292 – O Retorno dos Mortos-Vivos (1973)

attackblinddead

El ataque de los muertos sin ojos / Return of the Evil Dead

1973 / Espanha / 91 min / Direção: Amando de Ossorio / Roteiro: Amando de Ossorio / Produção: Ramón Plana / Elenco: Tony Kendall, Fernando Sancho, Esperanza Roy, Frank Braña, José Canalejas, Loreta Tovar

 

Eis que os cavaleiros templários zumbis cegos de Amando de Ossorio estão de volta em O Retorno dos Mortos-Vivos, segunda parte da quadrilogia do diretor espanhol, que teve início em A Noite do Terror Cego, lançado no ano anterior.

Depois do sucesso do primeiro filme, Ossorio resolveu retomar a premissa básica dos amaldiçoados mortos cegos, criando uma nova história sem nenhuma ligação com a trama interior, muito menos prestando a ser uma continuação direta (já que o pessimista término de A Noite do Terror Cego em aberto sugeria um ataque dos cadáveres templários a uma cidade, dando início a mais uma hecatombe zumbi cinematográfica).

Mais uma vez inspirado por A Noite dos Mortos-Vivos de George Romero (o título no Brasil em VHS provavelmente levou seu nome para pegar carona no clássico), mas dessa vez com elementos muito mais óbvios que o anterior, encurralando um grupo de pessoas em uma antiga igreja, cercados pelos zumbis do lado de fora. E claro, que não poderia faltar todo tipo de absurdo que transforma um filme como esse em uma bagaceira tão adorável.

Na espreita

Na espreita

Coloquem nessa conta atores dos mais canastrões com atuações amadoras risíveis (todo devidamente dublados), diálogos enfadonhos, efeitos especiais precários (atente-se a parte quando fogos de artifício são jogados contra os cavaleiros esqueléticos e seus óbvios bonecões explodem), muito sangue falso e mulheres com os peitos de fora e os brutais erros de continuidade gritantes (atente-se também para várias cenas em que de um take para o outro, o dia torna-se noite e vice-versa, e não é uma vez só que acontece no decorrer da fita).

E logo no começo do filme já sabemos o que esperar do restante da produção, mostrando o vilarejo de Boutsana, no interior de Portugal (onde todos falam espanhol e não português, detalhe) durante as cruzadas, onde um grupo de cavaleiros templários satânicos acusados de praticar magia negra e canibalismo, são condenados à fogueira pelos locais e tem seus olhos queimados por tochas para que seus espíritos não possam encontrar o caminho de volta e executar a vingança prometida em seu leito de morte. Passam-se 500 anos e a cidadezinha está nas vésperas de comemorar o a Festa de La Queima, celebrando a vitória dos antepassados contra os terríveis templários, onde simulam a execução dos mesmos usando bonecos de pano, ao melhor estilo: “malhar o Judas”.

O escroto prefeito do local, Duncan (Fernando Sancho) e seu capanga Howard (Frank Braña) contratam um técnico em pirotecnia americano para fazer um show de fogos de artifício, Jack Marlow (Tony Kendall), indicado pela esposa do prefeito, Vivian (Esperanza Roy). Mal eles sabem que na verdade, Vivian e Jack já tiveram um tórrido romance no passado, e essa foi a chance da garota rever o antigo amor e aproveitar e fugir com ele daquele pedaço de fim de mundo. Mas antes de tudo isso acontecer, obviamente terá um retardado alertando que naquela noite os mortos-vivos sairiam de suas tumbas e executariam a sua vingança secular, mas obviamente, ninguém dá bola para o sujeito (que sempre tem razão nos filmes de terror, aprenda).

Sacrilégio

Os ritos satânicos dos templários

Pois bem, o tal maluco com atraso mental resolve fazer um sacrifício humano para ressuscitar os templários dos mortos e assassina uma jovem. Seu sangue traz os maltrapilhos zumbis esqueléticos à vida, munidos de suas espadas afiadas e cavalgando em seus cavalos mortos para tocar o terror no vilarejo durante o festejo. Após um pandemônio, dezenas de morte, gritos de desespero e corre-corre, um pequeno grupo de sobreviventes consegue fugir dos muros da cidade e vão se refugiar na igreja abandonada, enquanto tentam bolar um estratagema para escapar do cerco dos cavaleiros sedentos por sangue.  Ali dentro veremos a famosa situação limítrofe de sobrevivência trazendo à tona o que há de pior nas pessoas, mais uma vez ao melhor estilo Romero, com o prefeito Duncan sendo o mais completo degenerado, usando uma garotinha pequena como chamariz dos templários para tentar sair com vida, e o Howard tentado estuprar Vivian, por quem sempre teve tesão reprimido.

Além disso, a dicotomia das políticas sociais e públicas espanholas está escancarada como uma sátira crítica velada aos últimos anos do regime Franco, na figura do Governador, que está se lixando para os problemas do “povo”, entende tudo errado as mensagens que estão sendo transmitidas sobre as festividades e o cerco na igreja, e que está mais preocupado em olhar e fornicar com a empregada gostosona. É simplesmente hilário. E ah, falando em fornicar, obviamente haverá altas doses de erotismo e nudez feminina no decorrer da história, principalmente por se saber que os templários são chegados em sangue de virgens e seios voluptuosos, elementos importantes para seus rituais. Já para os fãs do gore, não deixa nada a desejar, com pessoas sendo decepadas, decapitadas, mutiladas, corações sendo arrancados para servirem de snack e por aí vai.

O Retorno dos Mortos-Vivos é indispensável para os fãs de podreira trash, assim como toda a quadrilogia dos mortos cegos em si, todas dirigidas por Amando de Ossorio, que lançaria nos próximos anos O Galeão Fantasma e A Noite das Gaivotas. Excelentes exemplares do cinema fantástico espanhol, assim como do cinema splatter europeu dos anos 70.

Exército desmorto

Exército desmorto

Serviço de utilidade pública:

O DVD de O Retorno dos Mortos-Vivos não foi lançado no Brasil.

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. Gogetareborn disse:

    Esse filme deve ser uma pérola. Parabéns pelo blog, ele é um dos melhores (se não o melhor) do gênero, sempre que posso dou uma olhada nas colunas. 😀

  2. Paulão Geovanão disse:

    Você conhece um filme chamado “El retorno de los templários”?

  3. Pedro Galvão disse:

    O filme que o Paulo está falando é esse aqui :

    http://filmesparadoidos.blogspot.com.br/2013/10/el-retorno-de-los-templarios-2007.html

    É uma completa porcaria.

  4. Paulão Geovanão disse:

    Parece que é uma homenagem aos filmes do Ossorio. Mas é muito ruim. Muito amador. Vou tentar te passar algumas imagens desse filme pelo facebook do 101. Valeu

  5. Paulão Geovanão disse:

    É uma podre homenagem aos zumbis cegos.

  6. […] do sucesso dos dois longas anteriores, A Noite do Terror Cego e O Retorno dos Mortos-Vivos, Ossorio apronta mais uma das suas com seus maltrapilhos e esqueléticos cavaleiros templários […]

  7. […] do espanhol Amando de Ossorio, que se iniciou em 1972 com A Noite do Terror Cego, e seguiu com O Retorno dos Mortos-Vivos e O Galeão […]

  8. […] E os mortos cegos de Ossorio fizeram tanto sucesso que viraram uma quadrilogia depois com os filmes O Retorno dos Mortos-Vivos, O Galeão Fantasma e A Noite das […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: