22 – A Ilha das Almas Selvagens (1932)


Island of Lost Souls


1932 / EUA / P&B / 70 min / Direção: Erie C. Kenton / Roteiro: Waldemar Young, Phillip Wyla (baseado na obra de H.G. Wells) / Produção: Erie C. Kenton / Elenco: Charles Laughton, Richard Areln, Leila Hyams, Bela Lugosi, Kathleen Burke, Arthur Hohl


 

A Ilha das Almas Selvagens é a primeira adaptação livre para o cinema do famoso livro de H.G. Wells, A Ilha do Dr. Moreau, publicado em 1896. E com certeza, é a melhor das três adaptações que o filme já recebeu, sendo que as duas mais famosas são de 1977 e 1996.

Acredito que todo mundo deve já conhecer o conceito básico da história, principalmente por sua versão mais recente, estrelando um caricato e deprimente Marlon Brando: Um náufrago acidentalmente vai parar em uma ilha no pacífico sul, onde Moreau, um brilhante cientista extraditado por suas técnicas não usuais de vivissecção animal, começa a desenvolver uma pesquisa horrenda para transformar animais em homens, gerando assim um exército de criaturas deformadas, que não são nem humanas, nem animais.

O tal náufrago é Edward Parker, resgatado em alto mar por um navio que estava a caminho da ilha, levando uma série de espécimes animais para o local. Lá ele conhece o Sr. Montgomery, lacaio de Moreau, que cuida de sua saúde até sua plena recuperação. Após envolver-se em uma confusão com o capitão alcoolatra do navio, que destratou um dos bestiais ajudantes de Montgomery, M’Ling, Parker é largado a sua própria sorte na ilha, permanecendo como hóspede forçado de Moreau.

Lá ele conhece a principal criação do cientista que quer brincar de Deus: Lota, a Mulher Pantera (interpretada por Kathleen Burke, detentora de uma exótica e estranha beleza). Diferente das demais monstruosidades, Lota, a única mulher em toda a ilha, é o mais próximo que o doutor conseguiu chegar de um ser humano, e a intenção de Moreau é que ela e Parker se envolvam romanticamente, para dar frutos a uma nova raça. E quase dá certo, não fosse pela noiva de Parker aparecer na ilha para resgatá-lo.

De volta à Casa da Dor!

O Moreau de Charles Laughton é uma espécie de déspota cruel e presunçoso, tomado por uma gigantesca vaidade, que não mede esforços para conseguir seu objetivo. Alguns das suas criações são usadas como serviçais, como o caso de M’Ling. Outras, vivem em bandos no meio da floresta tropical, vivendo sob a rígida Lei, conjunto de regras criadas pelo autoritário cientista para tentar socializar as criaturas. Entre as principais leis, estão: “Não andar de quatro”, “Não comer carne” e “Não matar”, para dar uma noção de civilização e para que as feras não deixem se levar por seus instintos.

O responsável por ditar essas leis é o Mestre da Lei, personagem de Bela Lugosi, com um rosto todo peludo, que recita as leis de Moreau em voz alta e pergunta o que eles são, senão homens, com aquele seu característico sotaque húngaro. Quem desobedecer a essas leis, será levado para a Casa da Dor, mais conhecido como o laboratório de Moreau, onde será torturado e sofrerá dores indescritíveis, na tentativa de continuar retardando o processo de regressão à forma animal.

Claro que com todos esses elementos misturados, uma hora a coisa ia dar merda, e o bando de criaturas iria dar início a uma insurreição contra o totalitário cientista / ditador. E durante essa revolta somos apresentados a uma das cenas mais chocantes do cinema de terror até então, quando Moreau finalmente é capturado e é vivissecado pelas bestas ensandecidas (claro que off screen), pagando na mesma moeda o que fazia com os pobres animaizinhos.

O que nós somos, senão homens?

A Ilha das Almas Selvagens tem vários pontos para colocá-lo como um clássico do gênero. Primeiro pela bem sucedida utilização da maquiagem do não creditado maquiador Wally Westmore, para criar as feras, que no ano anterior, tinha sido responsável pelo visual simiesco do Mr. Hyde em O Médico e o Monstro. Segundo pela fotografia expressionista que sempre passa a impressão de confinamento (no caso representando o cárcere de Parker), mesmo havendo uma ilha tropical inteira à disposição para o doutor e seus animais. Terceiro pelo uso de forma precisa e aterrorizante do som, tanto dos gritos de dor vindo da Casa da Dor, quanto dos uivos e grunhir dos animais.

Mas de todos esses elementos citados, o mais importante de todos é o fato de A Ilha das Almas Selvagens levantar temas polêmicos em plena década de 30, como bestialismo, miscigenação, ética científica e colonialismo. Afinal as mensagens chaves da obra de Wells são sua crítica ao imperialismo europeu, que tentava ascender os povos nativos do seu status de “animal” para o de “ser humano”, representados pelo homem branco; crítica a religião, já que Moreau também faz as vezes de “Deus” criando mandamentos muito parecidos com os bíblicos e há até um sumo sacerdote que prega as Leis à exaustão em uma espécie de semi-culto, muito parecido com os pastores evangélicos e sua lavagem cerebral que vemos hoje em dia; e a pesquisa científica desenfreada e desumana, principalmente se tratando do mal trato em animais.

Tanto por isso, A Ilha das Almas Selvagens foi proibido na Inglaterra e em partes dos EUA até o começo da década de 50. E apesar de sua extensiva campanha de marketing para levar os americanos ao cinema para conhecer a estonteante e misteriosa Mulher Pantera, o filme fracassou de forma retumbante nas bilheterias, e somente muito tempo depois atingiu seu lugar merecido no panteão dos mais importantes filmes de terror da década de 30.

Criador e criatura


[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=D6wWPwz4BAM]


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. […] por Erie C. Kenton, de A Ilha das Almas Selvagens, aqui Lugosi reprisa o papel de Ygor, que fez tanto sucesso no filme anterior, escrito […]

  2. […] Apenas algumas coisas se salvam na direção de Kenton (que entre seus trabalhos, tem o ótimo A Ilha das Almas Selvagens), como algumas excelentes brincadeiras com sombras dos personagens, que lembra vagamente o que era […]

  3. […] sinistro O Mensageiro do Diabo é o único filme do grande ator Charles Laughton (o Dr. Moreau de A Ilha das Almas Selvages) com diretor, e é uma fita pesada e perturbadora, que escancara a maldade humana travestida da […]

  4. […] são as principais diferenças entre essa versão e A Ilha das Almas Selvagens, de 1932? Pois bem, começamos com três coisas que não há no original, por questões óbvias de […]

  5. […] e o responsável pela maquiagem ser o brilhante Jack Pierce, Frankenstein, O Médico e o Monstro e A Ilha das Almas Selvagens, por exemplo, já haviam nos apresentado um trabalho muito mais […]

  6. […] pelo inescrupuloso Samuel Z. Arkoff, com Burt Lancaster no elenco, e ainda antes disso, em A Ilha das Almas Selvagens com Charles Laughton e Bela Lugosi. Para quem não conhece a trama, um maquiavélico cientista vive […]

  7. mumeba disse:

    Valeu pelo filme.Muito legal o site,tô colado em vcs.

  8. Ronaz disse:

    parabéns pelo site, excelentes os comentários

    gostaria de fazer uma colocação, o nome do diretor é Erle C. Kenton, vc escreveu Erie

  9. Cheyenne disse:

    Que filme excelente! assisti ele hoje. Ótima fotografia e enredo. gostei muito da escolha dos atores e de como a historia foi abordada. Realmente a atriz que fez Lota tinha uma beleza bastante exótica, principalmente os olhos. Gosto muito de filmes como esse e sempre gosto das sugestões do site, um dia consigo ver todos os filmes hahahah ^_^

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *