257 – A Última Esperança da Terra (1971)

omega_man_xlg

The Omega Man 

1971 / EUA / 98 min / Direção: Boris Sagal / Roteiro: John William Corrington, Joyce Hooper Corrington (baseado na obra de Richard Matheson) / Produção: Walter Seltzer / Elenco: Charlton Heston, Anthony Zerbe, Rosalind Cash, Paul Koslo, Eric Laneuville, Lincoln Kilpatrick

 

A Última Esperança da Terra é a segunda incursão ao cinema do livro clássico de Richard Matheson, que já havia sido adaptado antes no ótimo Mortos que Matam, com Vincent Price no elenco, e mais tarde, na super produção Eu Sou a Lenda, com Will Smith fazendo às vezes do único humano sobrevivente da face do planeta.

Talvez o mais clássico filme dos três, principalmente por conta de sua visão peculiar dos infectados, aqueles que não morreram devido ao poderoso vírus que dizimou a população mundial graças a uma epidemia de proporções bíblicas, e ao invés de se tornarem zumbis/ vampiros como no livro ou nos dois outros filmes, anterior e posterior, acabaram sendo representadas por criaturas albinas mutantes, fotossensíveis, que vestido em seus trajes negros com capuz, se organizam em uma seita chamada A Família, que tem como único objetivo reconstruir nossa sociedade longe dos perigos tecnológicos e científicos (considerados hereges por eles), não repetindo os erros do passado, e se livrar o Homem Ômega, Robert Neville, vivido por Charlon “Ben-Hur” Heston.

Neville, outrora proeminente cientista, desenvolveu uma vacina especial para tentar acabar com a praga, liberada por uma guerra biológica entre a União Soviética e a China (malditos comunistas!), porém ainda sem testá-la, sobrevive a um acidente de helicóptero (onde deveria ter morrido, já que o mesmo se espatifou no chão e explodiu, mas ele é o Ben-Hur, Moisés, George Taylor, né, então…) e injeta a vacina em si antes que seja infectado pelo vírus que abateu o piloto da aeronave. Com isso, Neville cria anticorpos e torna-se imune a pandemia global, sendo o único sobrevivente de uma Los Angeles vazia.

Durante o dia, ele passa seu tempo tentando desenvolver uma cura, descobrir o covil da Família, conseguir gasolina, assistir no cinema Woodstock repetidas vezes e “fazer compras” na cidade. Durante a noite, ele precisa lutar por sua vida, quando o bando fundamentalista-albino-mutante liderado por Matthias (Anthony Zerbe) tenta destrui-lo com tochas e catapultas, e para relaxar, às vezes joga xadrez com um manequim que usa quepe e frita linguiças (que não estragou após dois anos, assim como o famoso bacon de Eu Sou A Lenda que não estragou depois de três).

Charlton Heston badass!

Charlton Heston badass!

Com todo respeito, Heston não chega aos pés de Vincent Price. Enquanto a atuação do mestre é contida e ao mesmo tempo, carregada de enorme carga dramática enquanto aos poucos ele vai perdendo a sanidade, devido a solidão, ao confinamento e ao desespero, o sobrevivente de Heston é um caricato republicano machão, atlético, herói de uma nação, invencível com sua metralhadora, que dispara tanto quanto suas piadinhas sarcásticas e autoconfiança exacerbada. E essa é a tônica do filme na verdade. Um sci-fi de ação que esquece o lado claustrofóbico e vampiresco da trama do filme anterior e do livro, substituindo por socos, pontapés, escapadas e conotações racistas e xenofóbicas subliminares.

E ainda acentuando mais o clima de escracho, quando Neville descobre que não está sozinho, ele encontra um grupo liderado por Lisa, uma heroína que parece ter saído diretamente de um filme blaxsploitation, que não demora muito a cair nos encantos de Heston com seu grande sorriso de cavalo esbranquiçado. Algumas das cenas entre os dois (e também alguns diálogos) e as sequências de ação do filme, são das mais piegas possíveis, com a surtada trilha sonora que mistura jazz com funk music setentista, provocando muito mais o riso do que qualquer outro tipo de sensação.

A direção de Boris Sagal, mais famoso por dirigir filmes para TV, também deixa muita a desejar, sem ousar nem um pouco, parecendo que você está assistindo um loop contínuo, com os personagens passando exatamente pelas mesmas situações durante todos os 98 minutos do filme. Muito disso por conta do desenrolar do roteiro escrito a quatro mãos, pelo casal John e Joyce Corrington, que poderia explorar os diversos meandros e características psicológicas e sociais que um filme desse porte poderia conter, ainda mais introduzindo o elemento da Família, seres racionais e dotados de uma forte doutrina ludita e teocrática, que acabaram substituindo os simples, porém eficazes vampiros/ zumbis do livro.

Para quem gosta de Os Simpsons, um dos episódios da Casa da Árvore dos Horrores, o famoso especial de Halloween, chamado The HΩmega Man, é exatamente uma paródia de A Última Esperança da Terra, quando Homer sobrevive a um cataclismo nuclear, devido a um entrevero entre Springfield e a França, escondendo-se em um abrigo antibomba, e ao sair, é o único homem vivo, sendo perseguido pelos mutantes, composto pelo resto da população de cidade. Ao chegar na sua antiga casa, encontra a sua família viva graças as imensas camadas de chumbo contidas na tinta que os protegeu da radiação. A cena de Homer dançando pelado na igreja cantando War de Edwin Star é impagável. Dá para ver online aqui.

Mundo dos amaldiçoados

Mundo dos amaldiçoados

Serviço de utilidade pública:

O DVD de A Última Esperança da Terra não foi lançado no Brasil.

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

4 Comentários

  1. […] ganhou outra adaptação na década de 70, estrelado por Charlton Helston, que ganhou o título de A Última Esperança da Terra. Também um […]

  2. […] pegada aqui é mais uma cópia deslavada de A Última Esperança da Terra (aquele do Charlton Helston baseado no livro famoso Eu Sou a Lenda de Richard Matheson). Um cometa […]

  3. Julimar Araújo de Freitas disse:

    Mais uma vez Charlton Heston!

  4. Edielson disse:

    Olha, esse filme não é de fato nenhuma maravilha, mas parece que o autor da crítica faz parte de algum desdobramento moderno da “Família”, chamado atualmente de “Histeria Social Anacrônica”, onde um filme de 71 é julgado e condenado através de avaliações “Politicamente Corretas, Progressistas e Inclusivas” dos anos 2000 pra cá, desconsiderado-se completamente que os desvios propositais de alguns temas do livro se dão justamente para enfatizar o contexto e o clima vividos na época da produção. E me desculpe, mas Vincent Price não fez melhor que Heston em “Mortos que Matam”, talvez até por desânimo em trabalhar com atores tão ruins, sei lá. A atuação geral naquele filme é pior que apresentação de teatro infantil do pré-primário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: