419 – Viagens Alucinantes (1980)

Altered-States-Poster-1

Altered States

1980 / EUA / 102 min / Direção: Ken Russell / Roteiro: Paddy Chayefsky (baseado em sua obra) / Produção: Howard Gottfried, Stuart Baird (Produtor Associado), Daniel Melnick (Produtor Executivo) / Elenco: William Hurt, Blair Brown, Bob Balaban, Charles Haid, Thaao Penghlis

  

Viagens Alucinantes é um título que realmente faz jus ao filme em questão, pois o longa de Ken Russell é realmente uma viagem alucinante. Uma explosão sensorial lisérgica de sons e imagens que leva o espectador as mais diversas e bizarras alucinações de um cientista em busca da exploração plena de suas teorias sobre os estados alterados.

O problema é que existe um filme no meio disso tudo. Você não vai conseguir manter mais de 100 minutos de projeções calcadas apenas nessas trips alucinógenas de um excelente William Hurt, em seu debute no cinema. E Ken Russell é Ken Russell né? O cara é obcecado pelo visual, pelo desconexo, pelo impacto imagético das cenas que conduz querendo meter todos os assuntos possíveis e imagináveis que lhe apatecem em uma salada mista. E quando neste caso ele foi chamado às pressas para a direção no lugar de Arthur Penn, o trem fica ainda mais desgovernado.

O que isso tudo quer dizer? Espere por uma experiência cinematográfica visual única, principalmente nas cenas, digamos, com o personagem chapado, misturado com uma narrativa complexa, prejudicada por uma péssima edição que não consegue fazer uma elipse temporal de cinco, dez anos de forma decente, e uma explosão de diálogos intelecutalóides e teorias das mais estapafúrdias possíveis, daquelas que são duras mesmo de engolir.

Lisergia

Lisergia

Escrito por Paddy Chayefsky, baseado em seu próprio livro, (mas que assina aqui com o pseudônimo de Sidney Aaron, por conta de não ter gostado do resultado final e das frequentes brigas com Russell, principalmente por conta do jeito peculiar do inglês dirigir atores e conduzir os diálogos) Viagens Alucinantes baseia-se brevemente no trabalho do neurocientista (e pesquisador de golfinhos, para você saber) John Cunningham Lilly, que inventou o tanque de isolamento e foi o primeiro a tomar drogas submerso dentro do equipamento. E claro, aproveitando todos os resquícios da herança cultural das pesquisas com alucinógenos e psicotrópicos de Timothy Leary, Carlos Castañeda, Charles Tart, Robert Ornstein, Arthur Deikman e Aldo Huxley.

Pois bem, Hurt faz o papel do surtado Dr. Edward Jessup, que tal qual Lilly mete-se em um tanque e depois de usar drogas pesadas, começa a ter várias alucinações (principalemente de cunho sexual e religioso – incluindo aí uma imagem de Cristo com cabeça de bode, com sete olhos e quatro chifres e visões muito particulares do inferno) na tentativa de atingir desesperadamente um estado alterado de consciência que irá levar sua mente para o início da criação humana. Ele é auxiliado pelos doutores Arthur Rosenberg (Bob Balaban) e Mason Parrish (Charles Haid) e até advertido por eles do perigo de suas experiências (que obviamente ele não dará a mínima) e também acaba conhecendo e se casando com a antropóloga Emily (Blair Brown), com quem terá filhos e se desquitará nessas passagens de tempo desconexas do filme (onde personagens não envelhecem e continuam usando até as mesmas roupas).

As experimentações de Jessup tomarão uma nova escala quando viaja para o México e toma um sinistro chá de cogumelo preparado pelo shamã de uma tribo das cavernas e aí sim entra em parafuso, sendo atacado por imagens assustadoras (novamente a maioria de cunho sexual, religioso e existencial), se ver em um turbilhão de diversas sensações cósmicas trancedentais permeado por fogos de artifício e uma cacofonia ensurdecedora. O que deveria deixar a maioria cabreira e considerar uma baita bad trip, causa o efeito contrário em Jessup que leva a droga para os EUA e volta a experimentá-la dentro do tanque de água.

INRI

INRI

Daí meu, amigo, o outrora proeminente cientista vai embarcar na “viagem alucinante”, transportar sua consciência ao momento do início da vida em sua alucinação e isso fará com que mudanças genéticas comecem a ocorrer em seu metabolismo, e pasmem, Jessup irá regredir a um estado primata, do elo perdido, e sair pelas ruas da cidade tocando o terror e caçando animais em um zoológico. A regressão continua posteriormente (porque o sujeito é obstinado) até ele quase se transformar em uma massa disforme espectral que representa a sopa primordial que deu origem a vida. Maluquice, não é?

Agora o que tem de se dar o braço a torcer são os incríveis efeitos especiais (não esqueça que estamos no ano de 1980, tá?) da equipe de David Domeyer (que substituiu John Dykstra quando o diretor Arthur Penn também saiu do barco), os efeitos de maquiagem da equipe de Dick Smith (o mesmo que faria Scanners – Sua Mente Pode Destruir no ano seguinte) e a trilha sonora de John Corigliano junto da edição de som, esses duas últimas categorias indicadas ao Oscar®.

Viagens Alucinantes é um filme de extremos. Ame ou odeie. Se você estiver no clima (não estou incitando ninguém a tomar ácido para assiti-lo, tá?) você consegue aproveitar bem essa experiência cinematográfica intensa, mesmo apesar de todas as inverossimilhanças do roteiro, a tratativa leviana e apelativa do assunto, os devaneios de Russell e as trapalhadas na edição e na fotografia.

Disforme

Disforme


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. […] especiais Dick Smith, responsável pela maquiagem de O Exorcista, A Sentinela dos Malditos e Viagens Alucinantes, entre […]

  2. […] de Tim Burton), A Sentinela dos Malditos, Fome de Viver, Scanners – Sua Mente Pode Destruir, Viagens Alucinantes, e nada mais nada menos que O Exorcista, tendo ainda ganhado o Oscar® por Amadeus, em […]

  3. Maya Cris disse:

    “[… ]as mais diversas e bizarras alucinações […]”
    De fato, hehe…
    Agradeço, se puder me passar, algumas indicações de filmes alucinantes como esse!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: