462 – O Segredo da Múmia (1982)

url

1982 / Brasil / 85 min / Direção: Ivan Cardoso / Roteiro: Rubens Francisco Luchetti, Ivan Cardoso e Eduardo Viveiros (história) / Produção: Ivan Cardoso, Fernando Carvalho, Rubens Francisco Luchetti, Zeca Parente e Anselmo Vasconcelos (Produtores Associados), Zelito Viana (Produtor Executivo) / Elenco: Wilson Grey, Anselmo Vasconcelos, Clarice Piovesan, Evandro Mesquita, Regina Casé, Felipe Falcão, Tânia Boscoli

 

Não é só de Zé do Caixão que vivia o cinema de terror brasileiro, não. Eis que habemus Ivan Cardoso, o mestre do “terrir”. O Segredo da Múmia essa pérola do cinema nacional nonsense dos anos 80, é deliciosamente divertido. Mistura cafona e impagável de humor com terror, mete em um balaio de gato uma homenagem aos clássicos da Universal, cientistas loucos, Egito Antigo, múmia e pornochanchada.

Primeiro filme da “trilogia” dos “monstros” do diretor carioca, que ainda teria As Sete Vampiras e o mais recente Um Lobisomem na Amazônia, O Segredo da Múmia é um pastiche que em nenhum momento pode ser levado a sério e tem toda aquela pegada já famosa dos filmes brasileiros do período. Não vá pensando que você vai encontrar nada que se preze e não venha me encher o saco que isso aqui é um blog de terror. Afinal o filme tem múmia! É nosso O Jovem Frankenstein ou A Dança dos Vampiros, dada suas devidas proporções.

E a múmia sempre foi o mais loser dos monstros, vai. Tá, talvez o lobisomem Larry Talbot de Lon Chaney Jr., seja o mais loser no sentido bíblico da palavra, mas convenhamos, a múmia é um monstro tosco pra cacete. E quando essa múmia vem parar no Brasil, nos anos 50, então não há comparações. Fato é que o roteiro estrambólico pega muito do maniqueísmo e dos clichês dos filmes da criatura egípcia envolta em ataduras dos anos 30 e 40, emulando sua maldição secular, seus ataques e até a forma como carregava as mulheres em seus braços se arrastando por aí deixando um rastro de areia e mofo por onde passava. A múmia verde de Runamb (papel de Anselmo Vasconcelos, em um até impressionante trabalho de maquiagem) é cuspida e escarrada a criatura de Boris Karloff, Lon Chaney Jr. e até Christopher Lee de tempos passados. A diferença é que ela não se leva a sério. É uma múmia, pô.

As múmias também amam

As múmias também amam

Até sua maldição é resultante de um rabo de saia. Enquanto na Universal, ele padeceu pelo amor de Ankh-es-en-amon e depois da princesa Ananka, aqui um antigo mercador egípcio é caidinho pela dançarina de dança do ventre Nadja (a gatinha Tânia Boscoli), e mesmo com todo ouro, não conseguiu seu amor. Obcecado, o sujeito via a moçoila em todas as mulheres e em um acesso de fúria, as matava, fazendo com que assim fosse condenado à mumificação e a uma maldição que só seria libertada quando recebesse a compaixão de uma mulher.

Passam-se milênios e o picareta Expedito Vitus (papel do engraçadíssimo Wilson Grey), ridicularizado pela comunidade científica ao vangloriar-se de ter descoberto o elixir da vida, encontra o túmulo da múmia montando um mapa com diversos pedaços conseguidos após misteriosos assassinatos de seus donos. Ele traz a múmia para o Rio de Janeiro e decide usar seu elixir no cadáver esfarrapado (que na verdade já havia funcionado em seu capanga e empregado Igor – Felipe Falcão, hilário – que o transformou naquele estereótipo de assistente de cientista louco) para trazê-la de volta à vida.

Não dá outra, e então o monstro ressurge para continuar seu rastro de morte e de pegação. No meio do roteiro completamente amalucado que leva sempre o ridículo ao extremo, vemos que as vítimas da múmia são trancafiadas em um calabouço e começam a regredir a um estado primitivo (!!!!), a esposa de Vitus, a lambisgoia Gilda (Clarice Provesan) tem um caso adúltero com o também cientista Rodolfo (vivido pelo maestro Julio Medaglia, que também faz a trilha sonora do filme), o repórter Everton da Rádio Mundo, papel de Evandro Mesquita, começa a investigar o desaparecimento das garotas e até a Regina Casé tem um papel como a homônima Regina, empregada do Prof. Vitus.

Tá de olho no biquinho do peitinho dela

Tá de olho no biquinho do peitinho dela

Então meu amigo, prepare-se que ela irá ser a responsável pela REAL CENA DE TERROR DO FILME. Magra igual uma taquara rachada, com dentes de cavalo e feia que dá dó, ela terá uma tórrida cena de sexo com Igor, mostrando para todo o Brasil varonil seu sovaco peludíssimo (e xoxota idem), enquanto ela se contorce pelada na cama com o feiosão a lambendo. Sério, é digno de proporcionar pesadelos, mesmo com você acostumado a ver aquele jaburu apresentando o Esquenta e com toda a aquela pegada de ode à pobreza que ela sempre cultua.

E claro que falando em cinema brasileiro, teremos putaria à vontade. Incluindo um extra de Maria Zilda Bethlem numa ponta sacana, que não acabará nada bem para ela e o felizardo quando a múmia aparece em cena. Gilda, que vive de camisola preta transparente o filme inteiro também entra no rol das safadezas desfiladas na película por Cardoso. Mas apesar do escracho, há uma ou outra cena bacana, como, por exemplo, quando a múmia decapita Igor com uma pá. Tudo bem que depois Vitus ficará chorando pela perda do amigo, embalando a sua cabeça em seus braços, mas está valendo. E o final, apesar de tosco, é IGUALZINHO aos clássicos da Universal. I-GUAL-ZI-NHO!

Vale muito a pena gastar uma hora e meia da sua vida para ver a podreira que é O Segredo da Múmia. Dispa-se de seu preconceito e de toda e qualquer aversão que você tenha ao cinema nacional e esqueça o discurso xiita e mimimi de “só gosto filme de terror sério e bem feito” propriamente dito, que você irá se divertir pacas com esse “terrir” descompromissado de Cardoso.

Brendan Fraser e Rachel Welsz tupiniquins

Brendan Fraser e Rachel Welsz tupiniquins

Serviço de utilidade pública:

O DVD de O Segredo da Múmia não foi lançado no Brasil.

Download: Torrent aqui.

 


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. Marcus Vinícius disse:

    Legal, o primeiro da lista independente de jose mojica. Bom ter mais exemplos, como o recente Rodrigo Aragão, ainda mais com a notícia que sinto em dar que o mestre Mojica está bem doente, já foi internado duas vezes este ano, uma pena; pois eu tinha lido que ele estava codirigindo uma antologia de terror com Rodrigo Aragão :((((

  2. Lucas Henderson disse:

    Ótima aquisição de filmes de terror nacional no blog. Mesmo não sendo extraordinário vale a pena ser conferido. Espero que outros filmes do autor compareçam no blog. Excelente trabalho. abraços.

  3. […] anos depois de Ivan Cardoso adentrar ao “terrir” nacional em O Segredo da Múmia, o diretor novamente ataca o gênero com As Sete Vampiras, trocando o milenar monstro enfaixado […]

  4. […] 9) O Segredo da Múmia (1982) […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: