464 – Tenebre (1982)

url

Itália / 1982 / 110 min / Direção: Dario Argento / Roteiro: Dario Argento / Produção: Claudio Argento, Salvatore Argento (Produtor Executivo) / Elenco: Anthony Franciosa, Christian Borromeo, Mirella D’Angelo, Veronica Lario, John Saxon, Daria Nicolodi

 

Depois de ter ajudado a popularizar e criar as diretrizes do giallo com sua Trilogia dos Animais, O Pássaro das Plumas de Cristal, O Gato de Nove Caudas e Quatro Moscas Sobre Veludo Cinza, e a obra-prima Prelúdio Para Matar, Dario Argento voltou sua câmera para o sobrenatural em Suspiria e A Mansão do Inferno. Mas ele retorna ao gênero depois sete anos com Tenebre.

E Argento aproveita mais um de seus longas para se mostrar como o artesão da ultraviolência. Utiliza, como de praxe, de todos os elementos da construção de uma obra cinematográfica, som, luz, planos, campo, contracampo, para apresentar sua opereta macabra do gore. A primeira morte da fita, quando a garota é asfixiada pelas páginas de um livro entubadas goela abaixo e tem sua garganta cortada, já mostra que provocar o choque é sua meta aqui.

Além disso, há em Tenebre diversas das marcas registradas do diretor espalhados pelo longa, como uma vítima de assassinato quebrando uma janela, personagens recobrando memórias como pistas para tentar desvendar os assassinatos e os closes das mãos do psicopata usando luvas de couro preta, uma das principais características estéticas dos gialli. Mas o que ele quer realmente, literalmente, é esguichar na cara do espectador é o sangue.

Machadada na moleira

Machadada na moleira

Peter Neal (Anthony Franciosa – considerado por Argento um dos mais difíceis atores com o qual já trabalhou) é um escritor de mistérios que vai até Roma promover seu último best-seller, Tenebrae (que no latim significa sombra). Porém um maluco assassino começa a matar suas vítimas de acordo com os acontecidos escritos nas páginas de seu livro com uma navalha e mandar recadinhos e enigmas para o escritor. Neal se vê envolvido na trama e começa a ajudar os detetives Germani (Giuliano Gemma) e Altieri (Carola Stagnaro), com o auxílio de sua secretaria affair Anne (Daria Nicolodi – ex-esposa de Argento e mãe de Asia) e de seu assistente Gianni (Christian Borromeo).

Os assassinatos que dão origem ao sangue vermelho, vivo, plástico, novamente é o carro chefe do filme de Argento, já que o roteiro parece um remendo de narrativas paralelas sem a menor necessidade, como a subtrama que narra o romance entre o agente de Neal, Bullmer – papel de John Saxon, mais conhecido como pai de Nancy em A Hora do Pesadelo – e a ex-esposa stalker do escritor, Jane – Veronica Lario, ou mesmo os flashbacks que contaram a motivação do assassino. Isso sem contar uma ridícula cena onde uma garota é perseguida por um dobermann, que se arrasta de forma patética e sem sentido, até ela ir coincidentemente parar na casa do assassino e ter um destino trágico. Fora o roteiro capenga, não podemos esperar muito das atuações dos atores de Tenebre, fazendo diversas caras e bocas, típicas da canastrice italiana.

Mas Argento não é e nem nunca foi um diretor de atores e seus filmes nunca primariam pela primazia de um roteiro ou trama bem elaborada. Isso fica absurdamente evidente em Tenebre, ainda mais que em seus outros longas anteriores. Ele é um apreciador da estética estrema, da composição absoluta, cuidadosamente planejada em cada take, contando com a excelente fotografia de Luciano Tovoli, que explora o branco para que as cores primárias como o vermelho e o azul ganhem destaque, e a direção de arte precisa de Giuseppe Bassan. Todos esses elementos misturados para Argento levar o espectador para o choque final (e óbvio até demais – tirando a explicação esdrúxula), em uma cena onde litros e mais litros de sangue quase escorrem para fora da tela.

Pisa ni mim

Pisa ni mim

Apesar da mensagem subliminar que gera uma discussão a parte, de que uma obra de ficção pode influenciar um maníaco a aflorar sua psicose assassina, apresentando um serial killer que resolve emular as mortes impressas nas páginas de um livro (apesar das motivações do assassino e sua ligação com a escrita serem muito mais enraizadas do que se suspeita) a trama de Tenebre tenta se sustentar em uma pobreza de investigação e motivações que vale até citação de O Cão dos Baskerville de Sir Arthur Conan Doyle, “elimine o impossível, e o que restar, por mais improvável que pareça, deve ser verdade”, que até soa como uma desculpa esfarrapada para o final que aguarda o espectador.

Outros dois nomes saltam aos olhos dos fãs de horror nos créditos de Tenebre: Lamberto Bava, filho do Maestro do Macabro, Mario Bava, que trabalha como primeiro assistente de direção e mais tarde dirigiria Demons – Filhos das Trevas (produzido por Argento) e Michele Soavi, segundo assistente de direção, que dirigiria o cult Pelo Amor e Pela Morte. Além disso, conta com a sempre esquizofrênica trilha sonora do Goblin de Claudio Simonetti (e a faixa tema que para mim sempre estará associada a música Phantom da dupla eletrônica Justice, que sampleou a track).

Tenebre é Dario Argento em vários sentidos. No que há de melhor e de pior. O fã tem de estar ciente e preparado. E isso é mais que o suficiente para torná-lo obrigatório a qualquer amante do cinema de terror italiano e do cultuado diretor.

Ultraviolência

Vão se os anéis… e não ficam os dedos

Serviço de utilidade pública:

O DVD de Tenebre não foi lançado no Brasil.

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. Paulo Geovani disse:

    Estou farejando fãs de Argento por aqui.

  2. […] iniciado em Suspiria (com todos os demais filmes tendo seu título original em latim: Inferno, Tenebre, Phenomena) que ora engendrou pelo sobrenatural, ora pelo suspense italiano. Mas infelizmente, a […]

  3. […] películas anteriores e tendo realizado filmes bem medianos ou abaixo da crítica, como Phenomena, Tenebre e Terror na Ópera. Chegar a Hollywood (ainda de forma tão tardia) fatalmente faria com que seu […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: