222 – O Altar do Diabo (1970)

dunwich_horror_poster_01

The Dunwich Horror

1970 / EUA / 90 min / Direção: Daniel Haller / Roteiro: Curtis Hanson, Henry Rosenbaum, Ronald Silkosky (baseado no conto de H.P. Lovecraft) / Produção: Jack Bohrer, Roger Corman, Samuel Z. Arkoff e James H. Nicholson (Produtor Executivo) / Elenco: Sandra Dee, Dean Stockwell, Ed Begley, Lloyd Bochner, Sam Jaffe

 

Você sai dos anos 60, mas os anos 60 não saem de você. É assim que o blog começa com o primeiro post da década de 70, com Altar do Diabo. Por que eu digo isso? Oras, o filme tem toda aquela estética sixties, alta dose de lisergia vindo dos anos “paz e amor”, é uma produção de Roger Corman lançado pela American International Pictures e traz uma adaptação de um conto de H.P. Lovecraft.

Tudo bem que falando de Roger Corman e AIP, os férteis anos 60 ficaram famosos pelas adaptações das obras de Edgar Allan Poe dirigidas pelo “Rei dos Filmes B”. Mas o próprio Lovecraft já teve seus textos transpostos para a telona no período. Primeiramente em O Castelo Assombrado, que mesmo que enxertado na fase Poe por conta do nome do filme ser derivado de um poema do autor, a história é toda baseada em “O Caso de Charles Dexter Ward”, do rei do indizível. Depois foi a vez de “A Cor Que Caiu do Céu” ter sua versão cinematográfica em Morte Para um Monstro, que é dirigido por Daniel Haller, mesmo de Altar do Diabo, que por sinal era diretor de arte do ciclo Poe de Corman.

Então estamos aqui pisando em um terreno já conhecido para os fãs. E vemos mais um filme que funciona muito bem dentro do seu pretexto, já que não é bolinho levar os contos de Lovecraft para as telas. E ainda há indícios de certa evolução de tendências cinematográficas se comparados aos filmes dos anos 60, onde aqui a atmosfera estritamente gótica é substituída por ares contemporâneos, além de utilização mais profusa de nudez, violência e maior ênfase no uso de cores e edição de imagens para as cenas alucinógenas.

Yog-Sothoth sabe o portão. Yog-Sothoth é a porta. Yog-Sothoth é a chave e guardião da porta. Passado, presente e futuro, todos são um em Yog-Sothoth”. Escrito em 1928 por Lovecraft e publicado no ano seguinte na “Weird Tales Magazine”, a trama que traz um enredo calcado na bruxaria (tanto do livro quanto do filme), se passa na fictícia Dunwich, cidade de Massachusetts. Wilbur Whateley (interpretado por um jovem Dean Stockwell) é o infame filho da bruxa Lavinia Whateley (Joanna Moore Jordan). Ele vai até a Universidade Miskatonic (recorrente em quase toda a obra de Lovecraft) para estudar o Necronomicon, que tem seu único exemplar guardado na biblioteca da cidade, sob os cuidados do Dr. Henry Armitage (Ed Begley), a fim de conhecer os encantamentos que poderiam ressuscitar os seres conhecidos como Os Antigos.

Leitura de cabeceira: Necronomicon

Leitura de cabeceira: Necronomicon

Armitage também é responsável por publicar um livro sobre o sórdido passado dos Whateley e impede que o jovem retire o livro da biblioteca para seus estudos pessoais. Além disso, Wilbur desenvolve certo estranho fascínio sobre Nancy Wagner (Sandre Dee), uma das assistentes do Dr. Armitage, que resolve lhe dar uma carona até Dunwich tarde da noite, já que Wilbur havia perdido o último ônibus para a cidade.

Mal Nancy sabe que ela será usada pelo rapaz para promover satânicos rituais de fertilidade (em uma cena claramente inspirada pelo “estupro” tétrico de O Bebê de Rosemary), hipnotizando-a e drogando-a para que ela passe o final de semana com ele na cidade, mesmo com a relutância do velho Whateley (Sam Jaffe), avô de Wilburn e envolvido em toda a loucura que acometeu a família. Preocupada com a amiga, a outra assistente do Dr. Armitage, Elizabeth Hamilton (Donna Baccala) convence-o a irem até Dunwich para descobrir o que está acontecendo, e por lá conhecem a fundo a perversa história sobre o nascimento de Wilbur e seu irmão gêmeo, supostamente natimorto, e que Lavinia ainda está viva, trancada em um asilo.

Quando Elizabeth mais uma vez vai à casa dos Whateley em busca da amiga, ela encontra por trás de uma das portas do antigo casarão uma terrível criatura, que no caso é o irmão gêmeo de Wilbur (Nota do Blogueiro: no livro os dois são filhos de Yog-Sothoth, uma dessas divindades pré-diluvianas que fazem parte dos Mitos de Cthulhu), que escapa por Dunwich tocando o terror. Enquanto isso, Wilbur tenta de toda forma realizar seu ritual e oferecer Nancy para trazer os Antigos de volta à vida. ALERTA DE SPOLIER. Pule para o próximo parágrafo ou leia por conta e risco. Wilbur é atingido por um raio e não consegue completar seu sacrifício, mas Nancy, resgatada por Armitage e o Dr. Cory (médico que atendeu Lavinia ao dar a luz), está grávida de Wilbur.

Altar do Diabo é um filme interessante. Claro, não dá para esperar muito. O texto de Lovecraft é complexo e estamos falando de um filme B de 1970 com baixo orçamento. E ainda assim, “O Horror de Dunwich” é um dos meus contos preferidos (H.P é meu escritor preferido também, caso alguém não saiba). Então não vou ficar espezinhando, mas a meu ver, falta uma exploração maior da criatura, que causa uma pá de mortes e depois some sem nenhuma explicação do que acontece com ela, há um final apressado com coisas mal resolvidas, personagens periféricos sem importância e atuações fracas e forçadas da dupla de protagonistas, Stockwell (cujo papel foi pensando em Keir Dullea, David Carradine e recusado por Peter Fonda) e Sandra Dee. Mas vale o tempo gasto em frente à TV.

Hang loose!

Hang loose!

Serviço de utilidade pública:

O DVD de O Altar do Diabo está atualmente fora de catálogo.

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

1 Comentário

  1. […] no meu post do primeiro filme do blog da década de 70, O Altar do Diabo, que eu comecei meu texto falando que a gente tinha saído dos anos 60, mas os anos 60 não haviam […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: