425 – Chamas da Morte (1981)

url

The Burning

1981 / EUA, Canadá / 91 min / Direção: Tony Maylam / Roteiro: Peter Lawrence, Bob Weinstein, Harvey Weinstein e Tony Maylam e Brad Grey (história original) / Produção: Harvey Weinstein, Dany Ubaud (Produtor Associado), Jean Ubaud, André Djaoui e Michael Cohl (Produtor Executivo) / Elenco: Brian Matthews, Leah Ayres, Brian Backer, Larry Joshua, Jason Alexander, Ned Eisenberg

 

Chamas da Morte ou A Vingança de Cropsy como ficou conhecido também aqui no Brasil é um senhor filme slasher! Com certeza um dos melhores já feitos em toda o gênero durante os frutíferos anos 80. De colocar o primeiro Sexta-Feira 13 no chinelo com todo o respeito. E isso por conta de dois simples fatores primordiais: a maquiagem de Tom Savini, que o transformou num belíssimo exemplar de gore, com mortes violentíssimas, e várias garotas nuas com direito a nu frontal.

Talvez o mais interessante de Chamas da Morte, é que ele é um projeto da embrionária Miramax, dos irmãos Bob e Harvey Weisntein, que se tornaria uma das principais produtoras independentes no futuro, com títulos premiados como Pulp Fiction – Tempos de Violência, O Paciente Inglês e Gênio Indomável, entre outros. O próprio argumento, roteiro e personagem foram criados pelos irmãos Weinstein. Isso já dá uma baita credibilidade ao longa nos dias de hoje.

Na trama, nada de novo. Querendo pegar onda no sucesso de Sexta-Feira 13 no ano anterior, e lançado nos cinemas americanos uma semana depois de Sexta-Feira 13 – Parte 2, Chamas da Morte volta ao universo dos acampamentos de verão, dessa vez com um assassino que é uma bela mistura entre Jason Voohrees e Freddy Krueger (que ainda não havia nascido), que mata suas vítimas adolescentes com os hormônios em ebulição máxima com uma afiada tesoura de jardinagem

Churrasquinho de Cropsy

Churrasquinho de Cropsy

Cropsy era um terrível e autoritário zelador do acampamento Blackfoot que adorava tratar mal os adolescentes que passavam ali os seus verões. Até que um dia, um grupinho resolveu pregar uma peça que dá errado, e Cropsy é terrivelmente queimado, ficando desfigurado e passando por um tratamento ineficaz durante cinco anos, com sua pele rejeitando todo tipo de enxerto e transplante.

Claro que ao sair do hospital, Cropsy está mentalmente perturbado, feio que nem o cão e com um implacável desejo de vingança. Pode ser em qualquer acampamento e contra qualquer adolescente. Não importa! O que vale é colocar sua tesoura para funcionar. E ah, como ele coloca. O mestre Tom Savini nos brinda com mortes brutais, sangrentas e exageradas, que eleva o patamar de Chamas da Morte em relação aos seus irmãos slasher.

Uma cena em particular, quando alguns campistas estão em uma jangada e são atacados por Cropsy e sua tesoura, é antológica. É uma daqueles cenas que marcaram minha juventude quando o filme era exibido (sem cortes!!!) na Sessão das Dez no SBT. Os jovens tem a jugular aberta, olhos perfurados, dedos cortados fora, peitos abertos, e tudo o que mais tem direito. Sem economizar no sangue e tudo explícito, sem edição e mortes off screen. É um deleite!

Vão se os aneis...

Vão se os aneis…

Outra cena que me marcou, no auge da minha puberdade é quando uma das menininhas vai nadar nua e ao voltar a terra firme, suas roupas sumiram e estão penduradas em diversos pontos dispersos da floresta. Ela peladinha tem que ficar procurando-as, aterrorizada, até ser atacada pelo assassino e morta sem nenhuma piedade. Afinal, era para isso que serviam os filmes slasher e nisso que a garotada se amarrava. Fora que a maquiagem de Cropsy (que é interpretado por Lou David, de A Morte Convida para Dançar) com seu rosto queimado e putrefato é realmente repugnante. Mais um ponto para Savini.

E além disso, entre os jovens atores de Chamas da Morte estão varias figurinhas que ficariam bem conhecidas por outros filmes. Quer exemplos? Tanto Brian Backer quanto Ned Eisenberg, nos papeis de Alfred e Eddy respectivamente, fizeram um filmes clássico da Sessão da Tarde, Trânsito Muito Louco, que um bando de adolescentes desordeiros perdem a carta de motorista e precisam passar pela autoescola novamente, lembram? Além deles, outro garoto do acampamento, Woodstock, é interpretado por Fisher Stevens, famoso por Hackers – Piratas de Computador, Um Robô em Curto-Circuito (outro clássico da Sessão da Tarde) e a série Early Edition. Mas o mais notável é a participação de um jovem Jason Alexander, o eterno George Constanza de Seinfeld.

Um detalhe curioso pessoal é que por muitos e muitos anos eu lembrava de todas essas cenas que acabei de citar, de um assassino com uma tesoura que matava em um acampamento e mais nada. Era um total branco. E o pior é que não lembrava que o filme se chamava Chamas da Morte (e muito menos A Vingança de Cropsy). Pensava que nunca conseguiria assisti-lo novamente, até que um dia acabei trombando com ele sem querer no IMDB e pude finalmente revê-lo e comprovar que realmente era um baita filme de terror. Obrigado, Internet!

Hora da poda!

Hora da poda!

Serviço de utilidade pública:

O DVD de Chamas da Morte não foi lançado no Brasil.

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. Henrique disse:

    Lembro perfeitamente da primeira vez que assisti a este filme no SBT. Era moleque ainda e a cena do massacre na jangada me impressionou demais. Fiquei chocado com a violência, rs. Foi o primeiro gore sem cortes que vi na tv! Mas nas outras reprises do filme eles acabaram cortando várias cenas. Tenho que rever este filme! Esqueceu de citar a Holly Hunter, que também faz uma participação neste filme.

  2. Jorge disse:

    quais são os seus filmes de terror favoritos?

    • Oi Jorge. Bem, tem vários, mas meu TOP CINCO são: O Exorcista, A Noite dos Mortos-Vivos, A Morte do Demônio, O Massacre da Serra Elétrica e O Enigma de Outro Mundo.

      Abs

      Marcos

  3. Cropsy! Fantástico, eu simplesmente amava este filme! Se querem saber, foi o melhor das cópias de Sexta Feira 13 e Halloween daquela época! Excelente! 8)

  4. Danilo disse:

    Me lembro de assistir trechos desse filme na Bandeirantes, no Cine Suspense que eles passavam antes do Cine Prive, ja havia me esquecido que existia esse filme doido

  5. raphael de araujo disse:

    Filme excelente! Depois de tantos anos e ainda tomei uns sustos, principalmente na cena do massacre na jangada. Aproveitado, poderia postar a trilogia Candyman e Acampamento Sinistro ? Abçs

    • Oi Rapahel. Na lista entrará apenas o filme original dos dois que você citou, mas depois mais para frente, pretendo postar e resenhar a trilogia completa sim!

      Abs

      Marcos

  6. Se não me engano, na época que passava na Sessão das 10, o filme foi chamado por aqui de “A Vingança do Jardineiro”, não? Eu me pelava de medo desses filmes quando criança, nunca tinha coragem de assistir, e hoje em dia… Me divirto pacas. Inclusive, acho que o jogo Clock Tower, do Super Nintendo, que pude jogar há quase dez anos atrás através de emulador, usou o Cropsy como inspiração pra um dos assassinos. Recomendo. xD

  7. […] fato também de Billy Murphy ser um híbrido entre Cropsy  (da pérola oitentista Chamas da Morte) e Jason Voorhees, os verdadeiros vilões de acampamento, é uma deliciosa surpresa, e a trilha […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: