263 – Blood Freak (1972)

300px-Blood_Freak_poster

1972 / EUA / 86 min / Direção: Brad F. Grinter, Steve Hawkes / Roteiro: Brad F. Grinter, Steve Hawkes / Produção: Brad F. Grinter, Steve Hawkes / Elenco: Steve Hawkes, Dana Cullivan, Heather Hughes, Bob Currier, Anne Shearin, Brad F. Grinter

 

Sabe aquela fatídica lista dos piores filmes já feitos em todos os tempos? Com certeza, Blood Freak merece um lugar de alto destaque nesse hall da infâmia. Sei que já assisti e escrevi sobre muita bomba nesse meu curto espaço de tempo em que mantenho o blog, mas este filme aqui, retrato falado da cultura grindhouse dos anos 70, é uma porcaria imensurável.

Mas daquele nível de Manos: The Hands of Fate. Que você assiste incrédulo a tamanha podreira, sentindo-se o cabra mais corajoso da face da Terra ao encarar uma trasheira dessas, mesmo que tenha apenas 88 minutos de duração. E não é daqueles filmes que de tão ruim acaba sendo bom, não. É tão ruim que acaba sendo pior! Mas claro que isso não deixa de tornar a fita divertidíssima por conta das suas bizarrices, atuações precárias, técnica quase nula e amadorismo em todos os elementos que compõe uma produção cinematográfica. É o tipo de coisa que você pensa que nunca verá num tela, e é pego de surpresa por essa atrocidade.

A trama em si já é de uma insanidade sem tamanho. Projeto completamente pessoal de Steve Hawkes e Brad F. Grinter, que dirigem, escrevem, produzem e atuam nessa pérola trash, e tiveram que tirar grana do próprio bolso para terminar o filme, depois que os responsáveis pelo financiamento resolveram pular fora, prevendo a bomba que viria. Até o próprio Steve Hawkes diz que Blood Freak foi “um triste capítulo de minha vida”. Não devendo se levar a sério desde o começo, a película acompanha Herschell (vivido por Hawkes), um motoqueiro aparentemente careta, (nome dado em homenagem ao pai do gore Herschell Gordon Lewis),que  conhece a bela e casta Angel na estrada, que o convida para conhecer sua casa.

Glu glu glu

Glu glu glu

Lá, está rolando uma baita de uma festa hippie regada a maconha, LSD, ópio, cocaína, e todo tipo de droga que uma festinha deste tipo nos anos 70 era capaz de proporcionar. Herschell evita a tentação e prefere o papo carola de Angel, do que sua espevitada irmã Ann, que de qualquer forma quer levar o sujeito para a cama e para o caminho das drogas. Para isso, ela secretamente convence Herschell, que fora empregado pelo pai de ambas para trabalhar em sua fazenda de perus, a dar um peguinha no cigarro de maconha dela, sem saber que o beque está batizando com uma grande quantidade de LSD.

Só que também não era conhecimento de Ann que o motoqueiro é um ex-viciado em morfina. E nesse ínterim, já trabalhando na fazendo do pai delas, ele conhece dois cientistas (???!!!) que o convence a se tornar cobaia de um experimento, onde Herschell deveria comer carne de peru quimicamente alterada. O que eles não imaginavam era a reação poderosa que aquela carne, misturado com os efeitos latentes da droga em seu corpo, o transformaria em uma criatura mutante com cabeça de peru (!!!!!) sedenta pelo sangue de viciados.

E o filme é isso. Veremos Hawkes no papel de Herschell, vestindo uma máscara que parece o Garibaldo de Vila Sésamo doido de crack, feita de papel machê, vagando pela noite em busca de suas vítimas, pendurando-as de cabeça para baixo, bebericando do sangue dos hippies doidões com seu bico de espuma. Mas não espere por cenas violentas não, pois a edição é um dos pontos mais fracos do filme (se é que temos algum ponto forte…), com cortes abruptos que atrapalham a fluidez da cena da forma mais amadora possível, do tipo: o peru mutante chega com uma faca/ corte de cena/ a faca já está cortando a pessoa e o sangue falso jorrando. E sem contar sempre o mesmo grito em looping das garotas desesperadas, que parece mais uma freada de carro! Já um momento a se destacar (entenda isso como quiser), é quando o monstrengo corta fora a perna de um traficante em uma mesa de serra (que foi interpretado por um amputado de verdade, para dar mais, digamos, veracidade à cena!!!). É impagável.

Amputação de um perneta

Amputação de um perneta

AVISO DE SPOILER: Pule para o próximo parágrafo ou leia por sua conta e risco. No final, na saída mais safada e miserável que o cinema poderia apresentar, Herschell não se transformou em um peru mutante sedento por sangue coisa nenhuma, e era na verdade somente efeito de uma alucinação pesada do ácido, misturado com o efeito reverso da carne quimicamente alterada da carne nobre que ele comeu. Ou seja, era apenas um cold turkey, e não ele se transformando em um “turkey”! Tá, essa foi uma das piores piadas que já fiz na vida! Herschell vai para o detox, auxiliado por Angel e seu pai, puto da vida de ter sido feito de idiota por Ann, mas depois a desculpa e fica com a garota em um final feliz dos mais meia boca possíveis. O que fica mesmo é a mensagem antidrogas do filme, que vá lá, não funciona muito bem também.

Como se não bastasse, os atores, se é que pode chamá-los assim, faziam parte da turma de atuação de Brad F. Grinter (deveriam ser reprovados sumariamente), que também “atua” no filme como o narrador, aparecendo em momentos chaves do enredo, passando uma mensagem cristã e contra as drogas, enquanto dá uma tragada e outra em seu cigarrinho e tossindo cronicamente. Pastiche com toda certeza.

Blood Freak é tão ruim quanto tudo isso que você acabara de ler. A direção é completamente amadora, com uma edição péssima, sem qualquer técnica de captação de áudio decente (o filme é mono, e muitas das vezes quase não dá para ouvir os diálogos) e nem tente enxergar alguma coisa direito nas cenas gravadas à noite, quando o peru mutante está caçando. Mas ainda assim, merece ser visto, e é recomendado para todos aqueles que gostam de uma podreira camp, e duvidam o quão tosco um filme pode ser. Nestes quesitos, cumpre seu papel com louvor.

Cold turkey

Cold turkey

Assista ao episódio do videocast do 101 Horror Movies comentando Blood Freak:

Serviço de utilidade pública:

O DVD de Blood Freak não foi lançado no Brasil.

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. […] uma dezena de filmes de Roger Corman, ou mesmo bombas homéricas como Plano 9 do Espaço Sideral, Blood Freak e Manos: The Hands of Fate, Children… se sai muito bem. Principalmente no quesito: maquiagem […]

  2. MACELO disse:

    AGRADEÇO EU JA TO NO TORRENT PONDO MEU PC PARA FICA LIGADÃO A NOITE TODA PARA BAIXA BLOOD FREAK. EU GOSTO DE FILME ANTIGO DA GOSTO DE ASSISTIR

  3. […] exponencialmente piores que Palhaços Assassino… Ruindades como Manos: The Hands of Fate, Blood Freak, Robot Monster, O Ataque Vem do Polo e essas tranqueiras feitas pela Asylum Productions direto para […]

  4. […] Leia a minha resenha sobre Blood Freak aqui. […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: