430 – Halloween 2 – O Pesadelo Continua (1981)

url

Halloween II

1981 / EUA / 92 min / Direção: Rick Rosenthal / Roteiro: John Carpenter, Debra Hill / Produção: John Carpenter, Debra Hill, Barry Bernardi (Produtor Associado), Joseph Wolf e Irwin Yablans (Produtores Executivos), Moustapha Akad e Dino De Laurenriis (Produtores Executivos – não creditados) / Elenco: Jamie Lee Curtis, Donald Pleasence, Charles Cyphers, Jeffrey Kramer, Lance Guest

 

Sequências são sempre um problema na história do cinema. É sabido que pouquíssimas vezes uma “parte 2” consegue manter a qualidade do original. Halloween 2 – O Pesadelo Continua, é um desses felizes casos. E mais ainda, ele é importantíssimo para descobrirmos a verdadeira motivação da matança começada por Michael Myers no primeiro filme, e que continua nesse em escala muito maior.

Produzido e escrito por John Carpenter, o que já dá uma baita chancela para a coisa realmente ficar boa, o filme começa exatamente onde Halloween – A Noite do Terror terminou, mesmo se passando três anos do lançamento do seu antecessor. Há até uma rápida repetição do final de Halloween para situar o espectador, com o Dr. Sam Loomis, novamente interpretado por Donald Pleasence, salvando a babá Laurie Strode (Jamie Lee Curtis) alvejando Myers seis vezes até ele despencar da sacada, que mesmo assim, desaparece e consegue fugir.

Laurie (detalhe é que Jamie estava de cabelo curto na época da filmagem, e teve que usar uma peruca tosca durante todo o filme) é levada para o hospital de Haddonfield para se recuperar do ataque do implacável assassino. Já Michael continua sua contagem de corpos pela cidadezinha outrora pacata, que está em polvorosa devido aos estarrecedores acontecimentos daquela noite de Dia das Bruxas. Sempre acompanhado de sua famosa música tema.

Obcecado em ceifar a vida de Laurie, Michael parte para seu encalço no hospital que ela está internada, enquanto o Dr. Loomis e o xerife Leigh Brackett tentam encontrar alguma pista de onde o assassino possa estar escondido. Talvez a grande falha de Halloween 2 é exatamente a ambientação do hospital, onde apenas meia dúzia de pessoas estão trabalhando e o local parece quase que abandonado por completo, com corredores escuros e desertos. Sei que isso é para dar aquele clima assustador ao filme, mas espere aí, um hospital sempre é movimentado, mesmo durante a noite, seus corredores são iluminados e é cheio de enfermeiros de plantão. Não colou!

Novo atendimento do SUS

Novo atendimento do SUS

Essa sequência é mais movimentada, violenta e com maior quantidade de mortes que o Halloween de John Carpenter. A atmosfera de suspense crescente, com Michael Myers sempre à espreita na penumbra, com sua respiração ofegante e máscara branca inexpressiva, continua bem conduzida pelo diretor Rick Rosenthal, muito bem guiado e instruído por Carpenter. Algumas mortes são bastante explícitas, como a clássica cena em que uma enfermeira gostosona nua tem seu rosto mergulhado várias vezes dentro da banheira de hidromassagem da sala de fisioterapia, com a temperatura no máximo, até ela começar a derreter e estourar bolhas de pústulas na face.

Mas os principais acréscimos de Halloween 2 – O Pesadelo Continua para a franquia é a explicação do porque dessa obsessão de Michael por Laurie Strode, quando descobrimos que na verdade ela é sua irmã, sendo que apenas oficiais gabaritados do estado de Illinois tinham acesso a essa informação. Nem o próprio Dr. Loomis, que tratou de Myers por 15 anos, sabia disso. Além disso, começa a se jogar uma espécie de luz sobrenatural no assassino, dando algumas pistas de porquê atacar sempre na noite de Dia das Bruxas, ou Samhain em celta, festa pagã que celebra a véspera o Dia de Todos os Santos, onde sacrifícios eram praticados nessa noite pelos druidas para cultuar os mortos. E talvez esse seja um dos motivos de Myers ter adquirido uma força descomunal e uma espécie de invencibilidade, que seria marca registrada das fraquíssimas continuações que viriam por aí.

Vemos aqui também uma evolução nítida na atuação de Jamie Lee Curtis, principalmente se compararmos ao próprio Halloween – A Noite do Terror ou mesmo A Morte Convida Para Dançar. E Myers, diferente do retardado violento Jason Voohrees e do afobado e fanfarrão Freddy Kruger, é um assassino com muita classe, garbo e elegância. Ele é esguio, taciturno, calmo, com uma frieza calculada, que espreita suas vítimas, com um sádico toque de voyeurismo, até atacá-la. Sem dúvida ele é o mais bacana e preza dos serial killers dos filmes slasher. Uma curiosidade é que quando Myers adentra uma das casas para pegar uma nova faca, na televisão está passando A Noite dos Mortos-Vivos de George Romero, uma bela homenagem de Carpenter.

Depois de Halloween 2 – O Pesadelo Continua, a série escambou e virou Brasil, né? A terceira parte é uma historiazinha sem pé nem cabeça, deixando Michael Myers de lado por completo e trazendo uma trama sobre uma conspiração de uma empresa de máscaras de Dia das Bruxas(???!!!). Na quarta parte Myers retorna e fica nessa mesmice até a sexta. Em 1998, foi lançado Halloween H20 – 20 Anos Depois, que ignora tudo que foi feito da parte 3 em diante, e continua a história, 20 anos depois (dããããã), de onde esse filme aqui parou, trazendo até Jamie Lee Curtis como Laurie Strode de volta. Ainda teve mais outras duas continuações depois e as bombas de Rob Zombie em seguida, que não vale nem citar.

Sobe ou desce?

Sobe ou desce?

Serviço de utilidade pública:

O DVD de Halloween 2 – O Pesadelo Continua está atualmente fora de catálogo.

Download: Torrent + legenda aqui.

 


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. Marcus Vinícius disse:

    Essa continuação foi a primeira vez que Michael Myers me foi apresentado, mas eu não entendo o porquê de passarem só as continuações das franquias, e nunca o primeiro filme. Uma coisa que eu sempre quis foi fazer uma paródia de Halloween, meio no estilo ‘Entrei em Pânico…’ do Felipe M. Guerra; e com sorte ganhar ao menos um Horrorview do seu blog. Mas como eu ainda tô no 2° ano e não tenho dinheiro, talvez eu só consiga fazer depois que a lista do 101 Horror Móveis acabar.

    • Salve, Marcus Vinícius. Hahhahahaahah, mas dependendo de como fosse o filme, poderia ganhar um Horrocast né? 😉

      Pior que essa lista ainda vai demorar para acabar, hein…

      Abs

      Marcos

  2. mnasom disse:

    Esse halloween 2 tb foi o primeiro q assisti,na epoca foi numa sessao de cinema do sbt…na epoca a imagem do sinal nao era muito boa hehehe,mas me lembro muito bem da trilha sonora.Comprei o dvd anos depois numa loja de departamento bem barato…com Halloween 2 e 3.Concordo que Rob zombie “fu…eu” com a sequencia…suspendeu o suspense e colocou uma violencia fora do controle.

    • Acho que a maioria da galera, pelo menos da minha geração, deve ter visto Halloween 2 primeiro que o original do John Carpenter.

      Quanto ao Rob Zombie, não quero nem zuar. Vai que é doença!

      Abs

      Marcos

  3. […] que não havia a menor credibilidade trazer Michael Myers de volta, já que ele havia morrido em Halloween 2 – O Pesadelo Continua (ah, vá) e não queriam tornar a franquia mais um Sexta-Feira 13 (ah, vá) colocando o assassino […]

  4. Raphael Travassos disse:

    Adoro esse filme e acho que rivaliza, sim, com o original. Fiquei extremamente feliz em ler uma resenha que ateste isso (todas as outras sempre dão conta de como esse é inferior e bla bla bla). Claro que existem personagens que só servem pra morrer (assim como no primeiro) e um segundo ato meio barrigudo, na minha opinião. Mas o suspense tá sempre lá e tem cenas fantásticas, como a que Laurie se arrasta do lado de fora do hospital tentando pedir ajuda, sem sucesso. Uma jóia, esse filme.

  5. […] mais: das continuações dos principais filmes slasher dos anos 80 (aka Sexta-Feira 13: Parte 2, Halloween 2 – O Pesadelo Continua) sem dúvida nenhuma essa daqui é a pior em todos os sentidos (até porque os outros dois exemplos […]

  6. […] no seminal Halloween – A Noite do Terror, de 1978. Sabemos que depois de uma ótima sequência, Halloween 2 – O Pesadelo Continua, que se passa na mesma fatídica noite da celebração norte-americana, Carpenter resolveu seguir […]

  7. Em mil novecentos e setenta e oito, JOHN CARPENTER e DEBRA HILL criaram um monstro!
    Eles elaboraram o sombrio e barato HALLOWEEN, um autêntico monstro mercadológico que
    arrasou as bilheterias de cinema de uma América do Norte desavisada. Sobrou grana e
    credibilidade para JOHN CARPENTER aceitar IN LOCO o desafio de ser um produtor,
    e ceder a função de diretor para um então novato promissor, que havia dirigido
    um curta-metragem que o havia divertido, algo chamado THE TOYSTER.
    Sim, aquela figura bonachona que dirigiria o infantil RUSSKIES (1987),
    o renegado telefilme Os Pássaros 2 (1994) e o seguimento inicial de HALLOWEEN: RESSURREIÇÃO
    (em 2002, o restante com MICHAEL MYERS servindo de escada para o BHUSTA RHIMES é melhor esquecer),
    antes de encontrar seu aconchego nos mais variados seriados da televisão norte-americana.
    Então, a falta de experiência do novato enxertou a maior barriga na metade da trama,
    e o resultado ficou aquém do esperado, como qualquer uma daquelas imitações do JOHN CARPENTER’S HALLOWEEN
    lançadas a torto e a direito no período. Em meio a isso, o sobrecarregado JOHN CARPENTER corrigiu alguns
    tempos mortos com cenas adicionais. E junto com ALAN HOWARTH e seus atmosféricos teclados eletrônicos,
    montou um método apelidado por eles de “livro de colorir sonoro”: compuseram os acordes da trilha sonora
    enquanto assistiam as cenas prontas, o que ajudou a revigorar os já marcantes temas musicais reaproveitados
    do filme original de 1978. O carro derrapou abrupto, mas não chegou a capotar, apesar daquele
    “maldito boneco molengo” sismar em envergar segundos depois de ser imprensado contra um furgão
    caprichosamente estacionado.

  8. […] Assim surgiu Halloween H20 – Vinte Anos Depois, que tem três brutais pontos de superioridade com relação a todos os seus irmãos slasher 2.0 da época. O primeiro é Michael Myers, que dispensa apresentações e é querido por 11 a cada 10 fãs do horror. O segundo é a volta de Jamie Lee Curtis, a eterna Laurie Strode, a Scream Queen original. O terceiro é que eles resolveram simplesmente ignorar toda a pataquada de Halloween 4: O Retorno de Michael Myers para frente e suas pavorosas duas continuações, como se nunca tivessem existido, e a trajetória de assassinatos do psicopata na pequena cidade de Haddonfield tivesse se encerrado em Halloween 2 – O Pesadelo Continua. […]

  9. […] ignoradas na cronologia da franquia (que só considerava Halloween – A Noite do Terror e Halloween 2 – O Pesadelo Continua), Myers voltou à ativa no decente Halloween H20 – 20 Anos Depois, cuja ideia era exatamente […]

  10. […] é ótimo. A Hora do Pesadelo tem o querido Os Guerreiros dos Sonhos e o incrível O Novo Pesadelo. Halloween 2 – O Pesadelo Continua é quase tão bom quanto o primeiro. Até os filmes do Chucky, Pânico, Jogos Mortais, e mesmo […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: