262 – Blacula, o Vampiro Negro (1972)

tumblr_m21sg184XK1rr0cpgo1_500

Blacula

 1972 / EUA / 93 min / Direção: William Crain / Roteiro: Joan Torres, Raymond Koenig / Produção: Joseph T. Naar; Samuel Z. Arkoff (Produtor Executivo) / Elenco: William Marshall, Vonetta McGee, Denise Nicholas, Thalmus Rasulala, Gordon Pinset, Charles Macaulay

 

A explosão do blaxploitation, movimento cinematográfico norte-americano, protagonizado e realizado por atores e diretores negros, visando como público alvo os afro-americanos, gerou inúmeros personagens negros icônicos, como John Shaft de Richard Roundtree e Coffy de Pam Grier. Para os fãs do horror, o blaxploitation nos trouxe Blacula, O Vampiro Negro.

E o mais interessante deste filme, é que longe de ser um dos maiores filmes de horror da década, e também longe apenas de pegar onda na crescente visibilidade do mercado consumidor cultural negro americano, Blacula não é apenas uma espécie de Drácula negro e ponto final. É todo um conceito que bebe da fonte do vampiro mais famoso de todos os tempos, mas com toques inigualáveis, atualizados para a audiência dos anos 70, resultando em uma fita interessantíssima dirigida por William Craim para a lendária American International Pictures de Samuel Z. Arkoff.

Claro que o tom é cômico e de paródia, mas há também elementos muito característico do cinema de horror contemporâneo, como por exemplo a epidemia de vampiros que o monstro começa a espalhar pelas ruas de Los Angeles. Além do mais, até então neste exato ponto histórico, tudo que havíamos visto sobre vampiros no cinema, eram suas representações góticas em castelos medievais ladeados de cemitérios, andando em suas carruagens dirigidas por seus cocheiros carniçais, enquanto eram temidos por aldeões e perseguidos por suas tochas e forcados, ao melhor estilo do estúdio inglês Hammer. Nunca a mitologia do chupador de sangue, quer ele seja caucasiano, negro, indígena ou oriental, foi trazida para o Século XX, e jogada na efervescente América dos anos 70 pós-Vietnã e cercada de movimentos de contra cultura, incluindo aí grupos de resistência como Os Panteras.

blacula-2

Você será Blacula.

Blacula foi o responsável por esse ineditismo, contando a história do Príncipe Mamuwalde (William Marshall), que sai do continente negro acompanhado de sua esposa, Luva (Vonetta McGee), para negociar diretamente com o Conde Drácula (Charles Macaulay) na Transilvânia, o fim do comércio escravo. Insultado com o ultraje e petulância de Mamuwalde, Drácula amaldiçoa-o transformando em um vampiro e aprisionando-o em um caixão por toda eternidade, enquanto mata o grande amor de sua vida. Sensacional quando Drácula roga a praga contra Mamuwalde e diz: “Eu o amaldiçoo com meu nome, você será Blacula”.

Depois de uma abertura aos melhores moldes da AIP tocando um sensacional funk composto por Gene Page (arranjador da maioria dos hits de Barry White), passam-se 200 anos e Mamuwlade é libertado de seu sono secular após ser encontrado por um casal homossexual, Bobby McCoy (Ted Harris) e Billy Schaffer (Rick Metzler) que fora até a Trânsilvania adquirir a antiga propriedade do conde a fim de trazer suas antiguidades para vende-las na América. Livre do seu cárcere e sedento por sangue, Blacula irá começar a morder jugulares à torto e a direito, e dar início a um verdadeiro contágio vampírico, que irá chamar a atenção das autoridades.

Entre eles, o naipe Dr. Gordon Thomas (Thalmus Rasulala), perito criminal com suas estilosas golas rolês e bigode, e o tenente Jack Peters (Gordon Pinset), detentores de uma dinâmica à lá Maquina Mortífera, só que às avessas, que começaram a investigar os misteriosos assassinatos (todos eles com os famosos dois furos no pescoço) e subsequentes desaparecimentos dos cadáveres. Acontece que a trama vai engrossar quando Mamuwalde descobre que Tina, irmã de Michelle (Denise Nicholas), namorada e assistente do Dr. Thomas, é a reencarnação de Luva (papel duplo de McGee), e vai querer recuperar o amor, e o tempo perdido.

Vampiros afros

Vampiros afros

Inevitavelmente, Tina irá cair de encanto pelos poderes hipnóticos de Mamuwalde, completamente ambientado aos excêntricos anos 70 e até frequentando baladinhas da época, mesmo ele vestindo aquela cafona capa preta suja e gasta, e caberá ao nosso herói Dr. Thomas e os demais, impedir que ela se transforme na amante imortal do vampiro negro, e ao mesmo tempo, impedir que a contagem de cadáveres, que vai de taxistas, fotógrafos até policiais, aumente em Los Angeles.

Mas o auge da fita é a transformação de Mamuwalde na temida criatura das trevas, onde não basta apenas surgirem as enormes presas em sua boca. Ao assumir a identidade vampírica, ele também ganha tufos a mais de cabelos, barbas e sobrancelhas, ficando mais próximo do lobisomem do que do morto-vivo em si. E todos aqueles transformados em vampiros por Mamuwalde, acabam ganhando uma tosca coloração de pele ou verde ou azul, cortesia de Fred B. Phillips, que está ali para lembrar constantemente que o filme não se trata de um horror puro-sangue, mas sim de uma caricata obra cômica estereotipada, elementos característicos presentes no cinema blaxploitation.

Mas o que torna Blacula, O Vampiro Negro um cult colocado acima dos demais exemplares do gênero na época, além de sua popularidade, é o fato de Mamuwalde não ser um cruel vilão sem alma. Na verdade ele é um pobre coitado, amaldiçoado por uma preconceituosa força superiora, encarnada por Drácula, mas simbolizada pelo homem branco racista, e na verdade precisa matar para poder se alimentar, lutar para sobreviver, uma espécie de luta racial sobrenatural, sendo que a hegemonia branca que de fato o vê como uma monstro. E não podemos deixar de levar em consideração o fato de que o solitário sanguessuga só quer reencontrar o amor de sua vida e ficar em paz, o que também trará conotações extremamente trágicas no desenrolar final do filme.

Príncipe Mamwalde retorna dos mortos

Príncipe Mamuwalde retorna dos mortos

Assista ao episódio do videocast do 101 Horror Movies comentando Blacula, o Vampiro Negro:

Serviço de utilidade pública:

O DVD de Blacula, o Vampiro Negro não foi lançado no Brasil.

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

4 Comentários

  1. […] aquele com Bela Lugosi, que se passa na Londres vitoriana, no Século XIX). E basicamente tirando Blacula – O Vampiro Negro, lançado mais cedo no mesmo ano, onde um vampiro aterroriza as ruas de Los Angeles nos anos 70, […]

  2. […] sequência não possui o mesmo charme do primeiro filme Blácula, o Vampiro Negro, mas é uma continuação bem decente. Alguns elementos já conhecidos do primeiro filme aqui são […]

  3. […] Leia a minha resenha sobre Blacula, o Vampiro Negro aqui. […]

Deixe uma resposta para TOPE NOVE – Negros mais fodões do cinema de terror | 101 horror movies Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: