272 – Mundo Canibal (1972)

man_from_deep_river_poster_02

Il paese del sesso selvaggio / The Man from the Deep River 

1972 / Itália / Direção: Umberto Lenzi / Roteiro: Francesco Barilli, Massimo D’Avak / Produção: Ovidio G. Assonitis, Giorgio Carlo Rossi (Produtor Executivo) / Elenco: Ivan Rassimov, Me Me Lai, Prasitak Singhara, Sulallewan Suxantat, Ong Ard, Prapas Chindang

 

Mundo Canibal é a porta de entrada do cinema italiano no famosíssimo ciclo canibal, onde da Terra da Bota, brotaram violentos filmes com essa temática, sempre abusando de tudo que um filme exploitation poderia proporcionar. Aqui, vemos um exemplar ainda bem modesto e comedido que seus irmãos, mas ainda assim, com elementos suficientes para chocar plateias, trazendo, além do controverso tema do canibalismo, estupro coletivo, desmembramento, tortura e claro, crueldade com animais.

Umberto Lenzi, o pai do gênero, que mais tarde iria entregar um dos mais famosos filmes do ciclo, Cannibal Ferox, que sempre compete com Cannibal Holocaust de Ruggero Deodato como o suprassumo do gênero, mostra não ter a menor dó de pessoas e animais, e invoca o pretexto de civilizações perdidas no limiar do mundo, longe de qualquer costume civilizado, que ainda funcionam em sociedades tribais, quase pré-históricas, para contar uma história que tem seus momentos de selvageria e violência, mas que no resultado final, mostra-se um filme dos mais chatos e arrastados, parecendo que você está assistindo a um ensaio exploitation contido de A Lagoa Azul.

Isso porque cá entre nós, se você quer assistir a um filme italiano de canibais, você quer ver barbaridade! Tudo bem que mostre lá umas línguas sendo arrancadas, selvagens comendo uma mãozinha aqui, uma perna acolá enquanto fatiam sua vítima, toda sorte de bicho sendo morto explicitamente na frente das câmeras (cobras, jacarés, bodes e javalis são os preferidos) e crueldade animal na forma de um mangusto tretando com uma naja e dois galos de rinha brigando. Mas no grosso, o filme é uma história de amor cafoníssima ente o homem branco e a garota indígena, com um melodrama piegas forçado, que vai te deixando de saco cheio do filme e torcendo para que ele acabe logo.

A trama à la Um Homem Chamado Cavalo acontece porque o fotógrafo britânico John Bradley (Ivan Rassimov), está na Tailândia fotografando os costumes locais, e após assistir a uma luta de Muay Thai (que me veio logo na hora O Grande Dragão Branco e seu Kumite), se embebeda em um bar e acidentalmente, arruma confusão com um local e acaba esfaqueando-o e assassinando-o. Em fuga, Bradley afasta-se cada vez mais de Bangock e paga um guia para levá-lo rio acima, e aproveitar para tirar fotos da fauna e flora local.

Mal passado

Mal passado

Tudo está numa boa, mesmo com seu guia, Tuan, avisando-o dos perigos de continuar seguindo em frente. Mas mesmo assim, Bradley insiste em voltar depois de apenas mais um dia de exploração, até que ele adormece, e ao acordar, encontra Tuan morto e acaba capturado por uma tribo de nativos, que lhe dão logo o apelido de Homem-Peixe, devido a sua roupa de mergulho e pés de pato. Ele é levado para o povoado, e começa a sofrer o pão que o diabo amassou como cativo da tribo, presenciando os exóticos costumes locais, como o corte da língua de membros de uma tribo canibal capturados, um estupro coletivo quando o esposo de uma das índias morre, isso para demonstrar que ela agora era de todo mundo e claro, a melhor parte, ver todas as nativas peladinhas a torto e a direito tomando banho no riacho.

Acontece que Marayá, a filha do chefe da tribo, Luhaná, começa a se engraçar com Bradley, que terá que passar por uma prova de sobrevivência, sendo alvejado com dardos pontiagudos de zarabatanas e ficar amarrado em uma pedra embaixo de um sol escaldante sem água e sem comida, para mostrar sua força como guerreiro, e poder ter o direito de se casar com a moçoila. A cena em que a noiva escolhe seu pretendente é antológica: ela fica dentro de uma cabana, e os índios enfiam apenas a mão e ficam apertando os seios e o massageando o sexo da índia! Já pensou se essa moda pega? Já Bradley, com seu charme ocidental, ao invés de bulinar Marayá, resolve acariciar e seu braço e entrelaçar seus dedos nos dedos dela. Ah, que romântico.

Bradley é o escolhido, eles se casam, e Marayá fica grávida. O fotógrafo está cada vez mais imerso na cultura primitiva local, praticamente deixando sua vida ocidental de lado, e ao poucos vai interagindo com os costumes do seu novo povo (incluindo correr pelado atrás de Marayá e dar um creu nela em qualquer lugar) e ensinando algumas palavras e costumes civilizados, como, por exemplo, alguns conhecimentos médicos, fazendo uma traqueostomia em um garoto com difteria, que morreria se ficasse apenas na mão dos conhecimentos curandeiros do pajé da tribo.

Marayá adquire uma misteriosa doença durante a gravidez que vai debilitando-a cada vez mais, até deixá-la cega. E depois de toda esse lenga lenga, faltando meia-hora para acabar o filme, finalmente vemos os primeiros canibais fazendo um lanchinho, quando atacam um casal de jovens indígenas. Bradley e um grupo de guerreiros acabam dando uma coça neles, o que vai ser o estopim para uma retaliação, quando a tribo rival invade o povoado para assassinar alguns dos seus e meter fogo em suas ocas, bem quando Marayá está em trabalho de parto e dá a luz ao filho dos dois, para morrer logo em seguida.

Fruto do amor

Fruto do amor

Nesse tempo todo, um helicóptero vira e mexe sobrevoa a aldeia, e Bradley sempre tenta chamá-lo para tentar ser resgatado. Na cena final do filme, o mesmo helicóptero dá um voo rasante e Bradley, como os outros nativos, dessa vez se esconde, aceitando de vez que ali é seu lugar, e onde criará seu filho, os ajudará a reconstruir o vilarejo e provavelmente, será um aliado importante na luta contra a tribo canibal vizinha. E daí o filme acaba.

É um verdadeiro saco de se assistir. Quando termina, você até agradece o final da fita. Na verdade Lenzi sempre deixou claro que o intuito de Mundo Canibal não era realmente focar no canibalismo em si, mas nos costumes exóticos de outras culturas. O interessante é que a chocante combinação da floresta tropical com o canibalismo, nunca havia sido vista antes, e abriu precedente para um boom do gênero que efetivamente ganhou notoriedade com o lançamento de O Último Mundo Canibal de Ruggero Deodato em 1977, e os subsequentes lançamentos, como Os Vivos Serão Devorados, de Lenzi, e Holocaust e Ferox já citados no texto. Até Emanuelle teve suas aventuras sexuais com antropófagos em Emanuelle e os Últimos Canibais de Joe D’amato.

Claro que há diversas cenas de selvageria, brutalidade e gore, que seria marca registrada deste ciclo, e sendo assim, o filme foi alvo de críticas e censura, principalmente no que se diz respeito a violência com animais vivos, e o fez entrar na famosa lista negra dos Nasty Videos, que o DPP britânico (Department of Public Prosecutions) declaravam obscenos, contra a moral e os bons costumes e foi banido na terra da rainha. Anos mais tarde, Mundo Canibal recebeu um simples R do MPAA durante seu lançamento em DVD nos EUA. Aqui no Brasil, até chegou a ser lançado pela Ocean Pictures em sua versão sem cortes.

Pega no peitinho dela...

Pega no peitinho dela…


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. […] (Ivan Rassimov, famoso por atuar em uma penca de filmes de canibais, incluindo aí o pioneiro Mundo Canibal). A dupla matou todas as vítimas anteriores, e ainda assim, deu cabo do marido e emparedou o […]

  2. […] tratando-se de um filme pertencente ao ciclo italiano canibal, que teve seu início com Mundo Canibal de Umberto Lenzi, já sabemos muito bem o que podemos encontrar: cárcere na selva, tribos canibais […]

  3. […] dos Canibais apela para valer e é muito mais brutal que seus predecessores (e já controversos) Mundo Canibal e O Último Mundo dos […]

  4. […] o porque disso? O cineasta Umberto Lenzi, especialista no assunto e diretor de O Mundo Canibal, exatamente o pontapé original do gênero em 1972, consegue trazer um certo frescor colocando na […]

  5. […] o primeiro italiano que resolveu explorar o canibalismo nas telas, em seu filme inaugural desse Mundo Canibal em 1972. De lá para cá, essa fórmula foi repetida a exaustão (até a Emanuelle tem sua versão […]

  6. Gostaria q voltace meu perfume biografia volume 2

  7. […] mistura um clima de velho-oeste com o horror canibal que surgiu na Itália em 1972 com o clássico Mundo Canibal de Umberto Lenzi e chegou ao seu auge em 1980 com Cannibal Holocaust de Ruggero Deodato, […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: