36 – O Homem Lobo (1935)


Werewolf of London


1935 / EUA / P&B / 75 min / Direção: Stuart Walker / Roteiro: John Cotton, Robert Harris (história) / Produção: Stanley Bergerman, Robert Harris / Elenco: Henry Hull, Warner Oland, Valerie Hobson, Lester Matthews, Lawrence Grant


 

Apesar de O Lobisomem de 1941 com Lon Chaney Jr. no elenco ter sido imortalizado como o monstro licantropo oficial e mais famoso da Universal, o estúdio já havia nos mostrado antes a primeira aparição da amaldiçoada criatura peluda que se transforma nas noites de lua cheia em O Homem Lobo, de 1935.

Claramente, alguns elementos de O Homem Lobo serviram como referência fundamental para o filme de George Waggner lançado seis anos depois. E grande destaque para a evolução de maquiagem do mestre Jack Pierce, responsável pelo monstro nas duas produções, como se o filme de Stuart Walker funcionasse como um laboratório de como seria a aparência de Lon Chaney Jr., e mais ainda, os primórdios da técnica de trucagem de imagens e sobreposição para mostrar a metamorfose de homem em lobo, também usada no clássico já citado.

O começo de O Homem Lobo lembra bastante o começo de Um Lobisomem Americano em Londres, dada sua devida proporção. São dois jovens andando por um terreno inóspito, atacados por um lobisomem, que passa a maldição para o mordido. Aqui, são dois botânicos ingleses que estão em uma expedição ao Tibete para procurar uma rara planta que só floresce nas noites de lua cheia, e mais tarde seria descoberta como um antídoto para a licantropia.

O Dr. Glendon, que foi mordido, consegue encontrar o espécime e o traz para Londres, enquanto fica trancafiado em seu laboratório para tentar desenvolver uma máquina que reproduza a luz da lua para fazer o botão florescer, negligenciando completamente sua esposa Lisa, bem no exato momento em que seu namorado de infância, o americano Paul Ames, chega à capital inglesa e começa a reviver várias memórias com a mulher. Olha só o Dr. Glendon dando brecha para levar um par de chifres.

Lobisomem e cientista!

Pois bem, chega a fatídica noite de lua cheia, e ignorando os avisos do misterioso Dr. Yogami, que diz já ter encontrado o Dr. Glendon brevemente no Tibete (adivinha quem era o Dr. Yogami??? Hein???), o botânico se transforma na criatura peluda, espalhando o terror nas ruas de Londres, com seus uivos tenebrosos e ataques a mocinhas indefesas. Aqui a caracterização da criatura leva traços muito mais humanos, que por exemplo, o lobisomem de Lon Chaney. Apesar de ter o rosto modificado com presas e crescimento de uma extensa barba, além de pelos nas mãos e braços, Glendon utiliza roupas normalmente, além de capa e boina para esconder sua feição monstruosa. Parece mais um gatuno do que uma aberração em si.

Caçado pela Sctoland Yard e tendo que esconder esse terrível segredo da mulher e amigos, a única forma de Glendon escapar da maldição é conseguir cultivar a planta, enquanto precisa evitar que Yogami roube seus espécimes e tentar não colocar em risco a vida daquelas que ama, inclusive Lisa.

Apesar dessa coisa de planta servir como antídoto ser bem idiota na verdade, O Homem Lobo tem um final bastante pessimista e trágico, o que garante uma boa diversão, além de uma direção segura e um ritmo bem construído, fazendo com que o filme flua bem e prenda a atenção do espectador.

Também conhecido por aqui como O Lobisomem de Londres, é bem indicado para aqueles fãs do gênero que querem saber como foi o debute dessa terrível e mortal lenda nas telas de cinema.

O verme passeia na lua cheia


[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=ZSpJdIe4X2o]


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. […] 1935, O Homem Lobo (aka O Lobisomem de Londres) foi a primeira incursão do licantropo no cinema. Sem perder muito […]

  2. […] anteriormente nos clássicos da Universal, como o próprio O Lobisomem com Lon Chaney ou o anterior O Homem Lobo. Claro que não há o dedo do mago da maquiagem Jack Pierce para a criação do monstro, mas Clay […]

  3. […] na criatura ao ser atacado por outro lobisomem durante uma excursão ao Tibete. Lembra-se de O Homem Lobo de 1935, também da Universal? Pois é, mesma […]

  4. […] lá atrás, quando a Universal lançou O Homem-Lobo em 1935, e popularizado quando Lon Chaney Jr. viveu Harry Talbot e ficou amaldiçoado em toda noite […]

  5. […] atendo ao básico do filme de lobisomens (incluindo aí uma bela homenagem ao primeiro do gênero, O Homem Lobo, da Universal, sendo exibido na televisão e assistido por […]

  6. Pilar disse:

    Eu queria dizer que esse filme é simplesmente nojento kkk.. e nao pelo lobisomem, o monstro..heh..ele é ate muito simpatico..até pediu desculpa no final, na hora da morte… o acho nojento sao as duas velhas comendo… eu nem vou dizer o q acontece..mas sinceramente perdi um pouco a vontade de comer, que dira olhar outras pessoas comerem.. o q era algo prazeroso pra mim até..eu to muito chateada que devia ter um aviso de cenas nojentas pela equipe 101 horror movies.. mas tudo bem pq o trabalho de vcs é fera

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *