420 – Os Vivos Serão Devorados (1980)

p9SYR

Mangiati vivi! / Eaten Alive

1980 / Itália / 92 min / Direção: Umberto Lenzi / Roteiro: Umberto Lenzi / Produção: Mino Loy, Luciano Martino / Elenco: Robert Kerman, Janet Agren, Ivan Rassimov, Paola Senatore, Me Me Lai, Mel Ferrer


Já sabe né? Quem viu um filme de canibais vindo da Itália, já viu todos. Mas Os Vivos Serão Devorados apesar de explorar uma fórmula que traz sempre mais do mesmo, afinal todas as ideias vigentes no ciclo italiano canibal foram repetidas à exaustão, mostra-se uma grata surpresa e um dos melhores exemplares do gênero.

E o porque disso? O cineasta Umberto Lenzi, especialista no assunto e diretor de O Mundo Canibal, exatamente o pontapé original do gênero em 1972, consegue trazer um certo frescor colocando na velha história do homem branco perdido na selva em meio a cenas de gore chocantes, canibalismo, estupro, castração, crueldade com animais e muita mulher pelada, uma subtrama sobre uma seita pagã conduzida por um homem louco.

Inspirado pelo Reverendo Jim Jones e sua seita que cometeu suicídio em massa na Guiana em 1978, Lenzi apresenta Jonas Melvyn, interpretado por um ótimo Ivan Rassimov, um desses malucos religiosos que cria no meio do mato uma tal de Igreja da Purificação, predestinada a servir como refúgio para homens se livrarem do caos da tecnologia e deixar para trás a civilização moderna. Acontece que Jonas é completamente xarope, usa o fato de estarem cercados por uma tribo canibal nos arredores para fazer seus prisioneiros, e utiliza-se de poderosos venenos e alucinógenos para manter todo mundo ali no cabresto.

Mas é Friboi mesmo?

Mas é Friboi mesmo?

Pois bem, o assassinato de três pessoas diferentes (uma no Canadá e duas em Nova York) levam a polícia a encontrar uma filmagem amadora em 8mm de Jonas e sua seita praticando alguns rituais pagãos. Com isso eles fazem conexão com Diana Morris (Paola Senatore), dada como desaparecida e que aparece nessas filmagens. A irmã de Diana, Sheila (a bela loura Janet Argen), interessada em saber do paradeiro da irmã, contata o famoso antropólogo Prof. Carter (participação especial do veterano Mel Ferrer) que acaba por deduzir que aquela cerimônia foi realizada em algum lugar da Nova Guiné.

Como Sheila é cheia da grana, ela contrata o badass Mark Butler (Robert Kerman, figurinha carimbada dos filmes de canibais, que já havia estrelado Cannibal Holocaust e O Último Mundo dos Canibais – ambos de Ruggero Deodato), para ajudar a localizar o seu paradeiro. Ao se embrenharem no meio do mato, o casal vai parar no povoado controlado por Jonas, e descobrem a verdadeira índole daquele messias. Não vai demorar muito para ele começar a drogar Sheila para praticar suas fantasias sexuais com ela (que envolve um imenso consolo de madeira embebido em sangue sendo penetrado na garota, pintá-la toda de dourado e usar chicotes e afins), tal qual fez com sua irmã anteriormente. Bom, só resta a Mark, Sheila e Diana, auxiliada pela nativa Moware (Me Me Lai, outra que já apareceu peladinha em diversos filmes do ciclo) tentar escapar da garra opressora de Jonas e sua turma, e ainda tentar sobreviver aos terríveis antropófagos sujos, desgranhentos, desdentados e cabeludos que estão loucos para fazer uma boquinha.

De resto, é aquilo que já estamos acostumados: brutalidade em seu grau máximo, com efeitos especiais toscos e sangue do mais falso possível, tudo para poder chocar, incluindo aí as malfadadas cenas de animais sendo devorados e executados friamente pelos indígenas em frente às câmeras. Tudo isso em meio aquele ambiente exótico da selva tropical e as cerimônias ritualísticas das tribos.

Goldfinger

Goldfinger

Detalhe é que além de você ter a impressão de estar vendo sempre o mesmo filme, aqui REALMENTE você estará vendo os mesmos filmes de fato, porque várias cenas de longas anteriores são editadas e utilizadas aqui. Do próprio Mundo Canibal de Lenzi, há um crocodilo sendo aberto por uma pequena faca e uma mulher sendo morta e comida por canibais, de O Último Mundo dos Canibais de Deodato, foi chupinada a cena da morte da atriz Me Me Lay e de A Montanha dos Canibais de Sergio Martino, foi reutilizado uma cena de castração, um macaco sendo asfixiado e comido por uma cobra e um homem sendo devorado na água por um crocodilo. Cara de pau nível italiano MASTER.

ALERTA DE SPOILER. Pule para o próximo parágrafo ou leia por sua conta e risco. Como o roteiro de Lenzi foi vagamente inspirado no Massacre de Jonestown, ocorrido dois anos antes, eis que quando a polícia consegue descobrir o refúgio do famigerado Jonas e sua seita, ele prepara uma poção com veneno de cobra e todos os seguidores praticam suicídio coletivo, com o nefasto vilão desaparecendo sem deixar rastros. É um dos pontos positivos do filme.

Os Vivos Serão Devorados foi lançado pouco mais de um mês depois de Cannibal Holocaust, que é o ápice do ciclo, mas que já mostrava sinais de esgotamento, e é um dos mais cultuados do gênero. Lenzi ainda teria sua última incursão pela selva tropical cheia de gente que gosta de comer gente em Cannibal Ferox, lançado no ano seguinte.

Sobras

Sobras

Serviço de utilidade pública:

O DVD de Os Vivos Serão Devorados não foi lançado no Brasil.

Download: Torrent + legenda (Português PT) aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. […] essa sua última incursão no gênero (um ano depois de ter lançado o também polêmico e famoso Os Vivos Serão Devorados) não é lá grande […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: