341 – Pânico ao Anoitecer (1976)

town_that_dreaded_sundown_xxlg

The Town That Dreaded Sundown

1976 / EUA / 86 min / Direção: Charles B. Pierce / Roteiro: Earl E. Smith / Produção: Charles B. Pierce, Tom Moore (Produtor Associado), Samuel Z. Arkoff (Produtor Executivo) / Elenco: Ben Johnson, Andrew Pine, Dawn Wells, Jimmy Clem, Jim Citty


Antes do boom dos filmes slasher nos anos 80, antes de Jason Voohrees, Michael Myers e cia, eis que Pânico ao Anoitecer, baseado em fatos reais, trouxe um assassino serial mascarado fazendo algumas vítimas indefesas na cidade de Texarkana, que fica na divisa entre Arkansas e Texas, no sul dos EUA. E olhe que o look do assassino, usando uma máscara de pano para cobrir seu rosto, lembra muito, mas lembra muuuuito mesmo o visual de Jason em sua primeira aparição nas telas, em Sexta-Feira 13 – Parte 2, lançado somente cinco anos depois. Principalmente em uma das cenas em que você o vê segurando uma picareta.

Dirigido, produzido e co-estrelado por Charles B. Pierce, e lançado nos cinemas pela American International Pictures de Samuel Z. Arkoff, como disse lá no primeiro parágrafo, Pânico ao Anoitecer é baseado em uma série de mortes sem solução atribuídas a um serial killer chamado de “Assassino Fantasma”, que matou cinco pessoas na região de Texarkana, Bowie Conunty no Texas e Miller County em Arkansas, entre fevereiro e maio de 1946. O responsável por esses crimes nunca foi descoberto.

Apesar de alardear que apenas os nomes foram alterados para proteger os inocentes, na verdade a trama da fita foi completamente ficcionalizada. O começo parece mais uma daquelas propagandas ideológicas americanas pós-II Guerra Mundial, com um narrador (voz de Vern Stierman) contando sobre as incertezas da cidade de Texarkana após o conflito na Europa, mas para que fiquem confiantes no futuro. Todos viviam suas vidazinhas pacatas de uma típica cidade interiorana, com seus medos e sonhos pertinentes até que na fatídica noite de 03 de Março de 1946, acontece o primeiro crime:

O casal Sammy e Linda Mae é atacado pelo psicopata assassino quando namoravam dentro de seu carro estacionado. Mesmo assim ambos conseguem sobreviver e são levados severamente feridos ao hospital (Linda Mae foi mordida e teve partes de seu corpo mastigadas, por exemplo). Esse crime terrível já liga o alerta da polícia local, representados pelo delegado Norman Ramsey (Andrew Pine), o Xerife Baker (Robert Aquino) e o Chefe de Polícia Sullivan (Jim Citty), que começam a temer que novos ataques aconteçam.

Não, não sou o Jason!

Não, não sou o Jason!

E não dá outra. O casal Howard e Emma Lou são as próximas vítimas, só que dessa vez sem a mesma sorte, sendo brutalmente assassinados. É o início de um clima de pânico que se abate por toda Texarkana quando o sol se põe, com os cidadãos temendo à noite e com dezenas de policias tentando encontrar o assassino, auxiliados pela ajuda do Capitão J.D. Morales (Ben Johnson), famoso investigador criminal e patrulheiro do Texas.

O resto do filme se reveza entre as táticas inúteis da polícia em capturar o Assassino Fantasma e as mortes em si. Algumas são dotadas de verdadeiros requintes de crueldade. Como o casal Roy e Peggy, caçados impiedosamente após o baile de formatura, com o rapaz sendo alvejado por tiros de uma pistola e ela esfaqueada com uma faca acoplada em um trompete (que é uma daquelas mortes das mais bizarras possíveis). Ainda haverá mais um assassinato que irá meter ainda mais pânico na cidade, já que uma mulher e seu marido são atacados dentro de sua própria casa, sendo que os crimes anteriores foram praticados só com quem estava na rua tarde da noite. Ao final, há uma perseguição entre Morales, Ramsey e o assassino, que mesmo alvejado, consegue fugir para o pântano e escapa, criando diversas especulações e encerrando o caso sem solução, tal qual a vida real.

O filme não tem absolutamente nada demais. É mais calcado no lado policial da história e aquele clima semi-documental (com o narrador entrando todo santo momento para explicar o andamento do caso, comportamento da polícia e moradores) do que em um thriller propriamente dito. As cenas de assassinatos até tem seu grau de violência e sangue, mas nunca é o foco e também não são bem exploradas. Uma pena, porque o Assassino Fantasma tinha tudo para se tornar um daqueles vilões icônicos e entrar para o hall da fama dos assassinos slasher do cinema do terror. Potencial ele tem, com seu sangue frio, demência, aparência sinistra com aquele saco de pano na cabeça e sua respiração espaçada e ofegante.

Todos esses pontos do suspense e da violência que poderiam ser melhor aproveitados, terão mais uma chance, já que a MGM anunciou um remake de Pânico ao Anoitecer para ser lançado ainda este ano. A trama se passará 65 anos depois do ocorrido, trazendo-a aos dias atuais, será dirigido por Alfonso Gomez-Rejon (diretor de alguns episódios da série American Horror Story) e com roteiro de Roberto Aguirre-Sacasa, o mesmo da nova versão de Carrie – A Estranha. Resta aguardar.

Aquela que caminha entre as espigas

Aquela que é assassinada entre as espigas

Serviço de utilidade pública:

O DVD de Pânico ao Anoitecer não foi lançado no Brasil.

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

7 Comentários

  1. geo2323 disse:

    Outra bosta de remake

  2. Sergio Campos disse:

    O final é sensacional!! Já passou na Globo com o título de “Assassino Invisível”.

    • Gabriel disse:

      mais o filme e Assassino invisivel o site que esta errado estou baixando aqui mesmo tomare que de certo

  3. eu gortaria de conhecer esse lugar

  4. Marinho disse:

    Essa mulher que estava no milharal não foi assassinada. Ela foi gravemente ferida para o hospital e depois de um longo tempo, se recuperou.

  5. Renan Maia disse:

    Dei sorte de vê-lo quando ficou disponível na Netflix um tempo atrás (com o título original mesmo). O filme tem momentos excelentes, mas realmente perde a chance de investir num suspense. Há alguns momentos de humor completamente desnecessários e que estragam o clima. De qualquer forma vale conferir por ser inspirado em fatos reais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: