Tope Nove – Freiras do Mal

Uma lista de pinguins que deixaria o próprio Batman tremendo de medo

Enquanto Valak segue nos cinemas enchendo o bolso de verdinhas e testando a paciência dos espectadores com seus clichês, o fã do horror menos escolado pode achar que uma freira death metal capirotesca é uma baita de uma ideia original, mas nosso compromisso com a verdade – e com esculachar o filme mais chinfrim do Conjuringverso – jamais permitiria que deixássemos passar a oportunidade de listar aqui no 101HM, nove freiras do capeta que estão aí desde muito antes de Valak jogar longe sua primeira noviça.

Pegue seu crucifixo e vem com a gente!

9 – Irmã Gertrude (A Freira Assassina, 1979)

Já que o assunto é freira, nada melhor do que começar a nossa lista com um clássico exemplar do subgênero Nunsploitation. Aqui, nossa personagem começa a matar geral depois de um piripaque que a deixa violenta e, vamos colocar desta forma, safadinha. A Freira Assassina não é o mais chocante exemplar deste gênero, mas entra na lista por trazer os ingredientes principais que marcaram uma safra de filmes picaretas: freiras, sexo e violência.

Ajoelhou tem que rezar!

8 – Irmã Morte (Verónica, 2016)

Com seus olhos cinzentos como a fumaça dos milhares de maços de Derby que ela fumou pra ficar com aquela voz sinistra, a Irmã Morte é um dos elementos mais assustadores de Verónica, suspense sobrenatural de produção espanhola supostamente baseado em fatos. Mas não se deixe enganar pelo semblante nada amistoso, pois no fundo, a Irmã Morte é um caso clássico de quem vê cara, não vê coração.

Me empresta o isqueiro?

7 – Irmã Maria (Satánico Pandemonium, 1975)

No auge do Nunsploitation, os mexicanos também tiraram a sua casquinha na bilheteria fácil dos filmes apelativos e misturaram terror, sacanagem e muita picaretagem para nos dar Satánico Pandemonium. A freira transformada pelo diabo em uma criatura sexualmente insaciável só não é mais assustadora por ter inspirado o nome da personagem de Salma Hayek em Um Drink No Inferno. E pela putaria, claro.

Você disse “torta de maçã”?

6 – Freiras Fantasmas (Demonia, 1990)

Uma expedição arqueológica esbarra com o fantasma de cinco freiras condenadas e crucificadas no século XVI em busca de vingança. Demonia é um filme menor do mestre Lucio Fulci, mas tem seu charme, principalmente na ambientação e nas freirinhas assassinas de olhos esbugalhados com um ponto de interrogação na testa.

Aquela cara de ponto de interrogação.

5 – Freira Com A Tesoura (O Exorcista 3, 1990)

Embora sua aparição em O Exorcista 3 dure apenas uma fração de segundos, o nosso sexto lugar na lista fez muita gente pular na poltrona em um dos jumpscares mais marcantes da história do cinema de horror. Viu, é assim que se faz, Valak.

E… Corta!

4 – A Sentinela (A Sentinela dos Malditos, 1977)

Com um elenco estelar e também severamente deformado, A Sentinela dos Malditos é um dos mais assustadores e pouco lembrados filmes de terror dos anos 70. Um deleite herético e arrepiante que só os subversivos anos 70 poderiam entregar. Michael Winner pode dar as mãos a Polanski e Friedkin enquanto vão juntos para o confessionário por seus deliciosos pecados cinematográficos.

Não vejo como não ficar em primeiro!

3 – Freira Possuída (Häxan – A Feitiçaria Através dos Tempos, 1922)

Em tempos de fake news e documentários sobre sereias caindo nas graças dos mais crédulos, Häxan se mostra tão atual quanto impressionante com seu quase um século de vida. O lendário mockumentary de 1922 discorre sobre a evolução da feitiçaria traz, em um de seus segmentos, uma freirinha tentada e assassinada pelo próprio capeta. Perturbador até hoje!

Aqui pra vocês, ó!

2 – Alucarda (Alucarda, 1977)

Nosso segundo lugar matou a mãe no parto e foi entregue para um convento ainda bebê. Ao crescer, nossa freirinha Alucarda desperta para o sexo e para Satã, em um filme onde o vampirismo e o lesbianismo andam de mãos dadas fazendo a alegria de Baphomet, que aparece em pessoa para consagrar a união de Alucarda e sua amada Justine. Sexo, sangue, profanação, nus frontais – muitos – satanismo e nunsploitation. Alucarda tem tudo aquilo que só o verdadeiro fã do horror pode querer.

Eu vos declaro, encrenca em dobro!

1Amanda Krueger (A Hora do Pesadelo 5 – O Maior Horror de Freddy, 1989)

Valak vai ter que comer muito arroz e feijão se quiser figurar no primeiro lugar da nossa lista. Afinal, qual outra freira poderia ocupar a pole position, senão aquela que deu origem a um dos maiores ícones do horror de todos os tempos? Amanda Krueger foi estuprada por dezenas de internos em um manicômio, entre eles o pai desconhecido de Freddy, e estrela uma das melhores sequências de A Hora do Pesadelo 5, que nem é tão grandes coisas assim, mas vale a pena por explorar mais o passado de Freddy Krueger.

Quem é o hamburguinho da mamãe?

E aí? Faltou alguma freira na nossa lista? Deixe a sua lista aqui nos comentários! Amém!

 


Rodrigo Ramos
Rodrigo Ramos
Designer, roteirista da HQ Carniça, coautor dos livros Medo de Palhaço e Narrativas do Medo. Fã e pesquisador de quadrinhos e cinema de horror. Tem mais gibis em casa do que espaço pra guardar e tempo pra ler, mas quem nunca?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: