390 – Drácula (1979)

4944

Dracula

1979 / EUA, Reino Unido / 109 min / Direção: John Badham / Roteiro: W.D. Richter (baseadono livro de Bram Stoker e na peça de Hamilton Deane e John L. Balderston) / Produção: Walter Mirisch, Tom Pevsner (Produtor Associado), Marvin Mirisch (Produtor Executivo) / Elenco: Frank Langella, Laurence Olivier, Donald Pleasence, Kate Nelling, Trevor Eve, Jan Francis

 

Drácula de 1979, dirigido por John Badham é uma espécie de remake da Universal para seu absoluto clássico da Era de Ouro, dirigido por Tod Browning e com Bela Lugosi no papel do Conde, lançado em 1931. E ambos foram inspirados na peça da Broadway escrita por Hamilton Deane e John L. Balderston, e não no livro de Bram Stoker.

Por isso, tome licença poética e não espere que seja uma adaptação fiel ao texto do escritor irlandês publicado em 1897. Várias mudanças consideráveis são feitas no roteiro de W.D. Richter, incluindo aí uma verdadeira dança das cadeiras dos personagens. Mina vira filha de Van Helsing, a noiva de Jonathan Harker é Lucy, que por sua vez é filha do Dr. Seward e Renfield nunca foi para Trânsilvânia como corretor (e tampouco Harker, e tampouco ninguém na verdade, pois o filme corta toda a ação que se passa na Romênia tendo início no navio já transportando o vampirão para a Inglaterra eduardiana, matando toda a tripulação).

Drácula é vivido magistralmente por Frank Langella, considerada por muitos a melhor interpretação do Conde. Aristocrata, charmoso, sensual, porém maligno quando preciso, o sujeito é um Drácula boa pinta, de fala mansa, olhar hipnótico, dando outra persona para o monstro que antes já havia sido imortalizado por Lugosi em Drácula e até mesmo por Christopher Lee nos filmes da Hammer, com se debute em O Vampiro da Noite. E em comum com Lugosi, Langella havia interpretado o vampiro nos palcos, exatamente no segundo revival da peça na Broadway, que estreou em 1977. O produtor Walter Mirisch o viu e na hora decidiu fazer o filme e escalá-lo para o papel, com a condição do ator de que não usasse presas escorrendo sangue de sua boca (ah, puxa!!!).

O veterano e ganhador do Oscar® e Globo de Ouro Laurence Olivier vive o Prof. Abraham Van Helsing, nêmese de Drácula, que vem da Holanda para Londres por conta da trágica morte da filha Mina (argh!!!), chamado pelo Dr. Seward (papel de Donald Pleasence, inicialmente cotado para ser o famoso caçador de vampiros, mas preferiu um papel menor para não ficar muito parecido com seu personagem Dr. Loomis em Halloween – A Noite do Terror de John Carpenter). Nisso, Drácula já está bem alocado na Abadia de Carfax que adquiriu por intermédio de Jonathan Harker (Trevor Eve), havia sugado o sangue de Mina (Jan Francis) e transformado-a em uma desmorta louca pelo sangue de bebês.

Safadinhos...

Safadinhos…

Lucy (Kate Nelligan) já está caidinha pelos encantos vampirescos de Drácula e então se inicia uma corrida contra o tempo unindo Harker, Seward e Van Helsing para que ela não vire definitvamente uma comcubina das trevas e seja levada para a Trânsilvania. Tudo isso em meio a fotografia, direção de arte e figurinhos impecáveis, creditados para Gilbert Taylor, Brian Ackland-Snow e Julie Harris respectivamente. Atrevo-me a dizer que, dadas as devidas proporções, está ali pau a pau com todo o fru-fru e estilização de Drácula de Bram Stoker de Francis Ford Coppola.

Langella, indicado ao Tony pelo seu papel nos palcos, certa vez disse sobre sua interpretação como Drácula: “eu não o faço como uma criatura assustadora. Ele é um homem nobre, um homem elegante com um problema muito difícil, com um único e distinto problema social: precisa de sangue para viver e é imortal”. E toda sua construção de personagem é baseada nesse preceito. Mas o vampiro-mor de Langella também sabe ser do mal quando precisa, tentando hipnotizar Van Helsing, quebrando o pescoço de Renfield quando é traído, lutando contra os intrépidos heróis no mausoléu da abadia ou no porão do navio e principalmente quando utiliza seus poderes transmorfos para se tornar lobo (pela primeira vez no cinema vemos essa capacidade mágica do vilão) e claro, em morcego.

Ponto também para a direção segura e deslumbrante de Badham que originalmente queria filmá-lo em preto e branco, usando a cenografia e costumes da peça, assim como o Drácula original, mas foi vetado pela Universal. Mesmo assim, a fotografia remete a uma época romântica abusando de tonalidades cinza, preto, branco e dourado, além do excelente uso de luz e sombra e elementos artificiais como uma constante e densa névoa e emaranhados de teias de aranha na morada do monstro, tudo cuidadosamente planejado para envocar a atmosfera perfeita.

Drácula é um belo e lascivo filme. Está longe da importância do filme de Lugosi, do viés popularesco dos filmes da Hammer com a audácia maligna de Christopher Lee e mesmo da opulência visual do filme vindouro de Copolla. Peca na “tal liberdade poética” alterando vários elementos chaves do livro, mas é ainda assim uma adaptação digna e classuda, diferente de muita bobagem que vemos por aí (e inclua isso a podreira recente de Dario Argento).

Você está sob meu domínio...

Você está sob meu domínio…

Serviço de utilidade pública:

O DVD de Drácula está atualmente fora de catálogo.

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

4 Comentários

  1. Realmente, um dos melhores filmes sobre Drácula que eu já vi. Já o assisti muitas vezes, inclusive recentemente baixando na NET, mas a imagem estava muito ruim, estou baixando aqui para ver se a imagem está melhor. Tem um climão e aquela parte da vampira nas catacumbas me assustou muito quando criança!

  2. Paulão Geovanão disse:

    O Drácula depois virou o Esqueleto do He-Man

  3. Alexandre disse:

    Faltou falar da trilha de John Williams, um dos pontos altos do filme.

  4. Sete disse:

    Muito obrigada!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: