327 – Tubarão (1975)

Jaws

 1975 / EUA / 124 min / Direção: Steven Spielberg / Roteiro: Peter Benchley, Carl Gottlieb (baseado na obra de Peter Benchley) / Produção: David Brown, Richard D. Zanuck / Elenco: Roy Scheider, Robert Shaw, Richard Dreyfuss, Lorraine Gary

 

Tubarão é o filme da minha vida. Todo mundo tem seu filme preferido. Esse é o meu. É o filme que mais marcou minha infância. O filme que eu já assisti, sei lá, umas 200 vezes e nunca enjoo. O filme que eu sei as falas de cor. O filme que fez eu adorar tubarões e tipo achá-los o máximo até hoje.

Bom, Tubarão é um marco do cinema. Foi o primeiro blockbuster da história da indústria cinematográfica a arrecadar mais de 100 milhões de dólares, estrear em mais de 100 salas simultaneamente, apostar bem alto em marketing, transformar o verão americano no período mais rentável para Hollywood e lançar ao estrelato um jovem nerd que depois se tornaria o diretor mais famoso de todos os tempos, Steven Spielberg. E claro, sem contar ser o responsável por colocar em gerações um instintivo medo da água e estereotipar o peixe como uma máquina de matar perfeita, o que está bem longe da verdade. Fora isso, é um dos poucos filmes em que a adaptação é superior ao livro e que o título em português ficou melhor do que se traduzido ao pé da letra (que seria Mandíbulas!!!).

E definitivamente não foi um filme fácil de ser feito. Spierlberg enfrentou diversos problemas de ordem técnica com o tubarão mecânico, gentilmente apelidado de Bruce, em homenagem ao seu advogado. Tinha tudo para ser um fracasso retumbante. Mas o maior trunfo do filme, o que Spielberg acertou em cheio, foi insistir para ser filmado em mar aberto e não em um tanque, que não convenceria absolutamente ninguém (ou pelo contrário ele iria largar a produção) e mostrar pouco a criatura, elevando o grau de suspense, dando aos espectadores o prazer de ver o monstro cheio de dentes pontiagudos somente depois de mais de uma hora de projeção.

Spielberg no andar da carruagem, decidiu refazer várias cenas colocando o suspense como elemento principal e que não dependesse dos efeitos especiais, porque simplesmente não funcionaria, ficaria tosco. Como ele mesmo disse na época, Tubarão passou de um filme de William Castle para um filme de Alfred Hitchcock. Ao invés de ver o peixe, você apenas vai ouvir a clássica trilha sonora composta por John Willians (que levou um Oscar), tornando-se cada vez mais contundente conforme o tubarão vai se aproximando das pernas dos banhistas balançando dentro das águas plácidas da ilha Amity. Com o perdão do trocadilho, abocanhou mais dois Oscars, melhor edição e melhor som. Foi indicado a melhor filme também.

“Nós vamos precisar de um barco maior˜

A história é baseada no best-seller homônimo de Peter Benchley (que também assina o roteiro), sobre um grande tubarão branco desgarrado que aterroriza as praias da ilha, frustrando os planos de um feriado de 4 de julho perfeito. O chefe de polícia Martin Brody (interpretado por Roy Scheider) quer a todo custo interditar as praias, mas o prefeito, mais preocupado com os dólares dos turistas, resiste a todo custo, até os cidadãos começarem a ser devorados pelo peixe assassino. Com a ajuda do oceanógrafo Matt Hopper (Richard Dreyfuss) e do caçador de tubarões Quint (Robert Shaw), eles partem para o oceano para liquidar com o bicho de uma vez por todas.

Tubarão é pontuado por dois momentos de narrativa distinta. Primeiro é um filme clássico de monstro, com suspense, sangue e pânico generalizado. O segundo é mais parecido com um filme de aventura, onde o improvável trio, composto por um policial que detesta água, um mauricinho estudioso e um durão e rabugento pescador, saem para salvar a ilha. E Spielberg sabe conduzir as duas partes com maestria. E se tratando da primeira metade do filme, acredito que o amolecido diretor nunca mais fará algo tão brutal e sangrento como Tubarão pelo resto de sua vida. Quem poderia imaginar um cara coxinha como Steven, filmar uma criança ser trucidada na praia, espalhando sangue pelo mar ou a antológica cena em que o tubarão devora Quint vivo em seu próprio barco afundando.

E ninguém poderia ter sido mais profético que George Lucas, que ao visitar o set de filmagens junto com Martin Scorcese e John Milius e encarar aquele molde de poliuretano inacabado de sete metros de comprimento em um tanque e olhar o storyboard, disse a Spielberg: “Se você conseguir por metade disso num filme, você terá o maior sucesso de todos os tempos”. Bingo!

Mais insaciável que o vilão, só o apetite por dinheiro dos produtores Richard D. Zanuck e David Brow e da Universal Pictures, que transformaram Tubarão em uma quadrilogia!!! O segundo filme, Tubarão 2, até que é bacana, vai. Mas Tubarão 3, filmado em 3D e o quarto, Tubarão – A Vingança, principalmente, são duas bombas. Todos os filmes acompanham a epopeia da família Brody com tubarões. No terceiro, o filho mais velho do casal, Michael, trabalha em um parque aquático atacado por um tubarão. Já o último da série, meu Deus, um filhote do tubarão do primeiro filme busca vingança (não, você não leu errado) da família Brody, matando o filho mais novo, Sean e partindo em busca de Michael e de Ellen (novamente interpretada por Lorraine Gary, dos dois primeiros longas). Isso sem contar os incontáveis rip-offs

Diga: "Ahhhhhhhhh".

Diga: “Ahhhhhhhhh”.

Serviço de utilidade pública:

Compre o DVD de Tubarão aqui.

Download: Torrent + legenda aqui.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=ucMLFO6TsFM]


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. […] e com um gasto de aproximadamente 6 milhões de dólares em publicidade pela 20th Century Fox (Tubarão havia feito escola), A Profecia não recebeu a atenção de público e crítica merecido em seu […]

  2. rocky disse:

    “Lo Squalo” !!! quantas vezes vi, ou melhor, não vi, pois estava de olhos fechados. Nunca mais me aventurei a entrar no mar além dos joelhos. O neto do tubarão que explodiu pode ainda estar por aí.

  3. […] em que o monstro nada por baixo de Kay, apenas espreitando o momento certo para dar o bote, lembra Tubarão de Steven Spielberg. Outros filmes que me vem a cabeça agora que são “filhos” de O Monstro da […]

  4. […] TV, já nos dá plena noção do porquê do diretor ter sido credenciado para dirigir o imortal Tubarão na sequência. Afinal, o filme é uma tensão e suspense constante, com uma história simples e […]

  5. […] TV, já nos dá plena noção do porquê do diretor ter sido credenciado para dirigir o imortal Tubarão na sequência. Afinal, o filme é uma tensão e suspense constante, com uma história simples e […]

  6. […] por trás dessa fita produzida pela dupla David Brown e Richard D. Zanuck (responsáveis por Tubarão, o filme definitivo de animais assassinos), que se dissipa quando você o assiste mais velho. […]

  7. oscar_b disse:

    O problema foi a maldição por trás do sucesso: o sucesso do filme foi tão grande que acabou inspirando o pessoal da Asylum a fazer seus incontáveis filmes de tubarão.

    • E nem só isso, Oscar. Fora todos as centenas de eco-horror que surgiram por aí, substituindo o tubarão por polvo, orca, jacaré, piranha, urso, rato, e por aí vai…

  8. […] e digno para os fãs tanto das porcarias eco-horror lançadas a rodo nos anos 70 (maldito Tubarão de Spielberg!) quanto do cinema tosqueira em seu estado mais […]

  9. […] Assassina está repleta delas. Às vezes, não sei se agradeço a Steven Spielberg por ter feito Tubarão, que é o filme da minha vida, ou se o amaldiçoo pelo mesmo motivo, devido a quantidade de ataques […]

  10. […] e com um gasto de aproximadamente 6 milhões de dólares só em publicidade pela 20th Century Fox (Tubarão havia feito escola), A Profecia não recebeu a atenção de público e crítica merecido em seu […]

  11. […] rodas possuído pelo demônio”, claramente aproveitando-se dos recentes sucessos de bilheteria de Tubarão e O Exorcista. E a citação no início do filme foi retirada de “A Invocação da […]

  12. […] até mesmo nas cenas quando ele arrasta suas vítimas para o fundo do pântano, aprendendo com Tubarão, de Spielberg, de dois anos […]

  13. […] os anos 70, principalmente por conta do
    estrondoso sucesso de Tubarão, o subgênero eco-horror, onde a fauna
    resolve contra-atacar e mostrar sua fúria aos humanos, foi
    […]

  14. […] todos os spin offs e plágios gerados com o sucesso de Tubarão, de Steven Spielber, Orca – A Baleia Assassina é o mais querido por esse que vos escreve. A […]

  15. […] lá vamos nós com mais uma filme que surge por conta do sucesso de Tubarão de Steven Spielberg. A terrível ameaça marinha da vez é um polvo gigante em Tentáculos, […]

  16. […] os seres humanos, que vai resultar em uma onda de mortes (inclusive nas praias, parodiando agora Tubarão) o que levará o governo e o exército americano a tentar acabar com o problema por duas frentes. A […]

  17. […] em que o monstro nada por baixo de Kay, apenas espreitando o momento certo para dar o bote, lembra Tubarão de Steven Spielberg. Outros filmes que me vem a cabeça agora que são “filhos” de O Monstro da […]

  18. […] chapas, antes que algum retardado saísse por aí destruindo colmeias, como foi o efeito reverso de Tubarão). Tudo bem que suas picadas doem à beça e se você é alérgico ou recebe uma grande quantidade […]

  19. […] o sucesso estrondoso de Tubarão, de Steven Spielberg, claro que houve uma invasão de filmes sobre animais assassinos, e já falei […]

  20. […] do cinema, ainda mais pensando na dificuldade em fazer uma continuação de um filme como Tubarão, o primeiro blockbuster da história do cinema. Claro que não é melhor que o original, afinal, a […]

  21. […] divertido e um dos mais famosos e emblemáticos filmes de eco-horror inspirado pelo sucesso de Tubarão de Spielberg. E acredito que, principalmente por conta dessas reprises, acabou se tornando o mais […]

  22. […] mesmo Anne suplicando a Raoul para que ele cancele o evento (e obviamente ele não o fará, afinal Tubarão já moldou o perfil vitalício capitalista de prefeitos, gerentes de hotel, donos de parques […]

  23. […] Último Tubarão é a deliciosa picaretagem italiana rip off de Tubarão e até mais ainda de Tubarão 2, sequência do arrasa-quarteirão de Steven Spielberg lançado […]

  24. […] bem sabemos, Tubarão de Steven Spielberg foi um puta sucesso e o primeiro blockbuster da história. Até aí tudo legal, […]

  25. […] bem sabemos, Tubarão de Steven Spielberg foi um puta sucesso e o primeiro blockbuster da história. Até aí tudo legal, […]

  26. […] um seríssimo caso de afronta, quando o xerife diz que comparado com essas aranhas, o tubarão de Tubarão de Spielberg parecia um peixinho dourado! Vê se pode essa audácia? Além de o filme querer […]

  27. […] às vezes. Ou não. Parece que a lição importantíssima dada por Steven Spielberg em seu Tubarão que quanto menos mostrar o animal e preservar o suspense melhor, principalmente devido a problemas […]

  28. […] diria que doze anos depois de Tubarão, o primeiro blockbuster do cinema ter se tornado um clássico absoluto, lançado Steven Spielberg […]

  29. […] o final vergonha alheia total, que de novo, funciona como outra cópia mal feita, dessa vez de Tubarão. Pelo menos, tem uma história de pano de fundo interessante que serve como suporte, além de, vá […]

  30. gustavo disse:

    Nem sei quantas vezes já assisti esse filme…..

  31. sandro disse:

    é também o meu filme favorito , o filme da minha vida , se lembro bem a 1 vez na tv foi em 1985

  32. […] Park remete aos bons tempos de Tubarão de Spielberg. Até a estrutura se parece, com a mistura entre terror (mais precisamente o […]

  33. […] sentido narrativo, como já havia nos ensinado Alfred Hitchcock ou mesmo Steven Spielberg com seu Tubarão. Nada de banalizar o monstro e já coloca-lo em toda sua glória e esplendor no começo da fita. […]

  34. […] que No Fundo do Mar é o melhor filme de tubarões desde Tubarão de Spielberg. Tá certo que o peixe voraz nunca mais foi bem tratado nas telas grandes, isso temos […]

  35. […] obviamente se aproveita da cartilha de Tubarão de Spilelberg e na primeira metade do filme mantém o suspense, mostrando pouquíssimas vezes o […]

  36. […] De Volta Para o Futuro está completando 30 anos e quando Marty McFly viajou para o futuro com seu DeLorean em De Volta Para o Futuro II, mais precisamente em 21 de outubro de 2015, nos cinemas estava sendo exibido Jaws 19, décima nona continuação de Tubarão! […]

  37. […] documental, invoca os ensinamentos do mestre Hitchcock, e até mesmo o que Spielberg fez em seu Tubarão durante a primeira metade, de que definitivamente, temos medo muito mais medo daquilo que não […]

  38. […] 3) “Você vão precisar de um barco maior” – Chefe Martin Brody – Tubarão […]

  39. […] Tubarão: Um filme de monstro sobre um tubarão gigante assassino que mata crianças. Com certeza é um filme de terror… não não, é descrito como um “suspense e filme de aventura”. Um filme de aventura! […]

  40. […] ter sido a saturação, de tantas vezes que eu o vi. Mas pera lá, eu já revi muito mais vezes Tubarão, Alien – O Oitavo Passageiro, O Enigma de Outro Mundo, O Exorcista, e claro, toda a hexalogia […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *