198 – O Carrasco de Pedra (1967)

it_1967_poster_01

It!

1967 / Reino Unido, EUA / 96 min / Direção: Herbert J. Leder / Roteiro: Herbert J. Leder / Produção: Herbert J. Leder, Tom Sachs (Produtor Associado), Robert Goldstein (Produtor Executivo – Não Creditado) / Elenco: Roddy McDowall, Jill Haworth, Paul Maxwell, Aubrey Richards, Ernest Clark

 

O Carrasco de Pedra é mais um daqueles filmes que tem a cara das produções de terror dos anos 60. Orçamento baixo, roteiro cheio de furo, despretensioso, e extremamente divertido. Passado na Inglaterra moderna (da década de 60), atualiza a lenda do golem e tem no elenco Roddy McDowall, o eterno Peter Vincent, destemido caçador de vampiros, de A Hora dos Espanto.

E cá entre nós, a atuação dele está fantástica. Mistura cômica e dramática, com todos os seus trejeitos, expressões corporais e faciais, dominando muito bem o personagem Arthur Pimm, assistente curador do museu que descobre como trazer o golem de volta à vida e tem a estátua ao seu controle para fazer coisas ao seu bel prazer, que vão desde assassinar o novo curador do museu até derrubar uma ponte.

A maior ambição de Pimm é assumir o controle do museu após a misteriosa morte do Sr. Trimingham (Oliver Johnston), aparentemente morto pelo carrasco de pedra logo na abertura da fita. Só que apesar de ser um funcionário exemplar, Pimm não tem seu trabalho reconhecido, apenas ganhando um aumento de 150 libras anuais no salário, enquanto o arrogante Professor Weal (Aubrey Richards) é convidado pela junta curadora do museu para assumir o cargo. Isso já deixa o rapaz problemático deveras frustrado.

Misture isso ao desequilíbrio mental que Pimm sofre (inclusive de uma patologia copiada descaradamente de Norman Bates, guardando o esqueleto de sua mãe na sala do seu apartamento, em uma cadeira de balanço, conversando com ela à noite), o amor não correspondido da filha de Trimingham, Ellen (e loira estonteante Jill Haworth) e a ameaça do americano Jim Perkins (Paul Maxwell), vindo para conferir a autenticidade da estátua e levá-la para Nova York, por quem Ellen se apaixona (e vice-versa). Pronto, você tem a combinação psicológica perfeita para Pimm surtar de vez e começar a deixar se levar pelo fascínio causado por aquele golem e seu terrível poder.

Antes de Peter Vincent...

Antes de Peter Vincent…

A estátua de 1500 quilos remete à tradicional lenda da criatura de pedra, que teria sido criada pelo rabino Rabbi Loew em Praga, na antiga Tchecoslováquia, durante o século XVI e através de um pergaminho com uma inscrição mágica colocada embaixo de sua língua, ganharia vida e tornar-se-ia um ser indestrutível, servindo todos os desejos daquele que descobrisse como controlar esse poder mágico. Vale lembrar que a criatura do golem já foi tema de um dos principais filmes do expressionismo alemão, O Golem, de 1921, um dos pioneiros do gênero. Esse filme até é citado em O Carrasco de Pedra, quando o detetive que investiga os assassinatos cometidos pela estátua está questionando onde Pimm estava na noite de um determinado crime, e ele disse que estava no cinema assistindo a um filme alemão, que é exatamente O Golem.

Pimm, através da ajuda de um rabino judeu, consegue a tradução dos hieróglifos talhados na pedra, e nele consta um aviso prontamente ignorado: “Aquele que no Século XX ousar me invocar, cuidado, porque nem pelo fogo, nem pela água, nem pela força e nem por nada criado pelo homem, poderei ser destruído”. Então depois que Pimm enlouquece de vez, foge do hospital psiquiátrico, rapta Ellen e rouba o cadáver de sua mãe no necrotério, e os leva para uma casa em uma área afastada de Londres, onde seria construída uma nova ala medieval do museu, não há nada que possa parar a estátua viva.

O exército bem que tenta destrui-lo com tiros de bazuca e canhões, mas nada surte efeito. Até que o Ministério de Defesa autoriza o uso de uma ogiva nuclear pequena (???!!!) com um raio de destruição de apenas 2km (mas e a radiação que iria se espalhar???). Antes da detonação, Jim consegue ainda salvar Ellen, pois o especialista em aferir a autenticidade em obras de arte também se mostra um às na motocicleta, mas mesmo o poderio de uma bomba atômica, não faz sequer um risco no golem.

O Carrasco de Pedra é uma bobagem sem tamanho. Ingênuo, despretensioso, roteiro cheio de falhas, erros de continuidade crassos, efeitos de maquiagem do golem (interpretado pelo ator Alan Sellers) toscos, e por isso mesmo, é deliciosamente divertido, ainda mais para quem é fã dessa safra de filmes dos anos 60. Uma curiosidade para os mais velhos, é que esta fita foi uma das primeiras atrações do Primeira Exibição, extinta sessão de filmes de sábado à noite da Rede Globo, que foi ao ar no final dos anos 80 e começo dos anos 90, pai do Supercine.

Golem pegador!

Golem pegador!

Serviço de utilidade pública:

O DVD de O Carrasco de Pedra não foi lançado no Brasil.

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. RENATO disse:

    A EXTINTA SESSÃO DE FILMES PRIMEIRA EXIBIÇÃO DA GLOBO COMEÇOU NOS ANOS 70 E DUROU ATÉ O COMEÇO DOIS ANOS 80,LEMBRO MUITO BEM.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *