269 – Expresso do Horror (1972)

horror_express

Horror Express

1972 / Reino Unido, Espanha / 90 min / Direção: Eugenio Martín / Roteiro: Arnaud d’Usseau, Julian Halevy / Produção: Bernard Gordon, Gregorio Sacristán (Produtor Associado) / Elenco: Christopher Lee, Peter Cushing, Telly Savalas, Alberto de Mendoza, Silvia Tortosa

Expresso do Horror é um daqueles filmes canastríssimos que se tornam adorados e cultuados por diversos fatores. Primeiro por ter a presença da dupla Christopher Lee e Peter Cushing, que só por isso já vale o ingresso. Segundo por ter participação especial de Telly Savalas, o eterno Kojak, como um cossaco chamado Capitão Kazan! Terceiro por ter um monge russo que se revela um traíra satanista. Quarto por conta de um roteiro maluco, cheio de algumas baboseiras homéricas, mas que se mostra divertidíssimo. E quinto e último, foi exibido à exaustão nas noites da TV aberta, na rede Bandeirantes, durante a década de 80 e 90.

O saudosismo impera quando se assiste Expresso do Horror, principalmente em mim. Lembro-me de criança assistindo a uma dessas infindáveis reprises na televisão. Claro que com o tempo o filme entrou na memória porém com enormes lacunas, e sempre meu primo me falava dessa fita e eu tinha apenas vagas lembranças. Depois mais tarde, em meados dos anos 2000 eu encontrei o VHS de Expresso do Horror (antes de ser lançado em DVD pelo selo Dark Side, da Works Editora) na 2001 Video, e o aluguei para fazer uma sessão nostalgia e assistir de novo.

Outro elemento saudosista que o torna tão especial para mim são as questões familiares. Meus avós por parte de mãe vieram do Leste Europeu, mais precisamente da Ucrânia (meu avô) e da Romênia (minha avó), então eles eram cristão ortodoxos. Pois bem, quando garoto eu e minha família, em alguns domingos específicos, íamos na Igreja Russa Ortodoxa que fica na Vila Alpina, aqui em São Paulo, e o padre russo era I-DÊN-TI-CO ao tal monge maluco que aparece nesse filme. Tá, na verdade quase todos os padres ortodoxos são iguais, barba grande, bata preta, feição sisuda e sinistra, etc, etc. Mas era muito legal fazer essa comparação.

Dona flor e seus dois maridos

Dona flor e seus dois maridos

Enfim, devaneios a parte, a trama da história começa em 1906, quando uma expedição arqueológica chefiada pelo Prof. Sir Alexander Saxton (Lee) na Manchúria, encontra congelado o que parece ser o fóssil do elo perdido entre o homem e o macaco. Ao tomar o expresso transiberiano com o espécime antropológico, o Prof. Saxton mal imagina o pesadelo que dará início, pois a criatura acaba escapando dentro do confinado trem e começa a fazer suas vítimas.

Com a ajuda do Dr. Wells (Cushing) e do inspetor Mirov (Julio Peña), eles precisam investigar o sumiço do fóssil e a estranha causa das mortes, já que todas as vítimas são encontradas com sinistros olhos esbranquiçados. Daí por diante começa as presepadas do roteiro (como se isso não fosse o bastante até então). Aos poucos, os dois intrépidos heróis vão descobrindo que na verdade o que habitava o espécime era uma entidade alienígena, que visitou nosso planeta há milhões de anos e ficou presa naquele primata. E entre seus incríveis poderes, está a capacidade de absorver pensamentos, memórias e aptidões de suas vítimas (desde assobiar uma canção irritante até conhecimentos de engenharia e física) e apoderar-se das pessoas, criando cópias perfeitas, mais ou menos como John Carpenter faria dez anos depois em O Enigma de Outro Mundo, utilizando seus malignos olhos brilhantes vermelhos para fazer essa transferência corpórea. O mais legal de tudo isso é como eles descobrem essas coisas: primeiro através de uma autópsia praticada pelo Dr. Wells, onde ao abrir a caixa craniana da vítima, eles constatam que não há ranhura em seus cérebros, estão lisos como bundinhas de bebê, e pois isso, concluem que todas as memórias foram apagadas (!!!!).

Depois, quando finalmente o fóssil é pego e morto (não antes da entidade ser transferida para o inspetor Mirov, que passa boa parte do filme como o vilão), ao estudar o olho do primata em um microscópio, os cientistas veem todas as lembranças anteriores da entidade gravadas em sua retina. Não, você não leu errado. Eles veem através do microscópio, através do olho da criatura, tudo que ele já viu na vida, incluindo desde o inspetor, sua última visão, até dinossauros e a terra vista de cima, daí a conclusão dele ser um alienígena. Não é simplesmente o máximo?

Padre Russo lá da VIla Alpina

Padre Russo lá da Vila Alpina

Como se não bastasse, o monge russo, que mais parece o Inri Cristo mais novo, de uma hora para outra resolve virar seguidor de satã (achando que o intruso não é de outro planeta, e sim das profundezas do inferno) e ainda tem a presença do arrogante Capitão Kazan (Savalas), que sobe no trem junto com seus cossacos para colocar ordem na situação, desfilando frases e atitudes completamente escrachadas, graças a sua presença caricata. Ah, isso sem contar o trem de brinquedo que é mostrado toda hora nas cenas externas, sem o menor pudor de tentar usar algum truque de câmera para parecer mais real.

Por fim, o exército junto com o Capitão Kazan toma o trem e começa o massacre final, quando a entidade se apodera do padre russo e começa a transformar a todos, inclusive Kazan, em seres autômatos de olhos brancos, possuídos pela sua força telepática, que ressuscitam como zumbis para aterrorizar o expresso. É um desfile de besteiras que vai tornando o filme cada vez mais divertido, sem nunca realmente ter tentado se levar a sério, e isso que o faz ganhar muitos pontos. E a dupla Lee/ Cushing está afiadíssima, com diálogos brilhantes, ambos em grandes interpretações, começando como inimigos e depois tornando-se aliados contra o mal comum. Sem dúvida nenhuma, o ponto alto da atuação dos dois é quando o inspetor (já possuído pelo alien) pergunta a eles: “E se um de vocês for o monstro?”, e Cushing responde perplexo: “Monstro? Nós somos britânicos!”. Impagável.

Ou seja, desligue o botão da caretice e veja (ou reveja) Expresso do Horror que tenho certeza que será uma experiência incrível.

Graaaaaande Kojak

Graaaaaande Kojak

Assista ao episódio do videocast do 101 Horror Movies comentando Expresso do Horror:

Serviço de utilidade pública: O DVD de O Expresso de Horror está atualmente fora de catálogo.

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. Cross (Clausner) disse:

    “dinossauros e a terra vista de cima” através do microscópio!! Absurdo, corajoso e inesquecível.

  2. […] Leia a minha resenha sobre Expresso do Horror aqui. […]

  3. […] revi Re-Animator – A Hora dos Mortos-Vivos, O Despertar dos Mortos, Demons – Filhos das Trevas, O Expresso do Horror, A Volta dos Mortos-Vivos, Quadrilha de Sádicos, entre outros, a maioria dos VHS alugados na 2001 […]

  4. Eduardo disse:

    Apesar deste lance de ET e visão da terra … dinossauros e terra vista de cima … este filme é legal … prende vc a querer ver o final e Lee esta muito bem como o burguês inglês …

  5. Cthulhu disse:

    Esse filme é simplesmente péssimo, mas por alguma rasão eu adoro ele…

    Quanto a semelhança entre este e “O Enigma de Outro Mundo”, parece que ambos são baseados no livro “Who Goes There” de John Campbell.

  6. Rodrigo 1176 disse:

    Este filme, não era exibido na Band e sim na TVS / Sbt na saudosa sessão das 10, nos anos 80/90

  7. Rodrigo1176 disse:

    Este filme não era exibido na Band,e sim na TVS/Sbt na saudosa sessão das 10, nos anos 80/90

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: