367 – Damien: A Profecia II (1978)

4710

Damien: Omen II

1978 / EUA / 107 min / Direção: Don Taylor / Roteiro: Stanley Mann e Mike Hodges, Harvey Bernhard (história) / Produção: Harvey Bernhard, Charles Orne (Co-produtor), Joseph Lenzi (Produtor Associado) / Elenco: William Holden, Lee Grant, Jonathan Scott-Taylor, Robert Foxworth, Nicholas Pryor

 

Damien: A Profecia II é a continuação do sucesso satânico A Profecia, lançado dois anos antes e dirigido por Richard Donner. E vou lhe dizer que acho uma sequência até decente, trazendo o garoto que é o anticristo e nasceu de um chacal, agora em sua puberdade, próximo de completar 13 anos de idade e descobrir sua real função neste mundo.

Claro que não tem a mesma aura macabra do primeiro filme (que é um clássico absoluto e indiscutível) e pouca profundidade psicológica, principalmente com relação ao garoto (vivido por Jonathan Scott-Taylor), focando-se muito mais na contagem de cadáveres e em algumas situações que parecem repeteco do original. Mas isso não desmerece o filme a meu ver, principalmente os nuances que trazem uma conspiração satânica em larga escala de indústrias, exército e política, para continuar os ensinamentos de Damien e conduzi-lo ao seu lugar de “direito”.

Fora também a questão da perda de inocência, afinal, imagine você tem lá seus 12, 13 anos e descobre que é o filho do capeta, nasceu de um chacal, sua história está ali detalhadinha no livro do Apocalipse, e cabe a você tornar-se o governador do mundo para jogá-lo na danação? Como se o nascimento de espinhas, mudança na voz, hormônios em ebulição e começar a reparar nas garotas não fossem mudanças suficientes para deixar qualquer adolescente maluco. Uma das melhores cenas do longa que desconstrói esse complexo e coroa a tomada de decisão do garoto é quando ele está com seu primo no meio da floresta coberta de neve (e aí não vou contar o que acontece para não fazer nenhum SPOILER).

O capetinha cresceu

Adolescência é um inferno!

Com um orçamento de 5,2 milhões de dólares, o dobro de A Profecia, claramente o filme funciona muito mais como uma das famosas continuações caça-níqueis encomendadas por estúdios de Hollywood. Mas pelo menos, como time em que está ganhando não se mexe, resolveram voltar a elementos já explorados no primeiro filme, sem desvirtuar-se completamente do roteiro escrito originalmente por David Seltzer (que se recusou a escrever uma continuação), como aconteceu, por exemplo, com outra sequência de outro emblemático filme do período: O Exorcista II – O Herege.

A trama começa com Carl Bugenhagen (Leo McKern), aquele mesmo que havia alertado o pai de Damien na cidade de Meggido e lhe dado as adagas para assassinar o moleque, avisando um amigo arqueólogo sobre as profecias de que Damien é o anticristo ao ver a morte de Robert estampada no jornal e que sua face está pintada nas antigas ruínas que representam a Prostituta da Babilônia. Porém, um misterioso desabamento dá cabo da vida dos dois. Sete anos mais tarde, Damien vive com seu tio, o poderoso empresário Richard Thorn (William Holden, que recusou o papel no primeiro filme, dado a Gregory Peck, e obviamente percebeu que fez uma burrada, não hesitando em voltar para a segunda parte), casado com Ann (Lee Grant) e com um filho, Mark (Lucas Donat), melhor amiguinho do filho da besta.

Uma jornalista que pesquisava a vida de Bugenhagen, Joana Hart (Elizabeth Sheperd) descobre a verdade e tenta avisar Charles Warren (Nicholas Pryor), amigo de Richard que está por trás da exibição das escavações de Meggido em um dos museus geridos pelos Thorn. Mas ela acaba sendo morta por um corvo agourento que ataca (que aparecerá durante todo o longa, como um verdadeiro enviado de satanás), jogando-a no meio da estrada quando um caminhão a atinge, e mais tarde Warren ficará completamente louco com a descoberta. Ou seja, uma série de personagens vai aparecendo na trama sequencialmente, e toda vez que descobrem alguma coisa: BINGO!, eles são mortos.

Pintura não sacra

Prostituta da Babilônia

Nesse ínterim, Damien estuda em uma escola militar, sob a batuta do Sargento Neff (vivido pelo eterno android Bishop da franquia Alien, Lance Henrikssen) que é mais um mancomunado nessa conspiração satânica para educar o garoto, e quem lhe fará a importante revelação de sua origem, poderes e missão (numa cena mal aproveitada pacas). Fora isso, Paul Buher (Robert Foxworth), outro satanista, que em determinado momento por conta de uma trágica morte, torna-se o inescrupuloso presdiente das empresas Thorn, começa a movimentar os peões do tabuleiro de xadrez para usar a sua influência mundial por meio da multinacional tentando controlar a fome no planeta e abrir as asas de seu poder, preparando terreno para a ascenção de Damien que veremos em A Profecia III – O Confronto Final.

Os maiores problemas da produção são seu roteiro, com algumas falhas, personagens subaproveitados e uma formulinha padrão seguido à risca durante toda a produção, fora a incapacidade dos personagens em conseguir ligar A com B (e quando o fazem, são desacreditados ou assassinados na sequência), e a direção burocrática e nada inspirada de Don Taylor, que substituiu Mike Hodges por conta das famosas “diferenças criativas” após algumas cenas já terem sido rodadas (e aproveitadas no resultado final).

Damine: A Profecia II não é um grande filme de terror, e muito menos um marco para o gênero como seu antecessor, mas como disse lá no primeiro parágrafo, é uma continuação bastante decente e vale a conferida.

Vestido para matar

Vestido para matar

Serviço de utilidade pública:

Compre o DVD de Damien: A Profecia II aqui.

E o Blu-Ray aqui.

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. Filipe Roque disse:

    Quando sai a crítica sobre Nosferatu – O Vampiro da Noite,remake do clássico de 1922?

    • Oi Filipe, tudo bem? Em breve já deve estar no ar. Estamos em 1978, e Nosferatu – O Vampiro da Noite é de 1979, então como a lista está em ordem alfabética cronológica, logo menos deve pintar por aí.

      Obrigado.

      Abs

      Marcos

  2. Paulão Geovanão disse:

    E ainda tem um quarto que foi feito direto pra TV.

  3. mnasom disse:

    Puttz!Baixei mas ta sem as legendas:(

  4. mnasom disse:

    ahhh sim ta junto com o arquivo do torrents:)

  5. […] mitologia do filho das trevas que irá trazer o Apocalipse para a Terra, a sequência caça-níquel Damien: A Profecia II fez o nível cair por apostar no mais do mesmo e a sua conclusão aqui, dirigida por Graham Baker, […]

  6. jorgeip disse:

    Tanto a parte 2 como 3 estão sem legendas. onde consigo?

  7. Paulo Ricardo disse:

    Sabe q assistiu n cine em 78 ? Steve Harris . lider do Maiden , q teve a idéia do álbum Number of the Beast …… sabia dessa ? Abraço !

  8. […] música foi escrita inspirada em um pesadelo do fundador da banda, Steve Harris após ver o filme A Profecia II e na história do poema “Tam o’ Shanter“. “The Number of the Beast” […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: