197 – A Serpente (1966)

 reptile_poster_01

The Reptile

1966 / Reino Unido / 86 mim / Direção: John Gilling / Roteiro: John Elder / Produção: Anthony Nelson Keys / Elenco: Noel Willian, Jennifer Daniel, Ray Barrett, Jacqueline Pearce, Michael Ripper

 

Começarei o texto parafraseando a opinião de Christopher Lee sobre A Górgona, porém aplicado a este filme: O único problema de A Serpente, é a própria serpente. Isso porque o filme dirigido por John Gilling é redondo e tem aquele famoso padrão característico da Hammer, até a hora que o monstro aparece em cena.

E é bem parecido com o caso de A Górgona, exercendo o mesmo efeito sobre seus espectadores por conta dos efeitos visuais precários. O maquiador oficial da Hammer, Roy Ashton tem excelentes trabalhos para o estúdio inglês em seu currículo, como o monstro de Frankenstein, Drácula e a Múmia. Mas de vez em quando ele dá umas derrapadas, obviamente que por conta de um orçamento reduzido, como é o caso aqui de A Serpente.

Apesar de sua inventividade e tentar de uma forma criativa reproduzir o monstro, até utilizando aplicações criadas a partir de um molde feito de pele de cobra de verdade, a hora que a criatura aparece em cena, com seus olhos esbugalhados vermelhos, pele escamosa verde, suas presas salientes e mexendo a linguinha para lá e para cá nervosamente, não dá para não dar risada. Mas o pior é que este é um dos charmes da fita.

Baseado de forma não creditada no livro “The Lair of the White Worm” do escritor irlandês Bram Stoker (sim, o mesmo que escreveu Drácula), publicado em 1911, A Serpente foi rodado juntamente com Epidemia de Zumbis, ambos dirigidos pelo competente John Gilling, aproveitando as mesmas locações, cenários e atores, como o caso de Jacqueline Pearce, que interpreta Anna Franklyn, e Michael Ripper, que faz o papel do taberneiro Tom Bailey.

Encantando a serpente

Encantando a serpente

Na história, Harry George Spalding (Ray Barrett) muda-se com sua esposa, Valerie (Jennifer Daniel) para a Cornuália, após herdar a casa de seu irmão Charles Edward Spalding, depois dele ser misteriosamente morto por uma praga conhecida como Morte Negra, que vem assustando todos os moradores da região e fazendo diversas vítimas. Mas na verdade, Charles, como percebemos logo na sequência de abertura da fita, foi morto por uma terrível criatura, metade humana, metade serpente, que mata suas vítimas com uma terrível picada, envenenando-as.

Cabe então a Harry, o taberneiro Tom Bailey, seu único amigo já que todos os outros aldeões o tratam mal, e Valerie, investigar as terríveis mortes, e entender o comportamento estranho de seu vizinho, Dr. Franklyn (Noel William) e sua filha reclusa e assustada Anna. Através de suas investigações, descobre-se mais tarde, que Dr. Franklyn é teólogo, estudioso das antigas religiões orientais. Na Malásia, ele descobriu uma secreta ordem de adoradores de serpente, e após conhecer todos seus segredos e tentar publicá-los, como forma de vingança, Anna é raptada e através de um ritual é transformada nessa venenosa mulher cobra, dotada de um terrível instinto assassino.

O Dr. Franklyn até tenta levá-la para o interior da Inglaterra, porém um sinistro malaio membro da seita o segue até o local e os mantém sob chantagem, controlando a maldição. Para sobreviver no ambiente frio inglês, como as cobras possuem sangue frio, eles constroem um poço fumegante no porão da casa, que mantém a criatura aquecida durante o inverno, quando acontece sua troca de pele, e a alimenta com os pobres coelhos e gatos que vivem na região. Ou seja, literalmente, podemos dizer que essa mulher é uma víbora!!!

A Serpente sofre do mesmo problema de Epidemia de Zumbis, por exemplo. É um bom filme, porém é um filme B da Hammer, renegado a segundo plano pelo estúdio que tinha como suas principais apostas as franquias de Drácula e Frankenstein e os filmes com a dupla Peter Cushing e Christopher Lee. Mesma coisa serve para o diretor John Gilling, que apesar de seu domínio e fluidez na direção, tinha que competir com Terence Fisher, responsável pelas grandes produções do estúdio. Mas ainda assim é Hammer com suas características peculiares, então, vale a sessão pipoca.

A mulher cobra!

Essa mulher é uma víbora!

Serviço de utilidade pública:

O DVD de A Serpente está atualmente fora de catálogo.

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. […] pelo competente John Gilling, que também já havia entregue ao estúdio Epidemia de Zumbis e A Serpente (ambos de 1966), A Mortalha da Múmia em sua abertura nos leva a uma viagem ao tempo para o ano […]

  2. […] vivido por Michael Ripper, figurinha carimbada de alguns filmes da Hammer (Epidemia de Zumbis, A Serpente…), não quer ver seu futuro e tremendamente assustado com tudo que está acontecendo, pega a […]

  3. […] baboseira (a história original é de John Gilling, que já havia dirigido Epidemia de Zumbis, A Serpente e A Mortalha da Múmia para a Hammer) e da direção preguiçosa e fraquíssima de Freddie Francis […]

  4. Joelmo disse:

    Está sem o link. Abs

  5. […] Gilling também foi responsável pela direção de alguns famosos filmes da Hammer, como A Serpente, Epidemia de Zumbis e A Mortalha da […]

  6. Enio Peixoto Soares disse:

    Eu gosto, apesar da maquiagem da serpente. Este filme foi exibido várias vezes no SBT com nome de Mulher Cobra.

  7. Dilson de Almeida disse:

    Assisti duas vezes nas madrugadas insones na globoisso no final da década dos anos 80´.Bons tempos quando ainda passavam essas relíquias nas tvs abertas(band,sbt tmbm exibiram ótimas fitas do gênero no mesmo período).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *