280 – A Cripta dos Sonhos (1973)

vault_of_horror_xlg

The Vault of Horror

 1973 / Reino Unido, EUA / Direção: Roy Ward Baker / Roteiro: Milton Subotsky / Produção: Milton Subotsky, Max J. Rosenberg, Charles W. Fires (Produtor Executivo) / Elenco: Tom Baker, Curd Jürgens, Mike Pratt, Erik Chitty, Jerod Wells, Gylnis Johns

 

Sabe quando alguém encasqueta com uma ideia e fica batendo na mesma tecla até o final? Pois bem, essa é a pegada da Amicus, produtora inglesa rival da Hammer (prima pobre nas más línguas) que desde que lançou o filme As Profecias do Dr. Terror em 1965, antologia com vários contos de terror, vem repetindo a mesma fórmula ano após ano. A Cripta dos Sonhos é nada mais, nada menos que o sexto filme neste estilo.

Na verdade, A Cripta dos Sonhos é uma espécie de filme gêmeo de Contos do Além, ambos inspirados pelos famosos quadrinhos da EC Comics, “Tales From the Crypt” e “The Vault of Horror” (que é o nome original da produção), que fizeram um baita sucesso nos anos 50 e influenciaram pencas de escritores e cineastas em sua juventude. Lançado no ano seguinte de Contos do Além, novamente as histórias baseados nos quadrinhos de Bill Gaines e Al Feldstein foram adaptadas por Milton Subtoski, produtor e um dos chefões da Amicus. A curiosidade é que nenhum dos contos realmente fora publicado no gibi homônimo. Todos foram extraídas das páginas de “Tales From the Crypt” e uma delas, do quadrinho “Shock Suspense Stories”.

Cinco histórias das mais mequetrefes têm como pano de fundo, para variar, estranhos que se encontram casualmente, e neste caso, ficam presos em um luxuoso aposento no porão de um moderno prédio de escritórios em Londres (o Milbank Tower na verdade). Lá, eles começarão a confidenciar entre eles estranhos sonhos que sempre terminam com suas mortes. Desta vez, o filme não conta com a presença do guardião do cofre (Vault Keeper) dos quadrinhos, aquele sujeito agourento que vai revelar a danação final para os pobres coitados.

12zNTOK659n3XVPLJOiCQZmPZ2U

Cinco homens e um destino

Bom, no primeiro conto, Midnight Mess, Harold Rodgers (Daniel Massey) contrata um detetive particular para descobrir o paradeiro de sua irmã Donna (Anna Massey, também irmãos na vida real). Após encontrar seu endereço, ele parte para uma cidadezinha onde ninguém sai na rua depois que anoitece. Então já viu. Ao encontrar sua irmã, cheio de amor fraternal, Harold a mata friamente para ficar com a herança de seu pai só para ele. Só que mal ele sabe, descobrindo apenas quando entra em um restaurante para jantar, que aquela cidade é um reduto de vampiros, e sua própria irmã é uma sanguessuga, que prontamente irá se vingar.

A segunda história, The Neat Job, um obsessivo compulsivo chamado Arhtur Critchit (Terry-Thomas) casa-se com Eleanor (Glynis Johns), mulher bem mais jovem e estabanada. O problema é que Arthur tem um TOC irritante onde tudo deve estar meticulosamente no seu lugar, produtos de cozinha devidamente marcados e os objetos de seu porão, onde funciona seu estúdio de carpintaria, todos catalogados. Arthur vive aporrinhando a esposa por causa de sua bagunça, até que certo dia, ela irá se vingar do marido e deixar, digamos, todas as partes do seu corpo ordenadamente separadas, colocadas dentro de jarros e etiquetadas. Arthur ficaria orgulhoso da arrumação da moça.

This Trick’ll Kill You é o terceiro segmento, e Sebastian (Curd Jürgens) é um mágico em férias na Índia com a esposa, onde tenta descobrir um novo e excitante número para seu show. Nada o impressiona até ele encontrar uma garota hindu encantando uma corda que sai de um cesto de vime, com sua flauta. Como ela não queria explicar como o truque funciona e nem vender seu material, Sebastian a convida para uma exibição em seu hotel, esfaqueando-a e roubando seu cesto e corda. Olhe, se você achava absurda a trepadeira assassina de As Profecias do Dr. Terror ou o piano ciumento de As Torturas do Dr. Diábolo, uma corda maligna vingativa vai fazer você rever seus conceitos dos limites da criatividade no cinema de horror.

Contra um prego solto...

Contra um prego solto…

Já o quarto conto, Bargain in Death, traz Maitland (Michael Craig), escritor obstinado a dar um golpe no seguro para ganhar uma grana, já que seus livros de terror não dão dinheiro, que bola um estratagema com seu amigo Alex (Edward Judd), para ele simular sua própria morte usando um remédio que iria praticamente cessar seus sinais vitais, e ser enterrado vivo, sendo salvo em até 24 horas pelo amigo e ambos dividirem a bolada. O que ele não imagina é que Alex na verdade vai dar um chá de sumiço para ficar com a grana toda só para ele, e que dois estudantes de medicina, Tom (Robin Nedwell) e Jerry (Geoffrey Davies) precisam de um cadáver para não bombar na prova de anatomia. Com isso, contratarão um coveiro para desenterrar o corpo de Maitland. Em uma escalada de trapalhadas, ao abrirem o caixão e ver Maitland vivo, Tom e Jerry (não são aqueles personagens gato e rato do desenho) fogem de pavor correndo de encontro ao carro de Alex, que causa um acidente e todos morrem, e o coveiro acaba por decapitar o falsário com sua pá, com o susto que levou.

Na última história, Drawn and Quartered, Moore (Tom Baker), um pintor inglês se refugia no Haiti após sua carreira ter sido arruinada por um crítico de arte, um empresário e um dono de galeria. Um amigo o encontra em Porto Príncipe e lá ele descobre que suas pinturas estão valendo uma fortuna e que ele foi enganado. Decidido a voltar à Londres para se vingar dos três, Moore dá uma parada antes em um feiticeiro vodu que lhe dá o estranho poder mágico de destruir as coisas que ele pinta. Não dá outra, ela pinta um retrato dos três e proporciona sua vingança matando-os. O que ele não conta é que antes de tudo isso, havia feito um auto retrato, e um acidente onde uma lata de tinta é derrubada em cima do mesmo, será também sua ruína.

No final dos cinco contos de A Cripta dos Sonhos, acontece aquele velho clichê dessas antologias da Amicus, onde todos os protagonistas estão mortos (não me venha falar que isso é SPOILER, pois todos eles terminam da mesma forma e desde os créditos iniciais já sabemos que isso que vai acontecer), a porta do elevador se abre, fazendo com que descubram que eles têm de passar toda a eternidade como zumbis revivendo o mal que fizeram em vida. E blá, blá, blá…

Raul Seixas pintor!

Raul Seixas pintor!

Serviço de utilidade pública:

O DVD de A Cripta dos Sonhos não foi lançado no Brasil

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. […] – A Vampira de Karnstein e O Conde Drácula, e para a própria Amicus, O Asilo do Terror e A Cripta dos Sonhos, e a atuação do sempre galante Peter Cushing. Então estamos pisando em terreno conhecidíssimo […]

  2. […] clássicos do gênero como As Profecias do Dr. Terror, A Casa que Pingava Sangue, Contos do Além e A Cripta dos Sonhos. Mas não se confunda que este aqui não é uma realização da Amicus, e sim uma co-produção […]

  3. […] famosa série televisiva e The Vault of Horror, que também foi levado pelas telas pela Amicus como A Cripta dos Sonhos, entre […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: