramente para dividir os louros do sucesso com ele, e depois para que a criatura execute suas ordens, que envolve roubar e matar pessoas, deixando um rastro de terror na cidade.

O clímax do filme e o embate final entre criador e criatura acontece nas dependências do antigo castelo de Frankenstein, e termina de forma muito parecida também com a fita de James Whale da Universal, com um terrível incêndio que, aparentemente, dá cabo do cientista e de seu monstro irracional e putrefato. Uma curiosidade é que o longa deveria ter sido dirigido pelo experiente Terence Fisher, que sofrera um acidente de carro pouco antes das filmagens e o até então operador de câmera Freddie Francis ficou com a cadeira de diretor, sendo que mais tarde, ficaria famoso por dirigir as antologias da Amicus, estúdio rival da Hammer. O roteiro por sua vez é do produtor Anthony Hinds, usando seu corriqueiro pseudônimo de John Elder.

Resumindo: O Monstro de Frankenstein é o filme da Hammer que mais se aproxima do clássico original de 1931, mas traz elementos novos e curiosos, além de personagens pitorescos que funcionam para dar uma sobrevida à franquia e tentar continuar explorando a maldição do Barão Frankenstein e sua criação, que há mais de três décadas, aterrorizavam as salas de cinema.

Karloff?

Karloff?


[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=FHA9917f1Gw]


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. […] a direção de Freddie Francs, também vindo do irmão inglês mais famoso, tendo realizado o filme O Monstro de Frankenstein no ano anterior para o estúdio. Cushing é o Dr. W. R. Shreck (que em alemão significa terror), […]

  2. […] por Freddie Francis, mesmo diretor de O Monstro de Frankenstein (que recebeu esse filme no colo pelo mesmo motivo do anterior, pois Terence Fisher, escalado para […]

  3. […] bizarras. Apenas no original lançado há mais de dez anos, A Maldição de Frankenstein e em O Monstro de Frankenstein, espécie de continuação direta, a criatura (vivida por Christopher Lee no primeiro filme) dá as […]

  4. […] e da direção preguiçosa e fraquíssima de Freddie Francis (que dirigiu também para a Hammer O Monstro de Frankesntein e Drácula – O Pefil do Diabo, além de algumas antologias da Amicus como As Profecias do Dr. […]

  5. […] louco cientista já esteve às voltas com sua principal criação em A Maldição de Frankenstein e O Monstro de Frankenstein, fez operações de cirurgia plástica e transplantes de cérebro mal sucedidos em A Vingança de […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *