274 – A Noite dos Coelhos (1972)

night_of_the_lepus_xlg

Night of the Lepus

1972 / EUA / 88 min / Direção: William F. Claxton / Roteiro: Don Holliday, Gene R. Kearney (baseado na obra de Russell Braddon) / Produção: A.C. Lyles / Elenco: Stuart Whitman, Janet Leigh, Rory Calhoun, DeForest Kelly, Paul Fix, Melaine Fullerton

 

A grande maioria dos filmes de eco-horror tem ideias estapafúrdias. Mas A Noite dos Coelhos está de parabéns!!! Coelhos, os seres mais fofinhos e engraçadinhos e adoráveis da natureza, transformando-se em criaturas mutantes gigantes aterrorizando uma cidadezinha rural? Acho que não…

Durante todos os anos 50, fomos bombardeados por uma quantidade enorme de filmes com animais gigantes representando uma ameaça para humanidade. Geralmente, eles eram resultados de experiências com energia nuclear, mostrando os perigos de se brincar com o átomo. Até um subgênero conhecido como Big Bugs surgiu, e daí você via nas telonas formigas, louva-Deus, aranhas e escorpiões (que são aracnídeos) gigantes, e além disso, outras espécies da fauna também foram anabolizadas, como polvos, monstros de gila e até musaranhos!

Precisou Hitchcock surgir e colocar ordem na bagaça, fazendo um filme realmente descente com animais, que foi Os Pássaros. Mas isso, para o bem ou para o mal, desencadeou uma nova leva de filmes trazendo bichos assassinos durante os anos 70 e 80.  A maioria deles sem muita preocupação com a estética ou passar alguma mensagem bacana do homem não se meter com a natureza. E com orçamentos mínimos e falta de qualidade técnica gritante, o que sobra são filmes toscos, abusando do camp e com o único princípio de entreter aqueles que gostam dessas barbaridades.

Essas coisas fofinhas, assassinas? Sei...

Essas coisas fofinhas, assassinas? Sei…

O problema é quando eles se levam a sério demais, como é o caso de A Noite dos Coelhos, inspirado no livro “The Year of the Angry Rabbit” do autor australiano Russell Braddon. O livro que tinha uma grande dose de humor, aproveitava-se de uma tragédia ambiental acontecida na Austrália, que também é citada no começo do filme, em um momento Telecurso 2000, onde durante sua colonização, os ingleses introduziram coelhos na ilha para satisfazer seus desejos esportivos por caça, como praticavam no velho continente, e deram origem a uma superpopulação dos simpáticos roedores trazendo um crescimento numérico desenfreado, fazendo com que os animais acabassem com as plantações, causassem a extinção de espécies locais e destruição de florestas, transformando-as em áreas arenosas e improdutivas. E sim, estamos falando daquele bichinho fofinho de olhos vermelho e pelo branquinho.

Em 1950, os australianos resolveram usar uma arma biológica, já que fogo, tiros e até uma cerca com quase dois mil quilômetros não tiveram sucesso para deter o avanço dos coelhos. O contra-ataque humano consistiu em espalhar uma doença transmitida por mosquitos e pulgas e conseguiram exterminar 500 milhões de coelhos (sendo que a população estimada era de 600 milhões!!!!). Só que rapidamente os animais conseguiram adquirir resistência à doença e voltaram a reprodução vertiginosamente, até uma nova medida ser tomada nos anos 90.

Pois bem, depois de toda essa minha explicação histórica e científica, somos transportados para uma cidade interiorana no Arizona que está passando pelo mesmo problema dos australianos. O rancho de Cole Hillman (Rory Calhoun) está penando por conta de uma praga de coelhos, e não querendo apelar para o uso de venenos, que acabaria com sua plantação e gado, ele recorre a ajuda de um casal de cientistas, Roy Bennett (Stuart Whitman) e Gerry Bennet (Janet Leigh, sim a Marion Crane de Psicose).

Quem disse que coelho só come cenoura?

Quem disse que coelho só come cenoura?

Ambos desenvolvem uma pesquisa com hormônios para interromper o ciclo reprodutor dos coelhos, e testam-na em alguns espécimes. O grande problema é que a filhinha pentelha dos Bennett, Amanda (Melanie Fullerton), gosta bastante bem daquele coelhinho inocente e fofinho cobaia da experiência. O que a menina então faz? Troca o coelho do grupo de controle por outro que ela havia pegado de e o bichinho de estimação acaba escapando pelo rancho sem a conclusão dos testes, contaminando os demais roedores e transformando-os em bestas mutantes gigantes assassinas.

Daí para frente, o filme é uma papagaiada só, usando maquetes em miniaturas toscas do rancho e das minas onde os coelhos se escondiam, super closes para termos a “nítida impressão” do tamanho avantajado do animal, dignos dos mesmos utilizados em O Monstro Gigante de Gila, expoente do eco-horror trash dos anos 50, e fora o bom e velho suitmation, com atores vestidos como grandes coelhos da páscoa na hora dos ataques aos humanos, já que precisaria ter a mínima interação entre os humanos e os animais. Agora imagine um fulano vestido de coelho atacando alguém? Nem Donnie Darko é tão terrível. Fora que ketchup foi usado nos rostinhos dos roedores para simular o sangue!

Isso sem contar a péssima direção de William F. Claxton, oriundo de westerns, além do o produtor do filme, A.C. Lyles que também veio dos filmes de faroeste, por isso o clima muito mais próximo dos bangue-bangues, usando as mesmas características deste gênero de filme, incluindo a atmosfera, ângulos inclinados, sombras escuras e música rancheira. Além do fato que é simplesmente IMPOSSÍVEL constituir um coelho como uma ameaça desse porte. Poxa vida, não dá para ver aqueles bigodes balançando, aquele jeitinho desengonçado de se movimentar e aqueles olhos profundos, e imaginá-los como “toelhos malutos”, parafraseando Hortelino Troca Letras.

A Noite dos Coelhos é um dos mais ridículos filmes de eco-horror já feitos. Efeitos especiais bizarros, pobre no roteiro, diálogo e atuações, direção nem um pouco inspirada, atores e coelhos nunca “contracenando” juntos. É uma sucessão de erros grotescos, que obviamente, acabam sendo o seu charme, como todo filme B.

O que que há, velhinho?

O que é que há, velhinho?

Serviço de utilidade pública:

O DVD de A Noite dos Coelhos não foi lançado no Brasil.

Download: Torrent (sem legenda em português) aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

3 Comentários

  1. Pensador Louco disse:

    Medonho! Eu lembro de ter assistido este nos anos 80, e quase entrei em coma de tanto rir! Sempre achei que esse filme tinha inspirado o coelho assassino do Monty Python em Busca do Cálice Sagrado. Aquele sim era um coelho nervoso. Muito bom. 8)

  2. […] história me lembra bastante a ambientação de
    outra dessas bombas animais setentistas que é A Noite dos Coelhos,
    exatamente pelo homem ter de lidar com uma praga que assola uma
    região desértica dos EUA, […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: