294 – Thriller – A Cruel Picture (1973)

thrillerposter

Thriller – en grym film / Hooker’s Revenge / They Call Her One Eye

1973 / Suécia / 104 min / Direção: Bo Arne Vibenius / Roteiro: Bo Arne Vibenius / Produção: Bo Arne Vibenius / Elenco: Christina Lindberg, Heinz Hopf, Despina Tomazani, Per-Axel Arosenius, Solveig Anderson

 

Dentro do gênero rape and revenge (mulheres que são estupradas e abusadas fisicamente e partem para o revide da forma mais sádica possível), sem dúvida Thriller – A Cruel Picture é um marco, e um dos seus mais importantes exemplares, ao lado de A Vingança de Jennifer. Mesmo tecnicamente não se tratando de um estupro nesse caso.

O filme do sueco Bo Arne Vibenius vai além: é promissor, inovador, uma aula de cinema, mostrando ali no começo dos anos 70 todas as possibilidades estéticas e recursos que poderiam ser usados em um filme de cinema, criando a definição singular do sexploitation. Pupilo do mestre Ingmar Bergman, Vibenius fez em Thriller… o seu cult definitivo, que traçou padrões copiados até hoje no cinema de ação. Para se ter uma ideia, Quentin Tarantino o considera O FILME sobre vingança, e claramente Kill Bill bebe desta fonte e os irmãos (quer dizer, irmão e irmã agora) Wachowsky também não tem vergonha em esconder semelhanças chupinadas em Matrix e as diversas cenas em câmera lenta e sem contar o figurino.

Apelativo e provocante, Vibenius não perdeu tempo em levantar temas extremamente chocantes e de abusar de ação e violência estilizada, entre diversas cenas de nudez e sexo explícito (incluindo aí uma gozada anal!!!!), rodadas com dublês de corpo (que dá para se perceber claramente) que eram prostitutas de Estocolmo contratadas para essas sequências.  O roteiro de Vibenius traz o que há mais baixo na natureza humana e joga na cara do espectador sem o menor pudor ou cerimônia. A bela ninfeta Madeline/Frigga (Christina Lindberg) é abusada sexualmente por um homem quando criança, e devido a experiência traumática fica muda após o acontecido.

nininininin

Caolha, mas gostosinha!

Passam-se 15 anos e quando a adolescente perde o ônibus para a escola, ela decide aceitar a carona de Tony (Heinz Hopf), que com seu carrão e sua lábia de gaiato, leva a garota para um jantar e logo a seguida a sequestra, colocando-a em prisão domiciliar, drogando-a com heroína e obrigando a moçoila a se prostituir. Logo após o primeiro programa, Madeline/Frigga arranha o rosto de seu cliente, e para pagar pelo que fez, Tony arranca um de seus olhos com um bisturi (em cena claramente inspirada em O Cão Andaluz de Buñiel) em uma cena em câmera lenta, sem diálogos, onde um cadáver de verdade foi usado para a extração real do olho.

Caolha (ela começa a ser chamada de One Eye), tendo que usar um tapa-olho, viciada e obrigada a fazer sexo por dinheiro com homens e mulheres, Madeline/Frigga às escondidas começa a treinar caratê, aprende a atirar e manejar armas de fogo e perícias automobilísticas para fugas e perseguições em alta velocidade, pagos com a grana que recebe dos programas. Tudo isso para conseguir escapar no momento certo e colocar em prática seu plano de vingança. A gota d’água para a sofrida jovem é quando sua amiga Sally (Solveig Andersson) é assassinada e seus pais se suicidam ao receber uma carta escrita pelo escroto do Tony, dizendo que ela fugiu por não aguentar mais aquela merda de vida na fazenda.

Depois da primeira metade do filme que mistura drama e pornô hardcore vem a segunda metade onde o filme dá uma guinada de 360º e no melhor conceito WWG (women with guns), Madeline/Frigga inicia sua vingança com tiroteios, perseguições em alta velocidade e o pior de todos os castigos, reservado para Tony. Uma vingança calculada, fria, em câmera lenta e extremamente violenta muda completamente o tom do filme, deixando de lado a pobre e indefesa garotinha, para dar vida a uma mulher forte, poderosa, decidida, movida por apenas algo completamente inesperado para os padrões da época.

O cafetão andaluz

O cafetão andaluz

Apesar dos absurdos gritantes e das falhas de roteiro, o filme é completamente experimental. Seu ritmo arrastado, seus diálogos cafonas e todos os maneirismos podem não ser aconselháveis para essa nova geração que está acostumada com filmes de ação alucinantes. Mas há certa, digamos, beleza poética contida nos quadros e na forma como Vibenius conduz o seu filme. Há uma genialidade por trás de tudo aquilo, mas que não tinha a menor intenção de se tornar uma referência do exploitation, ou um filme cultuado por gerações de cinéfilos e cineastas. Era puro oportunismo mesmo como o próprio diretor alegou: fazer “um filme comerical ruim que nem o diabo” para cobrir o rombo financeiro causado por seu primeiro longa. Até por isso ele assina a direção com o pseudônimo de Alex Fridolinski (havia até uma cláusula contratual para que os atores não pudessem revelar que era o real diretor do filme).

Fato é que o tiro de Thriller… foi certeiro. Ou saiu pela culatra se Vibenius pensar na reação de Bergman que o “deserdou” após assistir ao filme. Claro que ele iria detestar o mergulho naquele abismo de profanação visual que seu pupilo havia se jogado. Imagine só Bergman assistindo ao filme? Gostaria que tivesse uma câmera filmando sua reação ao vivo! Não preciso nem dizer que foi vetado nos cinemas do Reino Unido pelo BBFC e sua campanha promocional alardeou erroneamente que foi o primeiro filme banido na Suécia. E temos que tirar o chapéu para a atuação de Christina (que não diz uma palavra sequer durante os 104 minutos de projeção, usa um tapa-olho, veste sobretudo de couro preto – quando não está seminua na primeira metade – e carrega uma espingarda na mão), que não tinha nem carteira de motorista e dirigia em ritmo alucinante nas cenas na floresta e em perseguições, e ainda treinou com armas de fogo usando munição de verdade. Cinema verité é isso aí.

Querendo ou não, sendo de mau gosto ou não, chocante e oportunista ou não, Thriller – A Cruel Picture, é definitivamente uma aula de cinema. O assistente de direção de Persona de Bergman abusa de violência gráfica e sexo explícito para criar uma obra prima ímpar da subversão cinematográfica. E termino esse texto com um agradecimento e um abraço para meu amigo de colégio, Saulo Martin, que me apresentou essa pérola. Nosso!

BANG!, você está morto!

BANG!, você está morto!

Serviço de utilidade pública:

O DVD de Thriller – A Cruel Picture não foi lançado no Brasil

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. Paulão Geovanão disse:

    Cadê o horror nesse filme?

    • Paulão, eu acho que o gênero “horror” é muito amplo, cara. Esse é um típico filme exploitation da década de 70, com elementos de “rape and revenge” e até “women in prison” que com certeza encaixa-se aqui no blog e na minha lista ao meu ver. Até por conter elementos onde a garota é estuprada, sequestrada, fica em cárcere privado, sendo drogada, obrigada a fazer sexo por dinheiro, ter o olho arrancado brutalmente e partir para a vingança. Esses são os “elementos de horror real”, que fogem do sobrenatural e fantástico! 😉

  2. Paulão Geovanão disse:

    Esse é um filmão mesmo. O diretor ligou o foda-se e produziu uma obra-prima. Por falar no gênero “explotation” , você já leu o livro “Cemitério Perdido dos filmes B”?

  3. Paulão Geovanão disse:

    Recomendadíssimo! Não foca só no terror. Vou te passar as fotos dos livros pelo Facebook

  4. […] igualmente violentos lançados anteriormente, como Aniversário Macabro de Wes Craven e o sueco Thriller – A Cruel Picture (mesmo não sendo estupro propriamente dito, e sim prostituição forçada). Além disso, fora esses […]

  5. Marcus Vinícius disse:

    O curioso é que a Christina Lindberg tem cara de criança. Fora a imagem dela nua, na outra dela com uma armona, parece que tem uns doze anos.

  6. Diego Lobato disse:

    Não encontrei no Torrent 🙁

  7. Diana Prince disse:

    A legenda é em inglês ?

  8. Phibes disse:

    Nossa, caras… Eu vi esse poster e achei foda. Meu erro foi não ler todo o artigo. Fui assistir no conforto do meu quarto que infelizmente esta temporariamente sem porta e pensei: “só vai ter uma porrada de peitinhos, suave”. 01 trauma eterno por ser troxona, mano. Familia inteira me passa logo na primeira cena explicita.

    Eu amo o blog, mas bem que ces poderiam ter deixado mais explicito que o bang é 18+.Tipo negrito, sublinhado, fontes pra míopes e zaz. Mas, meu erro, eu sei.

    Valeu.

  9. Matheus L. CARVALHO disse:

    FILME BRILHANTE!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: