317 – Corrida com o Diabo (1975)

race_with_devil_poster_01

Race With the Devil

1975 / EUA / 88 minutos / Direção: Jack Starrett / Roteiro: Lee Frost, Wes Bishop / Produção: Wes Bishop, Lee Frost (não creditado), Paul Maslanky (Produtor Executivo) / Elenco: Peter Fonda, Warren Oates, Loretta Smith, Lara Parker, R.G. Armstrong

 

Existem alguns filmes que simplesmente são a cara da década em que foram lançados. E Corrida com o Diabo com certeza é um desses. Sucesso do grindhouse e dos drive-ins, esse road movie de terror e aventura é um daqueles programões divertidíssimos, com tudo que não podia faltar em um filme dos anos 70.

Começa com a presença de dois pesos pesados fodásticos no elenco principal: Peter Fonda e Warren Oates. Com uma química impressionante a dupla segura a ponta como dois sujeitos normais perseguidos impiedosamente pelas estradas sulistas americanas por um bando de satanistas.  Adicione a isso a expertise do diretor Jack Starret, também famoso por outros filmes B e blaxploitation da época e um roteiro que claro, em tempos de O Exorcista, traz magia negra e rituais satânicos como motes.

A trama é bem simples: dois amigos de longa data, Roger Marsh (Fonda) e Frank Stewart (Oates) resolvem pegar suas esposas, Alice (Loretta Swift) e Kelly (Lara Parker) e metê-las em um novo motorhome todo equipado, comprado por Frank, e sair do Texas com direção a Aspen para tirar as primeiras férias juntas em anos e esquiar. Certa noite, estacionados em um campo aberto, após muita bebedeira e conversa fiada jogada fora, eles avistam uma grande fogueira no meio do nada, e descobrem que lá está sendo palco de um sabá.

Para piorar as coisas, os dois são testemunhas oculares de um ritual de sacrifício, onde uma garota é assassinada. Só que o sacerdote descobre a presença dos bisbilhoteiros (que ficam todos animadinhos quando veem que está rolando uma orgia com mulheres nuas, mas depois cagam nas calças com a sua morte), e isso dará início a uma insana e demente perseguição dos dois casais pelas estradas do deserto do Texas. Desacreditados pela polícia (ou talvez eles fizessem parte do conluio também, como os próprios personagens sugerem) e no meio de uma conspiração satânica onde parece que absolutamente todo mundo da cidade (e das adjacências) estão mancomunados com o capeta, os personagens principais precisam lutar sozinhos por suas vidas.

Peter Fonda naipe!

Peter Fonda naipe!

Entre uma corrida desenfreada regada a balas e rachas em alta velocidade no sol escaldante do deserto, com outras cenas de puro terror psicológico ou suspense arrastado, como aquela incômoda impressão de estarem sendo observados e cada passo premeditado (o cachorro de estimação deles é esfolado e pendurado na porta do trailer; cascaveis peçonhentas são colocadas no armário; obstáculos colocados no meio das estradas para atrasá-los ou desviar seus caminhos; telefones que não completam ligações), Corrida com o Diabo é um daqueles perfeitos exercícios de cinema, acertando absolutamente na dose, e com um final dos diabos, se me permite o trocadilho infame.

Entre uma daquelas famosas lendas urbanas do cinema, Jack Starret clama que ele contratou satanistas de verdade como extras do sinistro culto ocultistas dos rednecks endemoniados que perseguem os dois pobres sujeitos e suas esposas. Provavelmente só jogada publicitária, claro, mas que a missa negra seguida de sacrifício é bastante crível, e que todos aqueles personagens matutos, desdentados e com olhar parvo e sinistro são de meter medo, ah, isso não tenha a menor sombra de dúvida.

Fora isso, fica aquela mensagem famosa em vários filmes de terror de como turistas não tem vez, principalmente em lugares pequenos e inóspitos, onde há uma espécie de lei e código de conduta interno que se faz valer. Principalmente se parado para pensar que eles estavam em uma situação de conforto total, em seu RV luxuoso (com mini-bar, forno de microondas, TV em cores e estéreo), e que isso de nada vale quando se colocado em uma tensão limite de descontrole e coerção, abordado nesse tipo de suspense onde forasteiros são tratados com hostilidade simplesmente por estar em um ambiente desconhecido e não fazerem parte do “esquema”, geralmente vistos como esnobes ou ricaços/ intelectuais da cidade grande. Parecido com Sob o Domínio do Medo de Sam Peckinpah ou Amargo Pesadelo de John Boorman, só para citar dois filmes da mesma década.

Resumindo, Corrida com o Diabo é um filmaço daqueles. Anos setenta gritando alto. Se você é fã deste tipo de filme, ou de road movies, ou de filmes de perseguição, ou mesmo de um bom e velho terror ocultista, com um final sensacional, não deixe de conferi-lo.

Trabuco!

Trabuco!

Serviço de utilidade pública:

Compre o DVD de Corrida com o Diabo aqui.

Download: Filme + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. Cross (Clausner) disse:

    Boa dica. Não o conhecia e já encontrei o dvd.Obrigado.
    Lembrando: Estamos em 1975. O filme The Stepford Wives (Esposas em Conflito) será comentado né?

  2. Paulão Geovanão disse:

    E finalmente chegamos ao ano de 1975

  3. […] feita para TV, Encurralado, de Steven Spielberg e pegando carona (com o perdão do trocadilho) em Corrida com o Diabo de Jack Stattett, O Carro – A Máquina do Diabo do veterano Elliot Silvestein funciona como um […]

  4. Rodrigo disse:

    Adorei o site de vocês, e os filmes dos anos 70 me lembra muito as noites de corujão dos anos 80 e começo dos 90 tinha cada filme divertido… infelizmente o link deste filme está off se vocês conseguirem arrumarem agradeço… e mais uma vez o site é show!!!

  5. […] o clássico das reprises da madrugada, Encurralado de Steven Spielberg, mais A Morte Pede Carona e Corrida com o Diabo. Eis que depois de muitos anos ao revê-lo para esta humilde resenha, minha maior surpresa foi o […]

  6. OtavioGomes Filho disse:

    Marcos, também conhecido como “o cara que pingava sangue”…rs

    O link parea baixar esse filmaço já era…

    Seria possivel postar outra vez ???

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: