265 – O Circo dos Vampiros (1972)

 vampire_circus_xlg

Vampire Circus

1972 / Reino Unido / 87 min / Direção: Robert Young / Roteiro: Judson Kinberg, George Baxt e Wilbur Stark (história – não creditados) / Produção: Wilbur Stark, Michael Carreras (Produtor Executivo – não creditado) / Elenco: Adrienne Corri, Thorley Walters, Anthony Higgins, John-Moulder Brown, Laurence Payne, Robert Tayman

 

O Circo dos Vampiros é mais uma das bobagens da Hammer em sua pior fase. Apesar de ser um dos filmes mais exóticos do outrora prolífico estúdio inglês, e não economizar no sangue, mortes violentas e erotismo, não há muito mais que justifique a fita.

A ideia de um circo de bizarrices é sempre algo que rende em filmes de terror, ainda mais se misturado a elementos sinistros. Acho que é algo que não orna muito com vampirismo, mas até que o roteiro tenta passar uma premissa bacana, se não fosse tão afetado pela já falta de dinheiro da Casa do Horror.

E até que O Circo dos Vampiros apresenta alguns elementos interessantes como a selvageria feérica de transmorfos que se tornam panteras e macacos; a dilaceração de aldeões e cenas de cabeças sendo arrancadas nos momentos gore; a dança exótica de uma mulher tigre, toda nua e apenas com o corpo pintado; os acrobatas voadores que parecem se materializar em cena, vindos de um delírio lisérgico; e a morte e vampirização de crianças, um tema sempre chocante e controverso. Mas peca muito por sua execução no decorrer da obra.

Doação de sangue

Doação de sangue

No Século XIX, o Conde Mitterhaus (Robert Tayman) é um daqueles famosos e clichês vampiros aristocráticos que toca o terror em um vilarejo dominado por camponeses supersticiosos. Um levante contra o morto-vivo acontece quando o Conde, auxiliado por Ann Mueller (Domini Blythe), esposa do Prof. Albert Mueller (Laurence Payne), agora transformada em concubina das trevas, sequestra uma criança para servir de almoço para o vampiro. E lá vão os aldeões com suas tochas e forcados, encurralando o vampiro e matando-o em seu castelo, não antes dele proferir uma maldição de que todas as crianças do vilarejo irão sucumbir para que ele volte à vida e ordenar que Ann encontre seu primo, Emil, para que ele possa vingá-lo.

Quinze anos mais tarde, a aldeia é assolada pela Peste Negra, enquanto os moradores colocam a culpa nas forças das trevas e na maldição do Conde. O médico, sempre racional, Dr. Kersch (Richard Owens) resolve atravessar um bloqueio imposto pelo vilarejo vizinho, para também não serem expostos à praga, em busca de remédios e ajuda. Com o auxílio de seu filho, Anton (John Moulder-Brown) ele consegue escapar. Enquanto isso, uma trupe circense chega até o vilarejo, promovendo seus espetáculos de encher os olhos e encantar os sofridos moradores.

Até que aos poucos, os sinistros membros do Circo da Noite, revelam-se estar às ordens de Emil (o tal homem pantera) e de uma misteriosa cigana, que na verdade, é Ann disfarçada. Aos poucos, os responsáveis por destruir o Conde Mitterhaus vão sendo assassinados um a um, assim como as crianças do vilarejo, cumprindo a profecia do vampiro-mor, esperando apenas o momento em que o sangue deles faça o chupador de jugulares voltar à vida.

Essa mulher é uma fera!

Essa mulher é uma fera!

Cabe mais uma vez ao Prof. Mueller, Dr. Kersh (que voltou são e salvo ao vilarejo com suprimentos médicos) e seu filho Anton, tentarem impedir a ressurreição do Conde e acabar com as atrocidades que o circo vinha cometendo, e mais que isso, impedir que a bela e inocente Dora Mueller (Lynne Frederick), filha do Prof., seja morta e seu sangue usado para que o ritual macabro tenha efeito.

O longa traz uma coleção de personagens excêntricos, como todo bom filme que retrate um ambiente circense que se preze. Entre os destaques, fica o fortão interpretado por David Prowse, que mais tarde viria a vestir a ameaçadora roupa de Darth Vader na trilogia original de Star Wars. Nenhuma atuação é digna de nota. E falta carisma à produção, que passa longe dos outros filmes clássicos de vampiro do estúdio. Nenhum dos mortos-vivos com seus cabelos desgrenhados e jeitão cafona conseguem criar empatia com o público e muito menos convencer como terríveis sanguessugas.

O Circo dos Vampiros é um filme série B da Hammer, com seu orçamento curto e técnica a desejar. Funciona somente pelas cenas de violência, ao estilo da época, e abuso de nudez e sensualidade para os padrões do estúdio inglês. Chegou a ser lançado no Brasil pelo selo Dark Side, da Works Editora, e quando exibido nos cinemas no ano de 1973, ganhou o título de O Vampiro e A Cigana. Vale dar uma conferida despretensiosa.

Luxúria de vampiros

Morte para um vampiro

Serviço de utilidade pública:

O DVD de O Circo dos Vampiros está atualmente fora de catálogo.

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. AxeFromHell disse:

    Link fora do ar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: