258 – O Ventre Negro da Tarântula (1971)

locandina1

La tarantola dal ventre nero / The Black Belly of the Tarantula 

1971 / Itália, França / 89 min / Direção: Paolo Cavara / Roteiro: Lucile Laks, Marcello Danon (história) / Produção: Marcello Danon / Elenco: Giancarlo Giannini, Claudine Auger, Barbara Bouchet, Rossella Falk, Silvano Tranquilli

 

Se você assiste a um giallo em toda sua vida, é praticamente como se já tivesse assistido a todos. Desde o começo do filme até o final, você já tem ideia do que irá acontecer praticamente o filme todo: mulheres sendo mortas de formas sádicas e cruéis, personagens dúbios, muita sacanagem, investigações policiais inconclusivas, vítimas e suspeitos morrendo pouco antes de revelarem algo importante e claro, as estrambólicas reviravoltas no final.

E O Ventre Negro da Tarântula não escapa dessa fórmula padrão em nenhum momento dos seus 89 minutos de projeção. Não que isso desmereça o filme. Essa produção ítalo-espanhola do diretor Paolo Cavara é um dos melhores exemplares deste subgênero, que fez tanto sucesso, e foi repetido à exaustão, durante os prolíficos anos 70 na Itália.

Cavara, tal qual Dario Argento e Sergio Martino, dadas suas devidas proporções, preocupa-se em demasia com a estética e a técnica de filmagem, sempre tentando explorar closes, planos e ângulos inusitados, às vezes até aleatórios demais, para contar sua história de mistério. As mortes são extremas e muito bem executadas, com enormes requintes de crueldade e prazer, onde um assassino usando luvas, capote e chapéu (afinal, é um giallo, esqueceu?) paralisa suas vítimas mulheres com uma agulha de acupuntura espetada em sua coluna cervical, para que ainda completamente consciente do que está acontecendo, seja estripada viva pelo malfeitor. Mortes inspiradas na vespa, inseto que pode paralisar a tarântula com seu veneno e botar seus ovos no ventre do aracnídeo, que é devorado vivo por dentro quando as larvas eclodem. Mãe natureza é pior que qualquer filme de terror!

A primeira vítima deste terrível assassino é Maria Zani (Barbara Bouchet), uma bela loira promíscua e adúltera, que logo na primeira cena do filme, está peladinha recebendo massagem de um rapaz cego em um SPA, onde se passará momentos importantes da trama e terá uma ligação com todas as demais vítimas. O inspetor Tellini (vivido por um jovem Giancarlo Giannini, que você deve conhecer mais por seu papel em Hannibal ou Cassino Royale), sujeito meio fracassado e incapaz, que está longe daqueles detetives perspicazes das típicas tramas whodunit?, é encarregado da investigação, e logo começa a suspeitar do ex-marido de Maria, Paolo Zani (Silvano Tranaquilli), possesso de ciúmes e que vinha sendo chantageado com fotos da esposa pulando a cerca.

Dona aranha subiu pela parede...

Dona aranha subiu pela parede…

Logo em seguida, Mirta Ricci (Annabella Incontrera) uma dona de butique de peles, que também é traficante de drogas nas horas vagas, é a segunda vítima, morta da mesma maneira. Percebendo a conexão entre os crimes, Tellini começa a juntar os pontos enquanto Zani, agora um fugitivo, contrata um caricato detetive particular conhecido como Catapulta e financia sua própria investigação paralela para descobrir quem era o rapaz da foto que lhe foi enviada, e assim tirar o seu da reta. É a partir daí que o filme dá uma derrapada gigantesca, com uma reviravolta bisonha atrás da outra, só conseguindo voltar ao seu rumo no terceiro ato.

Tellini persegue Zani e Mario, o fotógrafo amante de sua esposa, e após os dois morrerem (Paolo, ou melhor, o bonecão do Paolo, cai do topo de um prédio durante a perseguição e Mario é atropelado por alguém que tem algo a esconder), descobre que Mario tinha uma encomenda para Franca Valentino (Rossella Falk), e assim o inspetor conclui que ele na verdade era um chantageador. É ou não é uma confusão dos diabos completamente desnecessária? E pior ainda, que essa subtrama acaba aí, da forma tão abrupta quanto começou, mas os assassinatos continuam, sendo que Franca é a próxima vítima, seguida pela massagista Jenny (Barbara Bach) e a gerente Laura (Claudine Auger), do SPA onde todas as outras mulheres assassinadas frequentavam.

E quando você menos espera: BLAM, eis que o assassino é revelado, quando tenta assassinar Anna (Stefania Sandrelli), a esposa de Tellini. Neste momento, nos é jogado na cara que o roteiro de O Ventre Negro da Tarântula tem mais buracos que um queijo suíço e a explicação para aquela tal pessoa estar cometendo os crimes, e ser quem nós NUNCA imaginaríamos, é das mais precárias e apressadas. Apesar de beleza das atrizes no filme, entre elas três Bond girls, Barbara Bouchet (Cassino Royale original), Barbara Bach (007 – O Espião que me Amava) e Claudine Auger (007 Contra a Chantagem Atômica), e de se tratar de um filme italiano, onde esperamos uma bela apreciação do corpo nu feminino, Cavara é extremamente contido e até tímido neste aspecto, tirando o passeio visual pelo corpo nu de Bouchet sendo massageado nos créditos iniciais. Outro ponto que deixa a desejar é a trilha sonora de Ennio Morricone, que também não acrescenta absolutamente nada em termos musicais, bem diferentes de outras trilhas contundentes que já havia criado até mesmo dentro do próprio gênero.

O Ventre Negro da Tarântula é um bom giallo, honesto no que se pretende transmitir. Passa longe da Trilogia dos Animais de Argento, ou mesmo de sua obra prima, Prelúdio Para Matar, mas segue à risca os passos ensinados por Mario Bava em Seis Mulheres Para o Assassino e ajuda a expandir essa mitologia e enraizar os paradigmas dessa vertente do cinema de terror italiano, tão adorada pelos fãs do suspense e mistério.

Facada no fígado!

Facada no fígado!

Serviço de utilidade pública:

Compre o DVD de O Ventre Negro da Tarântula aqui.

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

5 Comentários

  1. Pedro Galvão disse:

    1951? haha

  2. Paulo Hernique disse:

    Esse filme não é de 1971? rsrsrs Vou avisar o suporte técnico em relação à essa data aí!
    Ótimo artigo!
    Parabéns pelo blog!!!

  3. Cara, sinceramente, eu acho que o blog me ajudou a delimitar meu TCC do curso de História. Será algo na linha do cinema de horror italiano dos anos 70… se rolar, certamente citarei o blog como fonte. : )

    • Poxa que bacana, Raphael. Fico mega feliz que o blog possa ter ajudado você nessa escolha. Precisando de qualquer coisa, pode contar comigo. Estou à disposição.

      Abs

      Marcos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: