251 – Luxúria de Vampiros (1971)

lust-for-a-vampire-yutte_stensgaard

Lust for a Vampire

 1971 / Reino Unido / 95 min / Direção: Jimmy Sangster / Roteiro: Tudor Gates / Produção: Harry Fine, Michael Style / Elenco: Ralph Bates, Barbara Jefford, Suzanna Leigh, Michael Johnson, Yutte Stensgaard, Helen Christie


Luxúria de Vampiros é o segundo filme que compõe a trilogia de Karnstein da Hammer, baseado no livro do irlandês Sheridan Le Fanu, um dos responsáveis pela criação do status quo do vampiro na literatura, influenciador de Bram Stoker e percursor da safadeza, erotismo e lesbianismo vampírico.

O primeiro foi o clássico dos clássicos Carmilla – A Vampira de Karnstein, lançado no ano anterior, que traria a deliciosa Ingrid Pitt no papel de Carmilla e todos os seus diversos acrônimos. O terceiro filme, As Filhas de Drácula, também lançado em 1971, trouxe Peter Cushing no elenco e as gêmeas playmates univitelinas Madeleine e Mary Collinson.

Este segundo episódio da trilogia Karnstein é interessante, tanto do ponto de vista narrativo, quanto do ponto de vista técnico, levando em consideração que a Hammer passava por maus lençóis naqueles anos e caminhava para sua fadada falência, até ser ressuscitada no final da década passada. Claro que nesta altura do campeonato, todo o “glamour” e desbunde de figurinos e de maquiagem do estúdio tinha ficado para trás, tendo deixado seus áureos anos lá no final da década de 50 e toda a década de 60. Então a ordem do dia era mostrar o máximo de sangue, violência e nudez possíveis, até para agradar o mercado americano.

Christopher Lee? Ah, não?

Christopher Lee? Ah, não?

E seguindo a linha da vampira fatal, sedutora e desinibida vivida por Ingrid Pitt em Carmilla – A Vampira de Karnestein, em Luxúria de Vampiros, a bela e loira Millarca, reencarnação de Carmilla, é interpretada pela atriz dinamarquesa Yutte Stensgaard, que obviamente não tem o mesmo sex appeal e a volúpia de Pitt, mas que mesmo assim exala sua doce e particular sensualidade, desfilando com suas longas camisolas transparentes ultra decotadas pelo internato de garotas, e nos closes de seus brilhantes olhos azuis levemente estrábicos.

E esse internato para garotas de fino trato é onde acontece toda a trama de Luxúria de Vampiros. O vilarejo onde ele fica situado, está sob constante medo da superstição dos vampiros que vivem no castelo de Karnestein. Uma camponesa é sequestrada pelo cocheiro/ capanga logo no começo do filme, para servir aos rituais satânicos do Conde de Karnstein (Mike Raven, que tem bastante semelhança com Christopher Lee, inclusive com seu vozerio) e da Condessa Herritzen (Barbara Jefford) para trazer Carmilla, ou Millarca, ou como você preferir, de volta à vida.

A Condessa Herritzen logo se apressa para colocar a falsa sobrinha vampira na escola gerenciada pela Sra. Simpson (Helen Christie), auxiliada pelo esquisito simpatizante do oculto Giles Barton (Ralph Bates, em uma excelente interpretação) e pela professora Janet Playfair (Suzanna Leigh), para ela poder seduzir as pobres jovens e sugar o sangue de suas jugulares. A safadeza, erotismo e depravação que rola entre as meninas e a vampira neste internato é como se fosse a versão Hammer do Cine Privé ou da Sala Especial (para os mais velhos, ou os filmes da madrugada do Telecine Action para os mais novos).

Carmilla, Mircalla, Marcilla, ah sei lá...

Carmilla, Mircalla, Marcilla, ah sei lá…

Neste ínterim, o cético escritor Richard Lestrange (Michael Johnson) está nas redondezas para uma pesquisa para seu próximo livro, e resolve visitar o castelo dos Karnestein e acaba encontrando a tal escola. Estupefato pelas belas moçoilas que ali estudam e hipnoticamente atraído por Mircalla, ele dá um chapéu no professor de inglês que fora contratado para lecionar no local, tomando sua vaga só para ficar por ali e tentar seduzir a loirinha, já que o escritor está terrivelmente apaixonado pela beldade. Lógico que enquanto tudo isso acontece, as meninas vão sumindo misteriosamente uma a uma (e até o Sr. Barton, que havia descoberto o segredo de Carmilla e queria ser um servo da trevas), sendo encobertas pelo Conde Karnestein que finge ser um médico, o Dr. Frohein, que atribui toda e qualquer morte, por mais jovem que a pessoa seja, a ataque cardíaco, e a Condessa fria, calculista e inescrupulosa, que consegue manipular facilmente a Sra. Simpson.

Esses desaparecimentos começam a despertar a atenção já dos incautos e revoltados moradores da aldeia, do pai de uma das moças que sumiu, um inspetor de polícia e o pároco local. Tudo para que eles se juntem com suas tochas e forcados, ao melhor estilo filme de vampiros, para tentar acabar de vez com aquelas malditas sanguessugas. Mas claro que apesar da história chinfrim e clichê, quem é do sexo masculino não pode reclamar de Luxúria de Vampiros e de suas garotas seminuas e seus decotes ousadíssimos e as trocas de carícias entre as garotas do internato, além da pegação entre Lestrange e Mircalla, Carmilla, ou o que quer que seja.

Fora isso, Luxúria de Vampiros vem com todo o pacotão gótico da Hammer, com seus vilarejos, camponeses assustados, ambientação de época, carruagens, filmagens em plena luz do dia simulando noite através de filtros e tudo mais. Junto com esse pacote, está a direção de Jimmy Sangster, responsável pelo roteiro dos mais importantes filmes do estúdio, desde os primeiros A Maldição de Frankenstein e O Vampiro da Noite, vários filmes destas duas franquias e outros clássicos como O Homem que Enganou a Morte, A Múmia, e tantos outros. Já o roteiro ficou por conta de Tudor Gates, que também escreveu os outros dois filmes da trilogia. O DVD foi lançado aqui no Brasil pelo saudoso selo Dark Side, da Works Editora, junto com mais uma grande leva de filmes da Hammer que podiam facilmente ser encontrados nas bancas e Lojas Americanas da vida.

Luxúria de sangue

Luxúria de sangue

Serviço de utilidade pública:

O DVD de Luxúria de Vampiros está atualmente fora de catálogo.

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

2 Comentários

  1. […] inicial no ano anterior com Carmilla – A Vampira de Karnstein, e também tem aí em seu meio, Luxúria de Vampiros (que será postado futuramente já que minha lista é em ordem […]

  2. […] a mais duas sequências, que completaram a chamada trilogia de Karnstein da Hammer. A primeira, Luxúria de Vampiros, dirigida por Jimmy Sangster (sim, aquele mesmo, famoso roteirista do estúdio), e a segunda, As […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: