306 – Lisa e o Diabo (1974)

793lisa-e-il-diavolo-poster-usa-01

Lisa e il diavolo / Lisa and the Devil / La casa dell’exorcismo / The House of Exorcism

1974 / Itália, Espanha, Alemanha Ocidental / 95 min / Direção: Mario Bava / Roteiro: Mario Bava, Alfredo Leone / Produção: Alfredo Leon / Elenco: Telly Savalas, Elke Sommer, Sylvia Koscina, Alessio Orano, Gabriele Tinti

 

Mario Bava é um gênio do caralho (perdão pela má educação), e Lisa e o Diabo é a quintessência de sua genialidade, sua obra prima autoral, atemporal, amoral, incompreendida e exemplo vivo de toda sua imensa capacidade como diretor que nos salta aos olhos.

Devo confessar que Lisa e o Diabo não é um filme fácil de se entender. É um pesadelo tétrico subjetivo, onde nada é o que realmente parece, aberto as mais diversas impressões, e onde Bava destila com mais clareza todo seu apreço pela morte (daí seu apelido de Maestro do Macabro) e principalmente, o texto subentendido sobre a decadência humana e de suas instituições e o jogo de controle, expediente que vire e mexe aparece escancarado em suas obras, como em Seis Mulheres para o Assassino, Drácula, o Vampiro do Sexo e A Mansão da Morte.

Pois bem, eis que depois do sucesso comercial de seu filme anterior, Os Horrores do Castelo de Nuremberg, o produtor Alfredo Leone feliz da vida deu carta branca para que Bava dirigisse o que quisesse, sem nenhuma interferência no conduzir do seu processo criativo. Se isso para qualquer cineasta é um paraíso, para Bava, é o inferno, mas não o inferno no sentido metafórico de um desespero, ou pesadelo. Inferno no sentido metafórico de que finalmente ele faria um filme extremamente autoral calcado na maldade. E ponto.

Por isso, Bava deixou fluir toda sua capacidade imensa e envolve a Lisa do título (Elke Sommer) em uma trama macabra e insólita às voltas com o Diabo, na forma do mordomo e titeteiro Leandro, habilmente interpretado por um impecável Telly Savalas, o eterno Kojack. Tudo no filme é um jogo de cena. Apenas sabemos que Lisa é uma turista em um país estrangeiro, que se depara com uma pintura em uma praça pública, da figura do diabo carregando uma pessoa. Diabo com a cara de Savalas. Na reviravolta da história não linear e sem lógica aparente, Lisa se perde de sua amiga e do grupo de turistas, e pega carona com um casal aristocrático Sophia (Sylva Koscina) e Francis (Eduardo Fajardo) e seu chofer, George (Gabriel Tinti) que tem um caso com a patroa.

Lisa sem o Diabo

Lisa sem o Diabo

Tarde da noite, o carro quebra bem em frente a mansão da Condessa (Alida Valli), que vive com seu filho, Max (Alessio Orano) e onde Leandro, que já havia se encontrado com Lisa antes e dado a ela informações erradas sobre o caminho, trabalha como mordomo. Ao menos é o que parece. Então o surreal começa a tomar forma, com uma narrativa não linear onde passado e presente se misturam, com Lisa sendo obrigada a reviver um passado obscuro e uma vida anterior, onde ela é Elena, esposa de Max e que tinha um caso proibido como Carlo, marido da Condessa. No meio dessa confusão mental, Leandro, com seu pirulito na boca (Savalas tinha largado o cigarro e usava o doce para tentar atenuar a necessidade, e mais tarde seria uma característica marcante do próprio Kojack), completamente sacana e travesso, vai puxando suas cordas e manipulando todos ali presentes sem que ao menos eles se deem a mínima conta disso, nas suas divagações desconcertantes e na dualidade da justaposição entre os personagens em carne e osso e seus bonecos de tamanho real.

Como se não bastasse, a salada que Bava tempera ainda dá pano para manga para uma série de assassinatos perversos que ocorrem dentro e nas imediações daquele decadente casarão gótico, como nos melhores gialli, e o destempero social e emocional da Condessa e principalmente de seu filho necrófilo, que perdidamente apaixonado por Lisa, por ver nela sua amada Elena, a dopa com clorofórmio e deita-a na cama enquanto pratica uma, hã, sofisticada cena de estupro não consumada (delicadamente filmada por Bava, acompanhada pela triste música de Carlo Savina) ao lado do esqueleto de Elena.

Muitos porquês surgem no decorrer da fita, e aqui vou tentar elucidá-los da melhor forma possível, pelo menos ao meu entender, e também colhendo informações publicadas no livro “The Haunted World of Mario Bava” de Troy Howarth. Então, senta que lá vem SPOILER (quase parafraseando o Ra-Tim-Bum) e pule esse parágrafo e o próximo, ou leia por sua conta e risco. O que se subentende é que Lisa e Elena são as mesmas pessoas realmente, e que na verdade, desde o começo da fita a nossa protagonista está morta, sendo apenas mais uma marionete nas mãos do Diabo, sendo obrigada a reviver intensamente e de forma cíclica, aquele pesadelo gótico. Lisa é apenas uma alegoria, uma sombra que funciona como o fio condutor da obsessão de Bava em jogar na nossa cara, reles mortais, seu apreço pelas aparências e superfícies. Apesar de o espectador ver através dos seus olhos, Lisa, ou Elena, é apenas mais um peão no tabuleiro de Leandro.

O goooooore!

O goooooore!

E o final do filme, na última e deslumbrante cena, quando amanhece e Lisa consegue fugir daquele seu “purgatório individual” e toma um avião para se livrar de uma vez por todas de todo o desenrolar sobrenatural e hediondo que viveu naquela noite bizarra, eis que em um avião completamente vazio, ela se depara com Leandro como piloto, conduzindo a aeronave com seu sorriso mais cínico, ao mesmo tempo em que Lisa transforma-se em Elena, virando apenas uma carcaça de um cadáver, enquanto todos aqueles outros personagens, os quais talvez ela tenha feito mal de alguma forma quando em vida, estão ali como zumbis espectadores de seu infortúnio, forçando-a reviver essa memória desagradável, por todo o sempre, enquanto o Diabo chupa seu pirulito docinho e se delicia.

Filmaço certo? Acontece que após ser exibido no Festival de Cannes daquele ano,  o momento de glória de realização completa de um diretor, ainda mais se tratando de Bava, que sempre teve de lutar contra produtores, estúdio, falta de verba e tudo mais, se esvai quando os distribuidores assustados por aquele filme complexo e dificílimo de ser vendido, principalmente aos americanos, consideraram Lisa e o Diabo impossível de ser lançado comercialmente. Assim e pronto. O que então Bava teve de fazer a contragosto? Editá-lo novamente, forçado por Leone, em um filme completamente diferente, com cenas adicionais de possessão e exorcismo, para surfar na onda do sucesso de O Exorcista de William Friedkin, transformando-o em outra película, chamado de La casa dell’exorcismo, ou House of Exorcism, seu título internacional.

Bava e Leone quebraram o pau, com o diretor recusando-se a gravar qualquer cena blasfema, e o próprio produtor incumbiu-se de dirigir essas cenas, tomando-lhe a direção, terminando as cenas adicionais e supervisionando a re-edição final. Olhe, não assisti a La casa dell’exorcismo, mas segundo consta também em “The Haunted World of Mario Bava” é um filme grosseiro, que foi execrado pela crítica, risível e odiável. A obra-prima de Bava tornou-se um dos piores plágios de O Exorcista de todos os tempos.

Apenas na década de 80, após a morte de Bava, que o original foi finalmente exibido, e ironicamente seu debute foi na TV americana, e só assim ele ganhou o reconhecimento necessário. Mas infelizmente Bava não conseguiu ver os elogios para sua verdadeira obra. Lisa e o Diabo é arte em forma de cinema de terror. Precisa ser conhecido por todos, cinéfilos, fãs do horror, ou neófitos entrando nesse universo. Bava merece ser reverenciado. E tenho dito!

Kojack e o Boneco

Kojack e o Boneco

Serviço de utilidade pública:

Compre o DVD de Lisa e o Diabo na coleção Obras-Primas do Terror 2 aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. […] Lisa e o Diabo, por exemplo, é o auge dessa estética imagética concebida cinematograficamente por Bava. Aqui em Rabid Dogs, vemos um filme sujo, cru e cruel, regado de uma tensão e claustrofobia limítrofes, conduzindo uma sinfonia de morte e horror não pelo viés gótico e sobrenatural, uma das marcas registradas do diretor, ou pelas suas incursões no próprio giallo, como em Seis Mulheres para o Assassino, mas sim, pela brutalidade e maldade humana, mais próximo do que fez em A Mansão da Morte, por exemplo. […]

  2. Diego disse:

    a legenda está dessincronizada

    • Oi Diego. Existem alguns programas na Internet que você pode arrumar bem fácil a legenda, como o Subtitle Edit ou Subtitle Workshop para Windos e Sub Doctor e Subs Facoty para Mac.

      Abs

      Marcos

  3. […] para um Assassino ou Mata Bebê, Mata ou mesmo de produções mais recentes, como a obra prima Lisa e o Diabo. Mas muito do problema do filme não é a direção de Bava, que ainda assim em seus vinte minutos […]

  4. André Coletti disse:

    Marcos, acompanho seu blog há um tempo já e como algumas legendas estão indisponíveis, vou postar as que eu arrumei pra mim aqui pra disponibilizar para todos. Essa da Lisa e o Diabo está aqui:
    http://www.opensubtitles.org/en/subtitles/5720764/lisa-e-il-diavolo-pb

  5. Weiner disse:

    A Versátil Home Video acabou de lançar esse filme, na coleção obras-primas do terror volume 2!
    Vamos adquirir esse ótimo lançamento!

  6. […] lata me lembrou o caso de Mario Bava com seu Lisa e o Diabo que virou A Casa do Exorcismo, quando Alfredo Leone forçou o mestre italiano a abandonar a sua […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: