326 – Trilogia de Terror (1975)

9jnygzhpnbsmu8suebogk2j3k2q

Trilogy of Terror

1975 / EUA / 72 min / Direção: Dan Curtis / Roteiro: William F. Nolan e Richard Matheson / Produção: Dan Curtis, Robert Singer (Produtor Associado) / Elenco: Karen Black, Robert Burton, John Karlen, George Gaynes, Jim Storm, Gregory Harrison

 

Os anos 70 foram frutíferos em interessantíssimos filmes feitos para a TV, principalmente tratando-se do cinema de horror. Temos como bons exemplos Encurralado, de Steven Spielberg e Balada para Satã de Paul Wendkos, além de diversos outros, é claro. Trilogia de Terror é mais um para entrar nesta lista.

Produzido e dirigido por Dan Curtis (criador da série Dark Shadows, que inspirou aquela besteira sem tamanho feita por Tim Burton recentemente) essa antologia com três contos de terror foi ao ar pela ABC como um piloto de uma série de histórias de terror aos moldes de Além da Imaginação que acabou não vingando. Inspirado claramente pelos filmes portmanteau que a Amicus vinha produzindo até então na Inglaterra, as três histórias são baseadas em contos do excelente Richard Matheson (ele escreve inclusive o roteiro da terceira e melhor história do filme) e todos tem a atriz Karen Black como protagonista, em papeis diferentes.

Karen é uma das inusitadas rainhas do cinema de terror. Morta em agosto deste ano aos 74, a já indicada ao Oscar® e Globo de Ouro de Melhor Atriz tem em seu currículo Sem Destino, Cada um Vive Como Quer, O Grade Gatsby (de 1974), Trama Macabra (de Alfred Hitchcock), Aeroporto e Nashville. Mas foi após sua participação em Trilogia de Terror que sua carreira começou a engendrar pelo gênero. Seu nome perfeito para o cinema de horror, sua boca carnuda e olhos levemente estrábicos e seus papeis excêntricos, renderam a ela tanto participação em clássicos como A Mansão Macabra, também de Curtis e o remake de Os Invasores de Marte de Tobe Hoober, como em produções tipicamente B, como O Peixe Assassino, A Ilha dos Monstros (terceira parte da trilogia Nasce um Monstro de Larry Cohen) e Reflexo do Demônio. Em 2003 foi resgatada pelo roqueiro metido a diretor Rob Zombie em A Casa dos Mil Corpos, onde viveu a Mãe Firefly.

Professora fatal

Professora fatal

No primeiro segmento, “Julie”, Karen interpreta a professora de literatura americana Julie Eldrich. Subitamente em uma manhã no campus, o estudante Chad (Robert Burton) sente-se estranhamente atraído pela professora, que não é nem um pouco sexy e atraente, usando aqueles tailleur cafonas, óculos fundo de garrafa e mantendo o cabelo preso em um coque demodê. Chad então insiste em convidar Julie para sair e ambos acabam indo a um drive-in (onde está sendo exibido o filme Pânico e Morte na Cidade, também escrito por Matheson) após muita insistência do universitário e relutância da professora. Chad droga a moça e leva-a para um quarto de motel (dando o nome de Sr. e Sra. Jonathan Harker na recepção, em alusão aos personagens de Drácula, de Bram Stoker) e tira fotos da mulher nua em uma grande variedade de posições sexualmente provocantes (infelizmente isso nós não vimos). Chad passa a chantageá-la para que ela faça tudo que ele queira. Porém, no final do conto vamos ter uma inesperada reviravolta, quando descobriremos algo de maligno na professora e que esse jogo sexual controlado por Chad não é bem o que parece.

O segundo conto, “Millicent and Therese”, traz Karen Black fazendo um papel duplo, como a pudica e reprimida morena Millicent, e sua irmã devassa e diabólica, adoradora do oculto, Therese. Milli está determinada de que Therese é malvada e vive da dor e sofrimento das pessoas, e que após a morte do pai de ambas, está cada vez mais fora de controle. Mesmo contra a recomendação do médico da família, Dr. Chester Ramsey (George Gaynes – mais conhecido da garotada dos anos 80 – eu incluso – por seu papel em Punky, a Levada da Breca e como o comandante Eric Lassard em Loucademia de Polícia), Millicent resolve por fim na vida da irmã e acabar com seus feitios malignos, usando uma boneca de pano vodu. O final do conto é dos mais óbvios possíveis, que já sacamos assim que Theresa aparece em cena com sua feia peruca loura.

O último episódio, é o créme de la créme do filme. “Amelia”,  escrito por Matheson baseando em seu conto, é o mais famoso e emblemático segmento, onde Karen Black vive a personagem do título, caçada em seu apartamento por um boneco tribal possuído pelo espírito de um maligno guerreiro Zuni chamado “Aquele que Mata”. Certeza que você já viu por aí esse boneco zulu de madeira com sua boca escancarada cheia de dentes pontiagudos e carregando uma lança. Amelia mora sozinha em um apartamento, após uma traumática separação da mãe protetora e controladora e compra o boneco em um feira de curiosidades para dar ao seu caso, um professor de antropologia da universidade. Após uma discussão com a megera e um profundo sentimento de culpa, Amelia cancela o encontro e passa sua sexta à noite tentando sobreviver da caçada imposta pelo boneco que ganhou vida após a corrente de ouro que mantinha seu espírito preso cair. É como se fosse o Chucky versão caçador tribal africano. O final, meu amigo (ideia da própria Karen Black – que está simplesmente fantástica) é simplesmente genial e um dos mais memoráveis momentos do cinema de horror.

Trilogia de Terror é uma das mais interessantes e bacanas antologias de terror do gênero. Claro que hoje em dia se você não é um entusiasta deste estilo e fã dessas produções típicas dos anos 70, não irá achar nada demais. Mas o filme é redondinho e te prende nos seus curtos 72 minutos de duração. Em 1996, Dan Curtis dirigiu Trilogia de Terror 2, sequência deste daqui, que mais uma vez traz de volta o boneco Zuni, que se tornou uma daquelas figuras icônicas do horror.

Uga buga!

Uga buga!

Serviço de utilidade pública:

O DVD de Trilogia de Terror não foi lançado no Brasil.

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. Rafael disse:

    Belo texto!

    Me lembrou o nacional “Trilogia Do Terror” de 1968 com direção de Ozualdo Candeias, José Mojica e Sergio Person (por incrível que pareça).

    http://www.imdb.com/title/tt0063721/

    Tem texto dele aqui no site??

  2. Cross (Clausner) disse:

    Assisti um “Trilogia do Terror” que tinha um cara com uma cabeleira que não parava de crescer. Acho que era do John Carpenter e tinha o ‘Luke skywalker’… Tem alguma ligação com esse?

    • Não tem ligação nenhuma, Cross. É a eterna confusão dos títulos que os filmes ganham aqui no Brasil. Esse do John Carpenter no original chama-se Body Bags.

      Abs

      Marcos

  3. […] é focada no casal Ben (Oliver Reed, de A Maldição do Lobisomem) e Marian Rolf (Karen Black, de Trilogia de Terror, também dirigido por Curtis) e seu filho, David, que junto da tia Elizabeth (a estrela Bette […]

  4. RENATO disse:

    O TRILOGIA DO TERROR BRASILEIRO TAMBÉM TEM TRÊS CONTOS,O ÚLTIMO CONTO TAMBÉM É O MELHOR DE TODOS E TEM UM FINAL IMPACTANTE.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: