441 – Possessão (1981)

Possession

1981 / França, Alemanha Oriental / 127 min / Direção: Andrzej Zulawski / Roteiro: Andrzej Zulawski / Produção: Marie-Laure Reyre / Elenco: Isabelle Adjani, Sam Neill, Margit Carstensen, Heinz Bennent

 

Eu sou um cara que é muito fã de filmes de terror. Acho que vocês já perceberam isso, né? E eu valorizo muito o gênero e detesto tentar rotulá-lo, pois elementos de horror você pode encontrar em diversos tipo de filmes, mesmo que eles não sejam clichê ou sigam determinadas doutrinas. E esse é o caso de Possessão, tresloucada e bizarra produção do diretor ucraniano Andrzej Zulawski.

Limitar chamá-lo somente de filme de horror é algo muito simplório e ignorante. E por mais que haja elementos o bastante para colocá-lo nessa prateleira na locadora, como sangue, mortes, perversão sexual e até um monstro, Possessão é muito bem um drama existencialista e um filme cult de diretor também. É sobre amor obsessivo, psicose, bizarrice sexual, controle, fim de relacionamento, traição, fracasso da instituição familiar e do casamento. É recheado de metáforas. E tudo isso filmado pela câmera intensa de Zulawski, com seus closes invasivos e perturbadores e as atuações viscerais do casal Sam Neill, permissivo, dependente e fraco e Isabelle Adjani, linda, louca, psicótica e escrava de um desejo sexual incontrolável.

Neil interpreta Mark, casado com Anna (Adjani), que ficou muito tempo ausente devido ao seu obscuro trabalho e ao voltar dessa viagem encontra o casamento destruído, com Anna assolada por sérias dúvidas sobre sua própria vida e sentimentos. Nesse tempo ela mantinha um caso extraconjugal com Heinrich. Enquanto Mark sempre foi um bunda mole, Heinrich parecia ser o cara liberal, intelectual, viajado, que era melhor de cama, melhor de papo, melhor de tudo e conseguia satisfazer certas necessidades que Anna não encontrava no marido. Certo, isso é passível de acontecer em qualquer relacionamento. Só que Anna acaba voltando para casa, para sumir em seguida, largando tanto o marido e o filho, o pequeno Bob, quanto o amante, aparecendo esporadicamente apenas para ver a criança e ter ataques histéricos e suicidas, vivendo uma verdadeira batalha campal constante com o marido, que ainda insiste em se sujeitar, sem um pingo de amor próprio, a rastejar aos pés da mulher.

Pois bem, Mark no auge da sua obsessão contrata um detetive para saber onde Anna está passando seus dias e noites e principalmente com quem. E o que ele descobre não é nem um pouco agradável e aqui que o filme entra no campo do fantástico. Anna vive em um apartamento imundo com uma estranha criatura, repleta de tentáculos, que a satisfaz sexualmente. É mais ou menos como se ela trepasse incansavelmente noite afora com algum monstro saído diretamente de um livro de H.P. Lovecraft.

Casal neuras!

Anna então começa a matar todos aqueles que veem a criatura e tentam de alguma forma afastá-los, dando-os de alimento, ou seu sangue, para que ela vá tomando forma. Pelo menos é isso que dá a entender. O monstro é obra do italiano Carlo Rambaldi, morto recentemente, que no início de sua carreira trabalhava como maquiador de vários filmes do italiano Mario Bava, e mais tarde Dario Argento, como em Prelúdio Para Matar e depois ficou famoso por criar efeitos visuais para filmes como Alien – O Oitavo Passageiro, King Kong (1976), ET – O Extraterrestre, Contatos Imediatos de Terceiro Grau e Duna.

As atuações dos dois atores são sensacionais. Adjani, que faz um papel duplo, além da surtada Anna, a doce professora Helen, ganhou o prêmio de melhor atriz no Festival de Cannes, assim como Zulawski também concorreu a Palma de Ouro, e ela ainda levou o César daquele ano. Preste muita atenção na cena do metrô. No grau de histeria, descontrole e exagero que ela chega, numa das cenas que para mim, é uma das mais assustadoras de todos os tempos. E não há nenhum elemento assustador básico que vem na sua cabeça quando se pensa em um filme de terror, não. É só a mais pura loucura elevada à enésima potência, e claro, com uma boa pitada de sangue, porque a gente adora. Mas a verdade é que todos os atores do filme fazem personagens igualmente bizarros, e parecem que vivem em um mundo desconexo.

Quanto mais vai se aproximando do final, mas as coisas vão perdendo o sentido e ficando xaropes, sem perspectiva alguma de um final feliz e sem chavões. Até uma questão religiosa filosófica começa a ser discutida pelos protagonistas, sobre a existência ou não de Deus. Fora que o próprio final é repleto de metáforas e você termina de ver o filme com aquela cara de interrogação. Mas esse era o propósito inicial, que não fosse uma peça fechada com uma conclusão óbvia. Não há vencedores, nem mocinhos e nem vilões.

Possessão é um filme complexo. É preciso ter muito estômago e estar preparado psicologicamente para assisti-lo. Mas é uma pérola da sétima arte, isso sem dúvida nenhuma, e completamente diferente de todos os outros 100 filmes de terror dessa lista, isso você pode apostar.

E você reclama da sua namorada porque acha ela estranha?

Serviço de utilidade pública:

Compre o DVD de Possessão aqui.

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

7 Comentários

  1. Alexandre disse:

    Ei muito bom o seu blog, no momento que eu o achei comecei a ler e não parei, muito dos filmes eu ja tinha visto e gosto de comparar as opiniões, mas esse foi um achado!

    A tempos vejo esse filme nas Americanas pra comprar , li a sinopse e achei interessante, mas como o diretor era totalmente desconhecido [pelo menos pra mim] eu não comprei, depois de ler os primeiros parágrafos do blog baixei e concordo plenamente com vc, esse filme eh intenso, tanto nas brigas do casal, os temas que ele debate e na atuação da Adjani!

    Bom parabéns pelo blog, é bom alem de conseguir ler boas criticas também consigo baixar os filmes!
    Até

    • Marcos Brolia marcosefe disse:

      Oi Alexandre. Muito obrigado pelo comentário!

      Fico mega feliz que você esteja gostando do blog e dos posts. A intenção de poder baixar os filmes é realmente essa. Conhecer coisas novas, rever clássicos e comparar as opiniões, para ver se concorda ou se acha que estou falando bobagens!

      Continue acompanhando e fique a vontade de sempre comentar quando quiser.

      Obrigado mesmo, de coração!

  2. Allan disse:

    De fato é um filme complexo mesmo. Fiquei meio perdido quando assisti, mas achei excelente mesmo assim.
    Preciso rever pra tentar entender melhor.

  3. Eurico Machado disse:

    Adoro as suas resenhas, com certeza vou baixar e conferir.
    Excelente trabalho.

  4. Tthrash disse:

    Cara Parabéns pela resenha do filme, at
    E hj estou relutando para ver esse filme kkkk, gosto de terror e trash principalmente mais filmes bem mais pancadas como esse o exorcista que esse te no aqui, e vejo algumas vezes perdidas, são todas, esses sim são film de terror pq abordam temas reais e psicológicos dramas humanos com psicose e sobrenatural, tb gosto de amityville q sou fan, mas digo q tb e muito Pauleira principalmente o 2, mas vou ver esse filme qualquer dia. Parabéns pelo site, quando não acho uma resenha em blogs e sites de terror venho p cá pois aqui parece ser bem mais completo o que faltava nos outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: