387 – O Assassino da Furadeira (1979)

driller-killer-movie-poster-1979-1020213758

The Driller Killer

 1979 / EUA / 96 min / Direção: Abel Ferrara / Roteiro: Nicholas St. John / Produção: Douglas Anthony Metro (Produtor Associado), Rochelle Weisberg (Produtora Executiva) / Elenco: Jimmy Laine, Carolyn Marz, Baybi Day, Harry Shcutlz, Alan Wynorth

 

Esse filme deve ser assistido ALTO! Assim somos apresentados ao cult O Assassino da Furadeira, de Abel Ferrara. Um filme completamente retardado, punk rock, transgressor, violento e imundo.

É uma produção doentia e chapada, sobre a escória, sobre o caos social e sobre a insanidade humana gerada pela vida na maldita metrópole de Nova York. A falta de perspectiva, de grana, a aporrinhação, o caos urbano, o barulho ensurdecedor… São todos os motivos que levam um artista plástico frustrado e falido, que inconsequentemente, tocando um foda-se, pega uma furadeira e sai matando sem tentos, a torto e a direito, nas noites da Big Apple. Já dizia LCD Soundsystem: “NY I Love You, But You Bring me Down!”

Abel gastando ridículos 20 mil dólares, com uma estética tosca e suja, interpretando o papel principal do frustrado pintor Reno Miller (usando o pseudônimo de Jimmy Laine) faz uma reflexão anarquista da descida ao inferno provocada por percalços da vida moderna e os males da megalópole. Sem grana para pagar o aluguel, vivendo com duas roommates, sendo uma sua namorada, não conseguindo finalizar seu próximo quadro pelo qual está obcecado (um búfalo gigante com um olhar hipnótico) para tentar vender a uma galeria de arte e tendo que aguentar uma banda de punk vizinha ensaiando dia e noite para tocar em uma espelunca qualquer, Reno simplesmente surta de vez, acometido por acessos de loucura que o fazem começar a chacinar os mendigos com sua furadeira, e mais tarde, partir em busca de vingança contra o galerista que lhe humilhou ou sua namorada que o deixou na mão e voltou para o ex, um burguês cosmopolita ridículo.

Lobotomia

Lobotomia

O Assassino da Furadeira preza pela não coerência. A edição parece vomitada na tela e é visivelmente amadora. Tem horas que parece que você está assistindo a um videoclipe de uma banda, de tanto que mostra os infelizes ensaiando ou tocando no show. É o imediatismo de querer capturar nas telas, lá no final dos anos 70, a efervescência do movimento punk de NY, o uso de drogas, a decadência moral da sociedade e meter de vez o prego no caixão do sonho americano.

Mas essa podreira experimental de Ferrara, que tem toda uma filmografia maldita no currículo, tornou-se cultuada exatamente por todo esse caos e barulho, e retrato de uma geração e de uma Nova York suja e decadente, mais ou menos como Scorcese fez com seu Taxi Driver, só que ligado no 220V. Por isso O Assassino da Furadeira é um dos trabalhos mais admirados do diretor.

E Ferrara ainda arrumou um espaço para cutucar a Igreja Católica em vários simbolismos espalhados pelo filme (a primeira cena se passa dentro de uma igreja; Reno utiliza a furadeira pela primeira vez ao inconscientemente fazer o formato de uma cruz ao furar a porta para uma de suas colegas de apartamento; um dos mendigos é crucificado…) e inserir inspirações de Repulsa ao Sexo, de Roman Polanski, como o explodir das suas alucinações, o confinamento em um apartamento decadente e até um coelho pelado que Reno ganha de presente, que serve como estopim de onde começa a deixar fluir seu sadismo.

O Assassino da Furadeira é um deleite para os fãs do cinema transgressor. Por mais que não seja uma festival de sangue e exploitation como sei lá, The Toolbox Murders ou outros exemplares gore do cinema europeu, ou impactante e demente como O Massacre da Serra Elétrica, é uma ode à perdição, trash, visceral, impossível de ser feitos nos dias de hoje. Mas que serviu de retrato visual de um conturbado período e como influência para pencas de diretores que viriam depois, como os próprios Robert Rodriguez e Quentin Tarantino, entre outros.

Vermelho é a cor mais quente!

Vermelho é a cor mais quente!

Serviço de utilidade pública:

O DVD de O Assassino da Furadeira está atualmente fora de catálogo.

Download: Torrent + legenda aqui


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

5 Comentários

  1. Vinter disse:

    se a bandidagem do Brasil assistir este filme vão começar a usar furadeira também.

  2. Fernando disse:

    Olha só! Consegui ver esse filme porque ele tá disponível na sessão on demand gratuito da GVT-TV. Quem diria!

  3. […] que pegaram o espírito dos anos 70, como A Mansão da Morte de Mario Bava, The Toolbox Murders e O Assassino da Furadeira, e precedeu o que viria a se tornar um fenômeno no gênero na década seguinte, com a explosão […]

  4. […] 70 e 80, que já havia sido explorada em longas como o icônico Taxi Driver de Martin Scorcese e O Assassino da Furadeira de Abel Ferrara, por […]

  5. […] NY que era muito bem retratada em filmes do período, como o Táxi Driver de Martin Scorcese e O Assassino da Furadeira de Abel Ferrara, entre outros) e os mendigos que vivem lá embaixo estão passando por essa […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: