184 – O Colecionador (1965)

tumblr_m42t11VWuo1qap55ao1_1280


The Collector


1965 / Reino Unido, EUA / 119 min / Direção: William Wyler / Roteiro: John Kohn, Stanley Mann, Terry Souther (não creditado) (baseado na obra de John Fowles) / Produção: Jud Kinberg, John Kohn / Elenco: Terence Stamp, Samantha Eggar, Mona Washbourne, Maurice Dallimore


Depois de Psicose, lançado no ano de 1960, ter chocado as plateias do mundo todo deixando de lado a ideia do terror que nas décadas anteriores era representada por monstros ou alienígenas, e investindo em uma maldade mais real e humana, também pavimentou o caminho para um novo tipo de thriller e deixou a dúvida de quem seria o próximo Norman Bates do cinema. Coube ao grande diretor William Weyler nos apresentar este personagem em O Colecionador.

Wyler já tinha três Oscars® na sua bagagem nesta altura do campeonato, por Rosa da Esperança, Os Melhores Anos de Nossas Vidas e pelo arrasa-quarteirão Ben-Hur, e resolveu contar a história do tímido, reservado, introspectivo e antissocial colecionador de borboletas Freddie Clegg, interpretado magnificamente por Terence Stamp, que rapta a bela e jovem estudante de artes Miranda Grey (Samantha Eggar) para deixá-la em cativeiro no porão de sua casa de campo isolada.

É até interessante ver o quanto Freddie se parece com Norman Bates, e até o típico físico de Stamp lembrava o de Anthony Perkins no clássico de Hitchcock. Obviamente há grandes diferenças entre os dois, mas há uma mesma espécie de caráter psicológico entre eles, afinal ambos eram tímidos, reclusos, com pouco tato social, obsessão por uma garota em especial (aqui muito maior e mais bem trabalhada do que a queda de Bates por Marion Crane) e alguns parafusos à menos.

Baseado na obra de John Fowles, a história cruel de sequestro, cárcere privado e tortura psicológica é habilmente filmada por Wyler e conta com duas interpretações magistrais de Stamp e Samantha (ambos ganhadores do prêmio de melhor ator e atriz no Festival de Cannes e Samantha ainda levou uma indicação ao Oscar® de Melhor Atriz e faturou um Globo de Ouro). Todo o relacionamento psicológico entre os dois, unindo a verdadeira falta de jeito de Freddie com as mulheres, e sua enorme vontade de ser aceito pela cativa e que ela se apaixone por ele o tanto quanto é apaixonado por ela, paixão platônica obsessiva e vigiada há tempos, quanto a personalidade forte de Miranda, jovem, descolada, que é obrigada a manter-se submissa e reprimida pelo seu captor, é um deleite que sustenta o filme inteiro, que só tem esses dois personagens em cena praticamente em toda a fita, como uma dinâmica de peça de teatro.

Norman?

Norman?

Mas Miranda é somente mais uma “borboleta” da coleção de Freddie (como na fantástica cena em que ele a leva até seu escritório e ela olha uma das redomas contendo seus espécimes, com sua imagem refletida no vidro). Por mais que o rapaz tente agradá-la, com jantares, livros, discos, roupas e material para que ela possa pintar, ele nunca conseguirá tocar o coração da garota que está sendo obrigada a conviver naquela terrível situação e, logicamente, o ato do sequestro em si torna impossível algum tipo de reciprocidade de sentimentos.

Mas Freddie, diferente de muitos outros psicopatas,  é extremamente contido e nunca abusa de violência ou tortura fisicamente a garota, mantendo todo seu charme inglês. Isso também é fruto de sua imaturidade e vida sem afeto, claramente escancarada no seu jeito pausado de falar, na sua expressão corporal tímida, ao ficar quase sempre de cabeça baixa, sem olhar diretamente a garota, andar trôpego e dificuldade de entender as ideias subjetivas das pessoas e da própria musa, como no caso sobre a discussão do quadro de Picasso.

Enquanto isso há toda uma enorme tensão, principalmente sexual, no ar toda vez que eles estão juntos. O desejo reprimido fetichista de Freddie entra em contraponto com o liberalismo de Miranda, garota de faculdade que frequenta pubs e tem romances casuais (algo que desperta um ciúmes doentio em seu raptor). Ele mesmo sabe que nunca se encaixaria em um grupo de amigos da garota se eles vivessem juntos em Londres e tivessem um relacionamento normal. E isso a mantém presa e sem esperanças, mesmo com o psicótico tendo prometido libertá-la dentro de um mês. E os contatos físicos entre os dois acontecem somente nas tentativas frustradas de Miranda escapar do confinamento, recorrendo até a um fracassado cortejo sexual por parte da garota, desprezado por Freddie, alegando que aquilo ele pode conseguir por alguns trocados nas ruas de Londres.

Lei da mordaça

Lei da mordaça

Mas tanto tempo de convívio com o monstro de fala contida e olhar penetrante, e com o aumento da fragilidade da moça, inevitavelmente ela começa a criar sintomas da Síndrome de Estocolmo, que precisa se esforçar para querê-lo, ou continuará ali por mais tempo, talvez indefinidamente ou até que seja morta em uma crise psicótica de Freddie. Tanto que após mais uma tentativa fracassada de fuga, e quase tendo morto o rapaz, Miranda vê-se caindo em um espiral de impotência, sentindo-se sozinha, carente e vulnerável sem seu captor, implorando por sua companhia, até ficar extremamente doente, no tempo em que ele foi obrigado a ficar no médico se tratando do um golpe de pá que levou na cabeça,.

ALERTA DE SPOILER. Pule esse parágrafo ou leia por sua conta e risco. O final de O Colecionador é impactante, e talvez isso tenha sido um dos responsáveis por todo o furor que o filme causou na época e o tornado em um excelente exemplar de suspense. Além do fato de não haver uma investigação policial para encontrá-lo, subterfúgio extremamente comum neste tipo de filme, no final a garota acaba morrendo doente, enquanto Freddie buscava ajuda. E passado um tempo, sem nenhum tipo de remorso pelo acontecido, e acreditando ter feito uma escolha errada e sonhado alto demais, decide procurar outra vítima para “colecionar”, desta vez alguma mulher mais simples e menos intelectual e refinada. Antes do corte final vemos o maníaco novamente em sua perua vigiando e seguindo uma enfermeira ao sair de seu trabalho alheia de qual poderá ser seu macabro destino.

Para finalizar, uma curiosidade mórbida em O Colecionador. Certa altura do campeonato Miranda está lendo O Apanhador nos Campos de Centeio, de J.D. Sallinger, que diz ser um livro o qual adora, e Freddie fica interessado em lê-lo. Como se bem sabe, é o mesmo livro que Mark Chapman estava lendo antes de assassinar John Lennon em frente ao Edifício Dakota em 1980, quinze anos mais tarde, que segundo ele, trazia informações subliminares para que ele matasse o ex-Beatle. A publicação obviamente é um hit entre os psicopatas.

Chuva de sangue

Chuva de sangue


[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=oUjh5zRTiwc]


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. […] de lado o relacionamento humano e o suspense que permeava sua primeira metade, quase como um O Colecionador, de William Wyler, versão nipônica, passando para um perfeito exemplo do cinema transgressor […]

  2. Rafael disse:

    Valeu pela dica!!! Baixando!

    Parabéns pelo excelente site!!
    Nota-se que o administrador é um apaixonado pela sétima arte. Todo filme com comentários engrandecedores e não apenas o download do filme e pronto, que nem muitos sites por ai.

    • Olá Rafael, tudo bem?

      Muitíssimo obrigado pelo elogio, Rafael. A intenção primária do blog é essa mesma, fazer resenhas sobre os filmes, e os filmes para download é uma consequência, para ver se vocês concordam ou discordam comigo. 😉

      Continua acompanhando o blog e comentando.

      Grande abraço.

      Marcos

  3. Daniel Christianini disse:

    Só uma informação, o filme foi lançado sim no Brasil pela Versátil Home Vídeo.

  4. Eu não assisti o filme, mas li o livro e me senti tão….infeliz e frustrada com o final de Miranda. Mas, é um final, que na verdade, é um começo, ou a primeira fase na “evolução” de um serial killer…..

  5. Oi, gente…

    O DVD de O Colecionador foi lançado há pouco tempo pela Versátil numa cópia pelada, mas de excelente qualidade de imagem e bom som (2.1)

    A propósito, que filmaço. Que filmaço! É um exercício de suspense, de construção de personagens, de narrativa. Sem falar na atuação do Stamp e da MARAVILHOSA Eggar.

  6. Renato disse:

    Muito obrigado pelo filme….qualidade muito boa.Pra quem ainda não assistiu eu recomendo

  7. luciene oliveira disse:

    eu tenho o livro,gostaria muito de assistir ao filme,pois meu irmão me falou que é maravilhoso!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *