303 – O Galeão Fantasma (1974)

El Buque Maldito 1974 poster

El buque maldito / The Ghost Galleon

1974 / Espanha / 89 min / Direção: Amando de Ossorio / Roteiro: Amando de Ossorio / Produção: José Luis Bermúdes de Castro Acaso / Elenco: Maria Perschy, Jack Taylor, Bárbara Rey, Carlos Lemos, Manuel de Bias, Bianca Estrada

 

O terceiro filme da quadrilogia dos mortos cegos de Amando de Ossorio, O Galeão Fantasma, é uma verdadeira contradição cinematográfica. Primeiro, que por conta do clima, da história, ambientação e do desenrolar da narrativa, que traz alguns desafortunados presos em uma embarcação fantasma em pleno alto mar rodeado pelos infames zumbis de Ossorio, é um filmaço, talvez o melhor da série neste quesito. Segundo, que por conta dos efeitos especiais PAVOROSOS, o filme quase se torna ridículo e quase afunda (com o perdão do trocadilho).

Depois do sucesso dos dois longas anteriores, A Noite do Terror Cego e O Retorno dos Mortos-Vivos, Ossorio apronta mais uma das suas com seus maltrapilhos e esqueléticos cavaleiros templários cegos zumbis, pertencentes a uma antiga e profana ordem adoradora de Satanás, excomungada pela Igreja Católica por praticar sacrifícios humanos. Em O Galeão Fantasma, o ambiente tradicional dos vilarejos ibéricos é substituído, como o próprio nome já diz, por um galeão holandês fantasma do Século XVI, navegando nos mares envolto em uma mística penumbra, nunca captado por nenhum radar e instrumento de navegação, que atrai pequenos barcos para essa dimensão fantasmagórica, desaparecendo para sempre, a fim de alimentar os mortos cegos sedentos por sangue e carne humana.

A trama se inicia quando um empresário do setor náutico, Howard Tucker (Jack Taylor) resolve fazer publicidade de uma de suas novas lanchas, e manda duas modelos para o meio do mar, para eventualmente serem resgatadas e ganhar mídia espontânea com a resistência do barco. Mas que ideia de girico!!! Esse cara nunca ouviu falar de relações públicas, não? Acontece que eles perdem o contato com as garotas quando elas avistam o tal galeão fantasma e resolvem entrar a bordo, e daí com medo de se meter em um escândalo e atrapalhar suas aspirações políticas, Howard, junto de seu capanga Sergio (Manuel de Blas), Noemi (Bárbara Rey), amiga de uma das modelos à deriva, a fotógrafa e agente Lilian (Maria Perschy) e do Professor Grüber (Carlos Lemos), estudioso naval, pegam outro barco e vão resgatar as moças perdidas.

Entrou de gaiato no navio...

Entrou de gaiato no navio…

Ao chegarem lá, encontram o gigantesco e carcomido galeão holandês e subirão a bordo para ver se descobrem seus paradeiros. Obviamente, elas não estão mais lá. Por meio do diário de bordo encontrado por Grüber eles conhecem a origem do galeão e saberão que no porão do navio há um tesouro escondido, assim como as tumbas dos cavaleiros templários cegos, que acordam todas as noites em busca de sangue. Claramente não dá outra e  começarão a ser perseguidos naquele ambiente sujo, claustrofóbico e aterrador, pelos esqueletos usando seus trajes esfarrapados.

Até aí tudo bem, o clima do filme é bem soturno, e a cena da morte da garota Noemi é agoniante, com ela tentando fugir dos cadáveres ambulantes, sem conseguir gritar por socorro, pois sua traqueia foi quebrada em uma tentativa de estrangulamento, enquanto baba sangue e é arrastada pelos zumbis lentamente para a parte inferior do navio, para ser desmembrada e feita de lanchinho. Mas a falta gritante de recursos devido ao orçamento baixíssimo, somada a dose de trasheira, já característica nos dois filmes anteriores, aqui extrapola o limite e você só consegue rir das cenas toscas, as quais tornarão o filme muito mais famoso do que pelos seus méritos.

As cenas externas, tanto quando aparece o navio fantasma, quanto as demais embarcações (sendo abraçadas pela névoa), obviamente foram gravadas em uma piscina, utilizando ridículas miniaturas de plástico. E quando o navio arde em chamas e naufraga, que parece mais um barquinho infantil de se usar em banheira, colocado fogo e afundando da forma mais bisonha possível? Outra cena lamentável que entra para o rol das bizarrices de O Galeão Fantasma é quando no esforço de se livrar dos mortos cegos, em um mutirão, os sobreviventes levam os caixões até a proa para jogá-los ao mar, e quando eles estão afundando, parecem mais caixinhas de fósforo que foram jogadas dentro de um aquário e chegando ao seu fundo, sendo filmadas por cima. Com certeza faria Ed Wood corar.

Mortos cegos se dando bem!

Mortos cegos se dando bem!

Mas definitivamente não é isto que importa na trama do filme. A mensagem que Amando de Ossorio quer passar é muito clara, mesmo que menos politizada que em seus filmes anteriores. É mostrar o espetáculo da carne humana, na verdade da carne feminina, que já surge em abundância logo em sua abertura, onde modelos com trajes mínimos estão em uma sessão de fotos. E nisso colocar os monstros humanos, muito piores que os monstros cadáveres, em uma situação limite, que irá trazer o lado mais sombrio da natureza, e gerando impulsos sombrios como assassinato, traição e estupro (sempre há um estupro na quadrilogia de Ossorio, parece até uma regra irrefutável).

Outro detalhe interessantíssimo é a percepção de uma diferença básica, que fica ainda mais implícita em O Galeão Fantasma, por ser um ambiente confinado, entre os mortos cegos e os demais zumbis, desde os criados pro George Romero em A Noite dos Mortos-Vivos, até os encontrados hoje nos seriados de televisão: enquanto o zumbi tradicional é um monstro oral, os zumbis de Ossorio são táteis, até por conta de sua cegueira. Comer a carne humana não é o ato máximo para aqueles sacos de ossos usando uma roupa de estopa. Tatear a garota, arrancar seu biquíni e arrastá-la para seu covil, onde há uma espécie de “estupro ou linchamento carnal coletivo”, é o tesão desses outrora blasfemos cavaleiros templários, sempre acompanhados pelo macabro canto gregoriano característico das outras fitas.

Fora isso, a pessimista e tétrica cena final de O Galeão Fantasma vale por todo o filme. Afinal, zumbis levantando do mar e andando em direção a costa não é algo que vemos todos os dias. O jeito aqui é usar a boa e velha suspensão da descrença, tentar de alguma forma não se ater aos defeitos gritantes do filme, que podem sim colocar tudo a perder, e aproveitar um bom filme de terror, deixando Ossorio te levar pelo seu pesadelo morto-vivo.

Férias na praia

Férias na praia

Serviço de utilidade pública:

O DVD de O Galeão Fantasma não foi lançado em DVD no Brasil

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. Joelmo disse:

    Marcos, acho que o torrent deste filme está trocado.

  2. Joelmo disse:

    Oi Marcos, boa tarde.
    O link está ok agora, mas a legenda anexa está em inglês. Dê uma olha. Abs.

    • Oi Joelmo. Acabei de baixar e abrir aqui o arquivo da legenda e ele está em português, cara…

      Talvez seu player esteja lendo alguma legenda embutida que está em inglês… Então você tem que desabilitar essa legenda e abrir a legenda que veio junto no arquivo RAR.

      Abs

      Marcos

  3. […] A Noite das Gaivotas é o quarto e último filme da série dos cavaleiros templários zumbis cegos do espanhol Amando de Ossorio, que se iniciou em 1972 com A Noite do Terror Cego, e seguiu com O Retorno dos Mortos-Vivos e O Galeão Fantasma. […]

  4. […] fizeram tanto sucesso que viraram uma quadrilogia depois com os filmes O Retorno dos Mortos-Vivos, O Galeão Fantasma e A Noite das […]

  5. […] dos mortos cegos em si, todas dirigidas por Amando de Ossorio, que lançaria nos próximos anos O Galeão Fantasma e A Noite das Gaivotas. Excelentes exemplares do cinema fantástico espanhol, assim como do cinema […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: