42 – O Filho de Frankenstein (1939)


Son of Frankenstein


1939 / EUA / P&B / 99 min / Direção: Rowland V. Lee / Roteiro: Wyllis Cooper / Produção: Rowland V. Lee / Elenco: Boris Karloff, Basil Rathbone, Bela Lugosi, Lionel Atwill


 

Depois da A Noiva de Frankenstein, era hora de outro parente dar título a um novo filme da famosa criatura trazida à vida e eternizada por Boris Karloff, saciando a insaciável vontade da Universal em explorar seus monstros até a última gota e continuar faturando alguns trocados em cima deles. Estou falando dessa vez de O Filho de Frankenstein, lançado em 1939, um ano após Drácula e Frankenstein terem voltado aos cinemas e despertado novo interesse no público.

Mas diferente, por exemplo, de A Filha de Drácula, O Filho de Frankenstein na verdade é um excelente filme, e um dos melhores da era de ouro do cinema de terror da Universal, seguindo muito bem os passos dos dois filmes anteriores e mantendo a qualidade lá em cima, mesmo sem James Whale na direção, que não havia se adaptado à nova chefia do estúdio, uma vez que os Laemmles perderam o controle do estúdio de 1936 e Whale foi chutado. O diretor Rowland V. Lee segurou muito bem as pontas, com uma direção impecável e fotografia belíssima, remetendo aos filmes do começo da década com forte influência do expressionismo alemão, principalmente tratando-se de composições de cenários.

O elenco é espetacular. Um show a parte. Quatro dos principais atores do cinema de terror da década de 30 estão juntos nessa fita, e todos eles estão simplesmente fantásticos. Karloff aqui retorna pela última vez como o monstro incompreendido que o catapultou ao estrelato. Seu melhor amigo dessa vez é Ygor, um corcunda condenado à morte que sobreviveu ao enforcamento, que vive como um pária da sociedade. Lugosi faz o papel de Ygor, em uma atuação magnífica, mesmo que contentando-se em um papel secundário. Na verdade nessa altura do campeonato Lugosi já estavam em plena decadência e passando por uma difícil situação financeira. Inicialmente seu papel era minúsculo e ele ganharia uma mixórdia de salário, sendo explorado pelos chefões do estúdio. Mas indignado com a situação, o diretor Rowlando V. Lee foi aumentando sua participação e importância na trama, fazendo assim com que Lugosi ganhasse um salario mais decente.

It’s alive? Hein?

Basil Rathbone faz o papel do Barão Wolf von Frankenstein, o tal filho de Franekenstein (afinal nunca se esqueça que Frankenstein é o cientista, e não o monstro, como muita gente ainda erra, e isso é até comentado no próprio filme, onde indignado com o tratamento sempre dado a seu pai, Wolf diz que nove em cada 10 pessoas confundem o nome da criatura com o pai).  Também é digno de uma atuação excelente. Detalhe que Rathbone, eternizado como Sherlock Holmes nos filmes do personagem na déacada de 40, acabou substituindo Peter Lorre, de M, O Vampiro de Dusseldorf e Dr. Gogol – O Médico Louco, que não pode fazer o papel por motivos de saúde. Completa o quarteto o também sempre eficiente Lionel Atwill como o inspetor Krogh, outro grande nome do cinema de horror, que já havia atuado em filmes como O Morcego Vampiro, Os Crimes do Museu e A Marca do Vampiro.

Bom, Wolf Frankenstein volta à sua terra natal já com a pecha de ser filho do cientista louco que espalhou a desgraça pelo local, trazendo a sua infame criatura à vida. Além de viver sob o preconceito do vilarejo, ainda terá de lidar com a polícia e os magistrados sempre suspeitando de que uma hora ou outra ele seguirá os passos do pai. E é claro que ele vai fazer isso, quando descobre que o monstro está vivo através do ferreiro Ygor, que o salvou da destruição e ajuda Frankenstein a reconstruir o laboratório do pai e curá-lo em um novo processo de galvanização, tentando limpar o nome do progenitor.

Porém Ygor começa a conduzir a criatura para servir como instrumento de sua vingança pessoal, matando os oitos juízes que o condenaram a forca por roubo de cadáveres, trabalho que fazia para que Henry Frankenstein, o pai, desse continuidade em suas experiências. Wolf e o Inspetor Krogh devem tentar impedir a criatura, que irá se voltar contra a família do Barão e sequestrar seu filho, levando-o até o laboratório para o embate final.

A velha e boa turba enfurecida

Karloff, com um novo figurino, agora usando um colete de pele de animal bem demodê em cima da já sua famosa roupa preta esfarrapada, dá adeus a criatura saindo por cima da carne seca, em mais um excelente filme desse clássico personagem da literatura, antevendo que a Universal continuaria explorando a imagem do monstro, mas sem mais nada de novo a acrescentar e trazendo somente mais do mesmo, sem aquele conteúdo psicológico complexo apresentado nos dois primeiros filmes. Aqui mesmo, ele já está mais cruel e inteligível em relação aos anteriores, sem demonstrar aquele toque de compaixão e inocência que rondava sua imagem. Daí para frente o monstro se tornaria uma alegoria, resumindo-se a um simples assassino em O Fantasma de Frankenstein e A Casa de Frankenstein, e chegando até a sair na mão com o lobisomem em um crossover do estúdio.

Uma curiosidade é que originalmente O Filho de Frankenstein era para ser produzido à cores. Mas a Universal resolveu voltar atrás da ideia depois do resultado não sair como esperado, principalmente no que se diz respeito a maquiagem de Karloff e o seu estranho tom de verde. Isso na verdade acabou contribuindo com o filme, que pode explorar a fotografia preto e branca, utilizando muito bem o jogo de luz e sombra, ambientação de cenários (alguns pintados, ao melhor estilo expressionismo alemão, que ficaria muito tosco se fosse colorido) e figurino.

O Filho de Frankenstein infelizmente não fez tanto sucesso quanto seus dois antecessores, e não teve a mesma receptividade do público, talvez já cansado da fórmula, que ainda viria a ser repetida diversas outras vezes, com essa e outras franquias de monstros da Universal. Posteriormente a fita ganhou seu devido reconhecimento da crítica e não deixa nada a desejar à saga do criador e de sua criatura.

Ele quer um coração… Pera, não é outro filme?



Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. […] que Boris Karloff não interpreta o monstro, tendo pulado do barco (sabiamente) antes de afundar em O Filho de Frankenstein. Agora quem herda o papel da criatura é Lon Chaney Jr., credenciado pelo seu papel em O Lobisomem, […]

  2. […] Mel Brooks (para os mais novos que talvez não o conheça, ele é pai de Max Brooks, o escritor de “Guia de Sobrevivência a Zumbis” e “Guerra Mundial Z”, adaptado recentemente ao cinema) acerta em cheio na sua parceria com o gênio da comédia Gene Wilder (que além de O Jovem Frankenstein, sempre me fará lembrar de seu papel em Cegos, Surdos e Loucos, ao lado do também gênio Richard Prior) revivendo o livro de Mary Sheley e misturando elementos de pelo menos três filmes da série da Universal: Frankenstein e A Noiva de Frankenstein de James Whale e O Filho de Frankenstein. […]

  3. Walace Rover disse:

    a Legenda esta desordenada com o tempo da voz , tentei diversos leg. mas nenhuma bate amigo

  4. […] horror daqueles tempos contracenam juntos (ainda repetiriam a dose em O Corvo, O Raio Invisível e O Filho de Frankenstein). Também o que apresenta uma das tramas mais sinistras em seus temas e […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *