422 – Absurd (1981)

rosso-sangue-1981_xvx_119192

Rosso Sangue / Horrible / Monster Hunter / Antropophagous 2 / The Grim Reaper 2

1981 / Itália / 96 min / Direção: Joe D’Amato / Roteiro: George Eastman / Produção: Joe D’Amato, Donatella Donati / Elenco: George Eastman, Edmund Purdom, Annie Belle, Charles Borromel, Katya Berger, Kasimir Berger, Hanja Kochansky

  

A famigerada dupla Joe D’Amato e George Eastman ataca novamente em Absurd. Lembra de Anthropophagus né? Aquela podreira anterior da dupla com o canibal que comia um feto e depois se auto canibalizava, que chocou toda uma sociedade? Pois bem, eis que aqui em Absurd, o lance é recauchutar algumas ideias do longa lançado um ano antes e conseguir fazer um troço ainda pior.

Dirigido por D’Amato (usando um de seus zilhares de pseudônimos, aqui Peter Newton) e escrito por Eastman (sob o pseudônimo de John Cart), Absurd é uma tosqueira só. Roteiro com mais buraco que um queijo suíço, história esdrúxula, fotografia pobre, atuações bisonhas, trilha sonora ridícula, mas (sempre há um mas) com muito, muito gore nas mortes bizarras e violentas. E é isso que importa no final das contas, né?

Bom, Anthropophagus fez um relativo sucesso e dado o que falar no ano anterior, e isso acendeu a luz verde para que outro filme nos mesmos moldes fosse feito a toque de caixa para aproveitar o hype. Tanto que em diversos locais ele ganhou o título de Anthropophagus 2 ou The Grim Reaper 2, vendido como uma sequência mesmo e dane-se. Isso porque as semelhanças são gritantes.

Vamos lá: Eastman novamente incorpora um personagem grego chamado Mikos (em Anthropophagus é Nikos – haja criatividade!) que é um psicopata. Logo no começo da fita ele é perseguido por um padre e tenta pular o portão de uma mansão, mas acaba enfiando o bucho naquelas lanças de ferro. Ferido, ele vai segurando as tripas para fora (em mais uma alusão ao filme citado) até a porta da casa dos Bennet, onde é socorrido e levado para o hospital mais próximo.

De graça, até injeção na testa

De graça, até injeção na testa?

Lá vamos descobrir que Mikos é quase um super-vilão mutante da Marvel. E que o tal padre que o perseguia (Edmund Purdom) é também um geneticista que fez experiências proibidas naquele sujeito, criando um monstro indestrutível, por conta de sua rápida regeneração celular. Eis que ele fugiu das ilhas gregas e ficou à deriva em um barco (Anthropophagus de novo, alguém?) até que a correnteza o levou para nos EUA!!!!! É, não tente entender, deixe quieto. Lá pelas tantas, a aberração acorda do seu coma e temos então um verdadeiro slasher italiano, com Mikos deixando uma coleção de vítimas para trás.

Então vamos aos três momentos que são o créme de la créme do filme. O primeiro é quando o vilão enfia uma broca cirúrgica na cabeça da enfermeira, atravessando seu crânio. O segundo é quando em sua fuga, ele encontra um açougueiro e escalpela o pobre diabo com a sua própria serra de cortar carne. O terceiro é a emblemática cena onde Mikos enfia o rosto de uma infeliz babá (ao voltar para a casa onde foi socorrido, muito do ingrato) no forno até tostá-la viva. Personagens vão surgindo só para serem impiedosamente massacrados pelo algoz gigante.

Mas como o lance de D’Amato é chocar, ele preparou uma das suas ao final da fita. ALERTA DE SPOILER. Pule para o próximo parágrafo ou leia por sua conta e risco. Uma feroz batalha entre Mikos e uma garotinha, Katia Bennett (Katya Berger), que até então estava incapacitada na cama, mas conseguiu se recupera a tempo de confrontar o monstro, acaba com o sujeito sendo decapitado pela menina com um machado. E a mocinha na última cena sai toda ensanguentada da casa, com uma cara de psicótica, segurando a cabeça decepada do monstrengão dizendo para seu irmãozinho que o “bicho papão” havia morrido. Boa, D’Amato!!!

Claro que sem dúvida nenhuma, Absurd entrou na lista dos nasty vídeos, banido pelo BBFC. E são por essas e outras que Aristide Massaccesi, aka Joe D’Amato é um dos diretores mais infames do cinema de terror. Suas obras são cults da bagaceira suja e do mau gosto, sinônimo de técnicas de menos e exploração de mais. Mas para aqueles que apreciam o seu cinema picareta e violento, é um prato cheio.

Perdeu, playboy

Perdeu, playboy

Serviço de utilidade pública:

O DVD de Absurd não foi lançado no Brasil.

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. Rafael disse:

    excelente site, já curtia a página de vocês no facebook mas não sabia que aqui era tão foda hahhauha… parabéns e obrigado pelos downloads!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: