344 – O Carro – A Máquina do Diabo (1977)

car_poster_01

The Car

1977 / EUA / 96 min / Direção: Elliot Silverstein / Roteiro: Michael Butler, Dennis Shryack, Lane Slate / Produção: Marvin Birdt, Elliot Silverstein / Elenco: James Brolin, Katheleen Lloyd, John Marley, R.G. Armstrong, John Rubinstein, Elizabeth Thompson

 

Clássicos feitos para TV são o máximo. Sinônimos de outros tempos, a molecada ou adolescentes que cresceram vendo filmes de terror nas reprises da madrugada na TV durante os anos 80 sempre sentem uma grande pontada de saudosismo quando esses filmes são citados, e O Carro – A Máquina do Diabo é mais um desses faceiros exemplos.

Feito nos padrões para ser um enlatado televisivo e seguindo a linha de outro clássico feita para TV, Encurralado, de Steven Spielberg e pegando carona (com o perdão do trocadilho) em Corrida com o Diabo de Jack Stattett, O Carro – A Máquina do Diabo do veterano Elliot Silvestein funciona como um road movie de horror com toque sobrenatural, onde um assustador carro preto toca o terror numa cidadezinha no deserto de Utah. E isso muito antes do Plymouth Fury de Christine – O Carro Assassino de John Carpenter esquentar seu motor (o próprio Stephen King diz ter se inspirado neste filme setentista para escrever seu livro).

Apesar de todas as deficiências orçamentárias e violência contida, pois um filme feito para TV não poderia nunca mostrar os atropelamentos e batidas que a possante e demoníaca máquina promove, o longa investe muito no suspense e em cenas de perseguição muito bem executadas, filmadas sob um sol escaldante em uma paisagem árida. E claro, fica sempre no ar quem diabos (literalmente) estaria dirigindo aquele carro preto funesto com tamanho desejo sádico por sangue e assassinato. E esse é o principal tom que toma O Carro – A Máquina do Diabo interessante, por não trazer um psicopata por trás do volante e sim algo muito mais maligno (como nas interessantes cenas quando temos o POV do motorista, que mesmo o automóvel sendo todo filmado, sua visão é vermelha viva).

A cena de abertura é uma das mais clássicas do cinema de terror (tanto que até foi usada na famosa recente abertura de A Casa da Árvores dos Horrores de Os Simpsons dirigida por Guillermo del Toro, trazendo uma caralhada de referências de filmes de terror e sci-fi). Um casal de jovens está pedalando suas bicicletas na estrada quando o maldito carro chega acelerando e buzinando, perseguindo-os violentamente até jogá-los precipício abaixo. Esse é o estopim de uma série de mortes que tirará o sono do personagem de James Brolin, Wade Parent, policial que transforma-se em xerife após o mesmo chefe da lei local ser mais uma das vítimas do carro assassino.

Carteira de habilitação e documentos do carro, por favor.

Carteira de habilitação e documentos do carro, por favor.

Só que nenhum dos esforços policiais consegue parar o veículo. Nem bloqueios na estrada, nem perseguições, nada detém a sua sede por morte. Pior ainda por Wade ter de se preocupar constantemente com sua namorada, a professora infantil Lauren (Katheleen Lloyd) e suas duas filhas pequenas, as gêmeas Lynn Marie e Debbie. Entre as interessantes cenas do longa, podemos destacar o momento em que há um desfile escolar sendo realizado no deserto, e o tal carro resolve aparecer para aterrorizar as criancinhas, sendo impedido apenas quando elas, junto das professoras, se escondem em um cemitério, e o carro não adentra solo sagrado (o que vai começar a levantar a sua origem sobrenatural por um dos policiais) ou quando subitamente o automóvel aparece na garagem de Wade, acelerando e buzinando ferozmente.

ALERTA DE SPOILER: pule para o próximo parágrafo ou leia por sua conta e risco. Outros dois momentos emblemáticos é quando Lauren liga apavorada para Wade, que está internado no hospital após um fracassado embate, dizendo que a há uma ventania característica à aproximação do carro do lado de fora e ela está ouvindo seu buzinar constante, quando acelerando a todo pau ele simplesmente “pula” pela janela da casa atingindo a moça violentamente e fugindo; e no final quando uma armadilha com dinamites é montada e Wade atrai o carro até um precipício, e enquanto ele cai, uma explosão liberta uma fumaça odiosa, e mesmo que com um efeito especial tosco, uma sinistra face demoníaca de fogo surge no céu e comprova a teoria de que era o próprio Coisa-Ruim que o dirigia.

Interessante é que não foi utilizado nenhum modelo já existente para O Carro – A Máquina do Diabo, e sim construído sobre um 1971 Lincoln Continental Mark III. O possante preto, sem placa de identificação e maçanetas e com uma “feição” realmente maléfica da junção de seus faróis e para-choque metálico foi criado pelo mestre da customização automobilística George Barris, o mesmo que criou o design do batmóvel do seriado do Batman dos anos 60, o Pontiac Trans-Am de A Supermáquina e o DeLorean de De Volta para o Futuro.

A história original de Michael Butler e Dennis Shryack foi vendida para a Universal Pictures pelos produtores Marvin Birdt e Elliot Silverstein como “um tubarão sobre quatro rodas possuído pelo demônio”, claramente aproveitando-se dos recentes sucessos de bilheteria de Tubarão e O Exorcista. E a citação no início do filme foi retirada de “A Invocação da Destruição” presente na Bíblia Satânica escrita pelo líder da Igreja de Satã, Anton LaVey, que até foi creditado como consultor do filme (o que foi na verdade uma pura jogada de marketing). LaVey já havia sido consultor antes de outro famosos filme de terror do gênero, o aclamado O Bebê de Rosemary. Destaque também para a versão eletrônica do hino Dies Irae utilizada na trilha sonora, que é o mesmo utilizado na famosa sequência de abertura de O Iluminado de Stanely Kubrick. Com todos esses requintes, O Carro – A Máquina do Diabo é um clássico das madrugadas.

Hot rod

Hot rod

Serviço de utilidade pública:

O DVD de O Carro – A Máquina do Diabo está atualmente fora de catálogo.

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. […] em estradas, bem comuns em filmes de terror, tendo inspirado diversas produções vindouras como O Carro – A Máquina do Diabo (outro clássico das reprises das madrugadas da TV aberta), o episódio A Benção, da antologia […]

  2. Italo disse:

    Excelente filme de nostalgia. Muito boa as cenas e a historia. O suspense compensa.
    Gostaria de saber quem era o motorista(claro que havia alguém dirigindo para fazer as cenas) do carro na hora de filmar.
    Abraço.

  3. […] A terceira sequência é aquela com a pegada sobrenatural. Lance Henrikssen vive um padre que questiona sua fé no segmento “The Benediction”. Após a morte de um garoto do vilarejo onde fica sua paróquia e deixar de acreditar em Deus, ele pega suas coisas, coloca no porta-malas do carros e abandona a batina, só para ter essa falta de fé testada no meio da estrada, em pleno deserto, quando passa a ser perseguido por uma infernal picape preta toda filmada, aos melhores moldes de Encurralado ou O Carro – A Máquina do Diabo. […]

  4. […] A terceira sequência é aquela com a pegada sobrenatural. Lance Henrikssen vive um padre que questiona sua fé no segmento “The Benediction”. Após a morte de um garoto do vilarejo onde fica sua paróquia e deixar de acreditar em Deus, ele pega suas coisas, coloca no porta-malas do carros e abandona a batina, só para ter essa falta de fé testada no meio da estrada, em pleno deserto, quando passa a ser perseguido por uma infernal picape preta toda filmada, aos melhores moldes de Encurralado ou O Carro – A Máquina do Diabo. […]

  5. jose eduardo correa lopes disse:

    OLHA , EU VI ESSE FILME PELA PRIMEIRA VEZ EM 1987 NO SUPERCINE kkkkk , É UM FILME PARA QUEM GOSTA DE CARRO SINÍSTRO (ASSASSINO ) E ALÉM DE SER UM CARRO COM FORMAS DEMONÍACAS , É UM CULT BACANA , VALE A PENA FAZER DOWNLOAD E ASSISTIR ( EU CONSEGUI FAZER DOWNLOAD DO FILME DUBLADO ) VALE A PENA TENTAR …………..

  6. Claudinei disse:

    Será que as viaturas eram fabricadas na Índia? Sim, porque carro indiano é que pega fogo e explode por qualquer coisa.

  7. Matheus L. CARVALHO disse:

    O arquivo não está disponível.

  8. O filme parece bom, vou procurar. Nao o conhecia. Mas o trailer é muito típico dos anos 70: longo, detalhado e cheio de spoillers. kkkkkkkkkkkkkkkkk

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: