412 – A Mansão do Inferno (1980)

inferno_1980_poster_italian

Inferno

1980 / Itália / 107 min / Direção: Dario Argento / Roteiro: Dario Argento / Produção: Claudio Argento, Salvatore Argento e Guglielmo Garroni (Produtores Executivos) / Elenco: Leigh McCloskey, Irene Miracle, Eleonora Giorgi, Daria Nicolodi, Sacha Pitoëf

 

É a vez da Mater Tenebrarum dar as caras em A Mansão do Inferno, de Dario Argento. Concebido para ser a segunda parte da chamada “Trilogia das Mães”, que se iniciou em Suspiria (onde somos apresentados à Mater Suspiriorum – lançado três anos antes) e concluiu-se apenas 27 anos depois em 2006, com O Retorno da Maldição – A Mãe das Lágrimas (com a faltante Mater Lacrimarum).

Pois bem, Dario Argento é Dario Argento. E em um filme onde ele está plenamente acompanhado de ninguém menos que Mario Bava (em sua última participação em uma obra cinematográfica antes de sua morte no mesmo ano), acumulando diversas funções não creditadas como operador de câmera, técnico de luz, efeitos visuais, segundo diretor de unidade e até dirigindo os atores em algumas cenas (como todas as cenas onde a atriz Irene Miracle está presente), certeza que seria um espetáculo visual magnífico.

Claro, que depois de uma obra prima como Suspiria ser apresentada, Argento não consegue atingir o mesmo impacto (e ele até clama como sendo um dos seus filmes menos preferidos, por conta de problemas durante a produção e uma crise de meningite que lhe atacou na época). Visualmente impecável, com todo seu soberbo jogo de luz e sombras, abuso de cores quentes e frias e misé-en-scene na medida, A Mansão do Inferno a meu ver peca pela tentativa de criar uma “complexidade desnecessária” no roteiro, com um final que deixa a desejar e encher o longa de personagens apenas para mata-los das mais diversas e brutais formas, como se fosse um slasher.

Mãe das Trevas!

Mãe das Trevas!

Misturando mais uma vez elementos sobrenaturais com a narrativa típica do giallo, A Mansão do Inferno tenta elucidar um pouco mais sobre a história das chamadas Três Mães, três malignas e poderosas bruxas que controlam o mundo da morte, creditadas pelo antigo Varelli, alquimista que escreveu um compêndio sobre as Mães e construiu para cada uma delas uma casa em três cidades diferentes do globo: em Friburgo (que já havíamos visitado em Suspiria), em Nova York (local onde se passa a trama) e em Roma (explorada no último filme da trilogia).

Na narrativa entrecortada onde mal consegue se identificar os protagonistas e suas escusas motivações, Rose Elliot (Irene Miracle) fica obcecada em estudar as Três Mâes por conta de um livro que adquiriu do antiquário Kazanian (Sacha Pitoëff) e descobre que justamente o prédio de apartamentos decadente em que ela mora em Nova York é a casa construída para a Mater Tenebrarum, a Mãe das Trevas. Temendo por sua vida, Rose envia uma carta ao seu irmão, Mark (Leigh McCloskey) que estuda música em Roma, para que ele venha a seu encontro para ajuda-la. Esse acontecimento irá desencadear uma série de assassinatos violentíssimos contra todos aqueles que tentam se aproximar da verdade.

Daí para frente, Argento simplesmente para de desenvolver sua história, que vai voltar às pressas somente no final do terceiro ato, para distribuir personagens, um mais excêntrico que o outro e parcialmente sem nenhuma importância à trama, para serem estraçalhados, da já costumeira forma grosseira, porém poética, de Argento conduzir seus assassinatos, sempre ao melhor modelo giallo (nunca mostrando quem são os malfeitores – alguns usam as já famosas luvas de couro preto, e outras tem longos dedos com unhas afiadas) com facas e cutelos atravessando gargantas, vidros sendo usados como guilhotinas e por aí vai, tudo acompanhando pela exagerada e afetada trilha sonora de Keith Emerson.

Conjuntivite da brava!

Conjuntivite da brava!

Destaque para a bizarríssima morte de Kazanian, que vive sendo importunado por gatos durante todo o longa e resolve dar cabo dos bichanos ensacando-os e jogando no rio. Deficiente, podendo apenas se locomover de muletas, Kazanian depois de seu trunfo cai na beira do imundo rio e um exército de ratos aparece para começar a devorá-lo vivo. Implorando por socorro, um sujeito que trabalha em uma carrocinha de cachorro quente escuta-o e sai correndo em sua direção. Então você pensa que ele vai salvá-lo, quando não, na real, o mesmo empunha uma faca e começa a golpear a garganta do pobre diabo. Baita sequência.

Bem lá no finalzinho, Argento depois de esbanjar litros e litros de guache emulando sangue ao melhor estilo filme italiano de terror, há uma reviravolta que envolve Mark, Varelli e finalmente conhecemos a tal Mãe das Trevas, seguida de uma ridícula e desnecessária transformação dela na imagem da morte, onde parece que foi usada uma daquelas fantasias que se compra na Ladeira Porto Geral e funciona com um baita anticlímax. Pô, Dario…

Claro que é indiscutível e inegável o talento de Argento. O que faz A Mansão da Morte ser um senhor filme de terror é o apreço dele pelo cinema, por todos os pequenos detalhes com os quais se constrói um longa metragem (que ele teve total controle), a acurácia visual de nos jogar em um mundo tétrico de pesadelos imagéticos e mais ainda, pelo apreço ao cinema fantástico, ao sobrenatural, jogando todos ali na sina de uma maldição impossível de se escapar, já que  somos vítimas de uma força demoníaca terrível que recai sobre meros mortais, e o o que fazemos de melhor é deixa-las quietas e não tentar entende-las ou domina-las, mantendo o nível de violência sempre lá em cima. Acredito que qualquer outro diretor fracassaria de forma retumbante e seu resultado seria risível, coisa que Argento não o faz.

Adivinha quem é?

Adivinha quem é?

Serviço de utilidade pública:

Compre o DVD de A Mansão do Inferno na coleção Obras-Primas do Terror 2 aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. Serei sincero com vocês, da trilogia este também é o que menos gosto. Até o Mãe das Lágrimas, com aquelas bruxas sequeladas comedoras de bebês ficou melhor, mas este é confuso, sem climax e ele realmente errou a mão. Mas não é seu pior trabalho (como Card Player e Drácula 3D, que são de sofrer assistindo). Grande postagem, abração. 8)

  2. […] obra-prima Prelúdio Para Matar, Dario Argento voltou sua câmera para o sobrenatural em Suspiria e A Mansão do Inferno. Mas ele retorna ao gênero depois sete anos com […]

  3. eduardo macedo disse:

    CORREÇÃO: A trilha sonora não é da banda Goblin, e sim de Keith Emerson, que havia deixado o ELP, um ano antes do filme.

  4. […] obra-prima Prelúdio Para Matar, Dario Argento voltou sua câmera para o sobrenatural em Suspiria e A Mansão do Inferno. Mas ele retorna ao gênero depois sete anos com […]

  5. […] do diretor, iniciado em Suspiria (com todos os demais filmes tendo seu título original em latim: Inferno, Tenebre, Phenomena) que ora engendrou pelo sobrenatural, ora pelo suspense italiano. Mas […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: