337 – O Inquilino (1976)

poster_01

Le Locataire / The Tenant 

1976 / França / 126 min / Direção: Roman Polanski / Roteiro: Roman Polanski, Gérard Brach (baseado na obra de Roland Topor) / Produção: Andrew Braunsberg, Alain Sarde (Produtor Associado), Hercules Bellville (Produtor Executivo) / Elenco: Roman Polanski, Isabelle Adjani, Melvyn Douglas, Jo Van Fleet

 

Roman Polanki deve ter uma certa fascinação por prédios de apartamentos. Pois em O Inquilino, assim como em O Bebê de Rosemary, ou mesmo no anteriormente em Repulsa ao Sexo, grande parte da trama se passa dentro de um apartamento, que o diretor utiliza quase como um personagem para poder contar sua bizarra trama de paranoia e perda de identidade.

Recém saído do brutal assassinado de sua esposa Sharon Tate, Polanski entrega uma fita atormentada e claustrofóbica, que mergulha profundamente nas questões da perda da sanidade humana e no desvio de personalidade, num resultado final assustador. E diferente de O Bebê de Rosemary, onde a mãe se vê em um complô diabólico para dar à luz ao filho do capeta, em O Inquilino, o personagem principal também se vê em meio a um complô, mas dessa vez sem nenhum viés sobrenatural, e sim da sua própria mente que gradualmente vai perdendo a faculdade em distinguir o que é real e o que é loucura.

Trelkolvsky é um tímido e desajeitado imigrante polonês que se muda para Paris (tal qual Polanski, que também interpreta o personagem no filme) e precisa alugar um novo apartamento para morar. Ele vai parar em um prédio antigo, em um apartamento que é um verdadeiro muquifo, cercado de vizinhos estranhos e hostis. Logo em sua primeira visita ele descobre que a inquilina anterior, Simone Choule, havia se jogado da janela e tentado suicídio. Ao visitá-la no hospital, pouco antes dela falecer, ele conhece Stella (a sempre deslumbrante Isabelle Adjani), amiga da garota, com quem acaba se aproximando e tendo um caso.

Polanski #chatiado

Polanski #chatiado

No decorrer da trama, Trelkovsky experimenta a desconstrução da sua personalidade, que começa a girar em torno de Simone, sendo involuntariamente obrigado a tomar café da manhã no mesmo local que ela, fumar a mesma marca de cigarro, andar com as mesmas pessoas, superar as mesmas adversidades e principalmente, ter que suportar os mesmos vizinhos, não impondo-se em nenhuma dessas situações e colocando em risco a perda da sua identidade aos poucos e fazendo com que ele se transforme em Simone, chegando até a se travestir como a antiga moradora do seu apartamento.

Aí pronto, você percebe que o juízo de Trelkovsky está indo para o ralo e começa a ser atormentado por visões surreais e enxergar um conluio de todos às sua volta, e que o objetivo dessa conspiração é que ele tenha o mesmo fim de Simone e acabe se suicidando. E Polanski aproveita para brincar com o espectador e coloca-lo em um jogo de adivinhações para tentar descobrir o que na verdade é fruto do desequilíbrio da mente do personagem e paranoia e o que de fato é alucinação, até seu final complexo e devastador.

Uma pena que com o passar dos anos, Polanski viria a só fazer cagadas tanto no cinema quanto na sua vida pessoal principalmente, incluindo aí uma acusação de pedofilia. Mas em O Inquilino está no auge da sua forma depressiva, fatalista e produtiva, considerado por muitos a melhor obra do cineasta e a mais assustadora delas. E a última relevante do cineasta no gênero.

Graxinha!

Romana Polanska

Serviço de utilidade pública:

O DVD de O Inquilino está atualmente fora de catálogo.

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. Esse e Repulsa ao Sexo sempre foram meus favoritos na “trilogia de apartamentos”, sempre achei “Rosemary” o menos impactante dos 3. Filmaço, recomendo a todos. 8)

  2. Daniel Christianini disse:

    onde está o link para o download?

  3. […] para descrever o longa. O Bloody Disgusting comparou como uma mistura entre Repulsa ao Sexo e O Inquilino de Roman Polanski, com Eraserhead de David Lynch. […]

  4. […] “hipnótico”, e “magistral” e sendo comparado como uma mistura entre Repulsa ao Sexo e O Inquilino de Roman Polanski, com Eraserhead de David Lynch. WOW! Uma jovem solitária se muda para uma […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: